web analytics

Mitos e histórias sobre as Plêiades datam de 100.000 anos atrás

Tempo de leitura: 3 min.
Mitos e histórias sobre as Plêiades datam de 100.000 anos atrás
O aglomerado de estrelas das Plêiades, tema de inúmeros mitos e lendas desde tempos imemoriais. Crédito: Caltech, Palomar Observatory, Digitized Sky Survey

Seria possível que os mitos e lendas sobre as Plêiades tenham 100.000 anos?

As Plêiades estão entre os asterismos mais notáveis. Você pode estar se perguntando o que exatamente é um asterismo. Trata-se de um grupo de estrelas característico e facilmente reconhecível, que pode pertencer a uma ou mais constelações, mas não é uma constelação em si. Em vez disso, é um aglomerado aberto de estrelas.

O aglomerado de estrelas das Plêiades é um dos poucos visíveis a olho nu e certamente um dos mais facilmente reconhecíveis. Ele é dominado por jovens estrelas azuis formadas nos últimos 100 milhões de anos. De acordo com modelos teóricos modernos, o aglomerado existirá por mais 250 milhões de anos, após os quais se dissipará no espaço interestelar, sob a pressão das forças das marés dos braços espirais e das nuvens de gás e poeira da Galáxia.

Mitologia

As Plêiades são conhecidas pela humanidade desde tempos imemoriais. Os arqueólogos encontram pinturas rupestres desse asterismo incrivelmente belo em quase todos os cantos do mundo. Como você pode imaginar, esses desenhos foram feitos muito antes do início de nossa era.

Nos mitos gregos, as Plêiades eram sete ninfas, belas criaturas divinas que habitavam o mundo natural. Elas eram as filhas do titã Atlas e da ninfa Playon. Um dia, quando as Sete Irmãs estavam caminhando na floresta com sua mãe Playon, elas viram o caçador Orion.

Orion se apaixonou delas e começou a persegui-las. Quando o deus Zeus viu que elas estavam em perigo, ele as transformou em estrelas para salvá-las de Orion.

Na verdade, se você observar o céu no inverno, notará que as Plêiades se movem do leste para o oeste, e Orion as segue. As Plêiades podem ser observadas no hemisfério norte no inverno e no hemisfério sul no verão.

Claro, esses mitos têm muitas variações e você pode ter ouvido uma versão completamente diferente sobre as Plêiades. O que é importante é que eles eram extremamente importantes para os povos antigos, pois determinavam as estações por sua posição no céu. Quanto à ciência moderna, as Plêiades são um constante objeto de estudo.

É possível que os mitos sobre as Plêiades tenham 100.000 anos?

Um estudo recente sobre o movimento das Plêiades levou a teorias inovadoras que poderiam reescrever a história dos mitos.

A pesquisa foi conduzida usando o Telescópio Espacial Gaia em duas estrelas específicas das Plêiades – Pleione e Atlas. Ela foi influenciada pela curiosidade por trás dos mitos das “Sete Irmãs” (o aglomerado de estrelas). Por que as culturas de todo o mundo se referem a sete estrelas quando a olho nu pode ver claramente apenas seis?

O que os estudos revelaram foi que Pleione e Atlas estão hoje tão próximas que aparecem como uma única estrela no céu.

Resultados da simulação mostrando como duas das estrelas das Plêiades teriam aparecido no céu 100.000 anos atrás. Crédito: Ray Norris

Medir o possível movimento das Plêiades nos últimos 100.000 anos em retorno revelou que Pleione estava muito mais longe de Atlas, o que significaria que os antigos estavam, de fato, vendo 7 estrelas em vez de 6.

Isso levou a uma nova teoria sugerindo que os mitos que conhecemos sobre as Plêiades poderiam ter existido de uma maneira diferente há mais de 100.000 anos.

E se os primeiros humanos da época da grande migração da África tivessem suas próprias versões desses mitos? É claro que eles tinham uma imagem muito melhor do céu noturno naquela época.

É possível que os antigos gregos e todas as outras civilizações da antiguidade que compartilharam suas próprias histórias sobre as Plêiades podem tê-las adotado de povos anteriores. Dada a natureza dos mitos que sugerem que havia Sete Irmãs, é possível que essas histórias datem de 100.000 anos, quando todas as sete estrelas eram visíveis no céu.

(Fonte)


A astronomia e apaixonante!

– n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.


Meus sinceros agradecimentos aos que doaram ao OH neste mês de maio:

  • Boris G. K.
  • Ricardo C. A.
  • Eduardo S. S.
  • Egidia L.
  • Joaquim F. P. C.
  • Helio S Jr.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

*Agora você também pode apoiar o OVNI Hoje através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:



ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.
EnglishFrançaisDeutschItaliano日本語PortuguêsEspañol