Afirmações científicas de 2020 podem ser grandes notícias se confirmadas

Compartilhe esta informação com a galáxia!
Tempo de leitura: 3 min.
Afirmações científicas de 2020 podem ser grandes notícias se confirmadas
Crédito da imagem: depositphotos

As descobertas sobre o cosmos e a vida antiga na Terra atormentaram os cientistas e o público em 2020. Mas essas grandes alegações requerem mais evidências antes de ganharem um lugar nos livros de ciências.

Nuvens com chance de vida

A paisagem infernal escaldante da porta ao lado pode ser um lugar para procurar por vida. Telescópios apontados para as nuvens de Vênus detectaram traços de fosfina em quantidades que sugerem que algo deve estar produzindo ativamente o gás. Na Terra, a fosfina é emitida por certas bactérias ou processos industriais, levando alguns astrobiólogos a especular que micróbios podem estar vivendo na atmosfera superior relativamente temperada de Vênus. Mas as análises de outras equipes de pesquisa sugerem que a detecção de fosfina foi uma leitura incorreta – talvez o resultado de um acaso no processamento de dados.

Flashback

Pela primeira vez, os astrônomos podem ter vislumbrado uma rápida explosão de rádio na Via Láctea. Ainda mais intrigante, a fonte do impulso super-brilhante das ondas de rádio parece ser um magnetar – um tipo de estrela de nêutrons com um campo magnético intenso. Mas é muito cedo para afirmar que os magnetares causaram qualquer uma das dezenas de rajadas de rádio rápidas detectadas anteriormente, já que esses flashes vieram de galáxias muito distantes para rastrear as rajadas de volta a uma fonte.

Totalmente tubular

Tubos presos às conchas externas de centenas de braquiópodes fossilizados descobertos em um afloramento na China podem ter abrigado os primeiros parasitas conhecidos. Os braquiópodes semelhantes a moluscos viveram há cerca de 512 milhões de anos. Os pesquisadores especulam que os organismos que vivem dentro dos tubos roubavam a comida de seus hospedeiros que se alimentam do filtro.

Afirmações científicas de 2020 podem ser grandes notícias se confirmadas
Organismos antigos que viviam em tubos presos a braquiópodes semelhantes a moluscos (ilustrados) podem ser os primeiros exemplos conhecidos de parasitas. ZHIFEI ZHANG / NORTHWEST UNIV.

O fato dos tubos nunca terem sido encontrados sozinhos ou em outros fósseis no afloramento sugere que os organismos não poderiam sobreviver por conta própria. Mas alguns críticos questionam se a relação era verdadeiramente parasitária, visto que os braquiópodes com tubo não pareciam em pior situação do que seus homólogos sem tubo.


Encontrada: matéria comum

Apenas cerca de metade da quantidade esperada de matéria comum do universo já foi catalogada. Mas este ano, os astrônomos afirmaram que a outra metade está se escondendo no espaço intergaláctico. Essa conclusão é baseada na análise de como uma pequena amostra de rajadas rápidas de rádio de outras galáxias foram distorcidas por partículas a caminho da Terra.

Porém, antes que o caso da matéria perdida possa ser encerrado, mais dessas rajadas rápidas de rádio precisam ser examinadas.

Liguem seus motores cósmicos

Uma partícula subatômica fantasmagórica pode ter sido acelerada pelo encontro destrutivo de uma estrela com um buraco negro.

Detectado pelo detector IceCube na Antártica, o neutrino carregava 200 trilhões de elétrons-volts – cerca de 30 vezes mais energia do que a de um próton acelerado pelo Grande Colisor de Hádrons. Os cientistas compararam a detecção de neutrino a um flash de luz no céu causado por um buraco negro destruindo uma estrela. A probabilidade do neutrino e do flash coincidirem por acaso é de apenas 0,2%.

Se a descoberta se mantiver, será apenas a segunda vez que um neutrino de alta energia foi rastreado até sua fonte, e a primeira evidência direta de que fragmentar uma estrela pode acelerar os neutrinos a altas energias.

Em movimento

O longo debate sobre quando os humanos viajaram pela primeira vez para e das Américas continua. Um grupo de pesquisadores relatou que as pessoas chegaram à América do Norte mais de 15.000 anos antes do que geralmente se pensava, com base na descoberta de ferramentas de pedra de aproximadamente 33.000 anos desenterradas no México. Alguns arqueólogos, entretanto, duvidam que os artefatos sejam até mesmo ferramentas de pedra e dizem que, em vez disso, são apenas rochas quebradas naturalmente.

Afirmações científicas de 2020 podem ser grandes notícias se confirmadas
Se confirmadas como ferramentas de pedra, este objeto e outros desenterrados em uma caverna no México sugerem que os humanos chegaram à América do Norte há pelo menos 33.000 anos.
CIPRIAN ARDELEAN

Outro grupo de pesquisa relatou que os indígenas sul-americanos cruzaram milhares de quilômetros de oceano aberto e alcançaram o leste da Polinésia há mais de 800 anos, não muito depois que colonos da Ásia colonizaram as ilhas. Essa conclusão se baseia em evidências genéticas que sugerem que os intrépidos sul-americanos acasalaram-se com antigos polinésios. Mas alguns antropólogos questionam se os primeiros grupos sul-americanos tinham o equipamento ou as habilidades marítimas necessárias para a viagem. Polinésios antigos, que eram navegadores experientes, podem ter viajado para a América do Sul, trazendo um novo DNA com eles em uma viagem de volta para casa.

(Fonte)


n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe esta informação com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site.

Clique aqui para apoiar através do site Apoia.se, ou use o botão abaixo:


*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:

(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.