Cientistas à procura de alienígenas investigam sinal de estrela próxima

Tempo de leitura: 3 min.
Cientistas à procura de alienígenas investigam sinal de estrela próxima
O telescópio Parkes em New South Wales, Austrália, que captou as ondas de rádio em abril e maio do ano passado. Fotografia: CSIRO / PR IMAGE

Os astrônomos por trás da pesquisa mais extensa por vida alienígena estão investigando uma intrigante emissão de ondas de rádio que parece ter vindo da direção de Proxima Centauri, a estrela mais próxima do Sol.

O feixe estreito de ondas de rádio foi captado durante 30 horas de observações pelo telescópio Parkes na Austrália em abril e maio do ano passado. A análise do feixe já está em andamento há algum tempo e os cientistas ainda não identificaram um culpado terrestre, como um equipamento terrestre ou um satélite que esteja passando.

É comum para os astrônomos no projeto Breakthrough Listen de US $ 100 milhões detectar estranhas explosões de ondas de rádio com o telescópio Parkes ou o Observatório Green Bank em West Virginia, mas todos até agora foram atribuídos a interferência humana ou natural fontes.

É provável que o último “sinal” tenha uma explicação mundana também, mas a direção do feixe estreito, em torno de 980 MHz, e uma aparente mudança em sua frequência dita consistente com o movimento de um planeta contribuíram para a natureza tentadora da descoberta. Os cientistas estão agora preparando um artigo sobre o feixe, denominado BLC1, para Breakthrough Listen, o projeto de busca de evidências de vida no espaço.

O feixe que parece ter vindo da direção de Proxima Centauri, uma estrela anã vermelha a 4,2 anos-luz da Terra, não foi localizado desde a observação inicial, de acordo com um indivíduo da comunidade astronômica que pediu anonimato porque o trabalho está em andamento.

Eles disseram

“É o primeiro candidato sério desde o ‘Sinal WOW!’.”

O “Sinal WOW!” foi um sinal de rádio de banda estreita e de vida curta captado durante uma busca por inteligência extraterrestre, ou SETI, pelo Big Ear Radio Observatory em Ohio em 1977. O sinal incomum, que ganhou seu nome depois que o astrônomo Jerry Ehman escreveu “WOW!” próximo aos dados, desencadeou uma onda de entusiasmo, embora Ehman tenha alertado sobre tirar “conclusões vastas de dados semi-vastos”.

Lançado em 2015 por Yuri Milner, um investidor em ciência e tecnologia com base no Vale do Silício, o projeto Breakthrough Listen escuta milhões de estrelas mais próximas da Terra na esperança de detectar transmissões alienígenas perdidas ou intencionais. O esforço de 10 anos foi anunciado na Royal Society em Londres, quando o falecido Stephen Hawking chamou o trabalho de “criticamente importante”.

Falando no evento, Hawking, que viu o futuro da humanidade nas estrelas, disse:

“A humanidade tem uma profunda necessidade de explorar, aprender, saber. Acontece que também somos criaturas sociáveis. É importante para nós sabermos se estamos sozinhos no escuro.”

Embora muito fraca para ser visto a olho nu, Proxima Centauri está sob intenso escrutínio de astrônomos. Sabe-se que pelo menos dois planetas orbitam a estrela. Um é um gigante gasoso e o outro é considerado um mundo rochoso cerca de 17% mais massivo do que a Terra. Conhecido como Proxima b, o planeta gira em torno de sua estrela a cada 11 dias e fica na chamada “zona habitável”, onde a temperatura é ideal para o fluxo da água.

Mas isso não significa que a água está presente em Proxima b. Apesar de sua localização aparentemente aconchegante, o planeta pode muito bem ser hostil à vida. Em 2017, os cientistas da NASA usaram modelos de computador para mostrar que se Proxima b tivesse uma atmosfera semelhante à da Terra, ela poderia ser facilmente eliminada pela intensa radiação e explosões solares desencadeadas por sua estrela-mãe. Sob este ataque, o planeta de 4 bilhões de anos poderia ter perdido toda a sua atmosfera em 100 milhões de anos.

Pete Worden, o ex-diretor do Ames Research Center da NASA na Califórnia e diretor executivo da Breakthrough Initiatives, disse que era importante esperar e ver o que os cientistas do projeto concluíram:

“A equipe Breakthrough Listen detectou vários sinais incomuns e está investigando cuidadosamente. Esses sinais são provavelmente interferências que ainda não podemos explicar totalmente. Mais análises estão sendo realizadas.”

Outros são cautelosos, para dizer o mínimo.

Lewis Dartnell, astrobiólogo e professor de comunicação científica da Universidade de Westminster, disse:

“As chances de ser um sinal artificial de Proxima Centauri parecem impressionantes. Há muito tempo que procuramos vida alienígena e a ideia de que ela possa estar na nossa porta, no próximo sistema estelar, está acumulando improbabilidades sobre improbabilidades.

“Se houvesse vida inteligente lá, é quase certo que ela teria se espalhado muito mais amplamente pela galáxia. As chances das duas únicas civilizações em toda a galáxia serem vizinhas, entre 400 bilhões de estrelas, ultrapassa totalmente os limites da racionalidade.”

Não são apenas as estatísticas que parecem ruins. Proxima b está tão perto de sua estrela-mãe que está travada pelas marés, como a Lua está com a Terra. Um lado é o dia eterno, o outro na escuridão perpétua.

Dartnell acrescentou:

“É difícil imaginar como você pode ter um sistema climático estável e todas as coisas que você precisa para obter das bactérias, que são resistentes, até formas de vida animal inteligentes, que certamente não são. Mas eu adoraria ser provado que estou errado.”

(Fonte)

Colaboração: Professor Carlos Magno Monteiro, heliojuni


Desculpem-me, mas sem querer ofender Dartnell, com suas declarações ele parece ter uma mente um tanto obtusa para alguém que está procurando por vida fora da Terra. Quem confirmou para ele que “se houvesse vida inteligente lá”, ela não se espalhou pela galáxia? E quem falou para ele que há somente duas civilizações em toda a galáxia?

Mas voltando ao Proxima b, a verdade é que os resultados das pesquisas feitas sobre ele planeta podem muito bem ser falhas, pois ninguém ainda consegue analisar aquele planeta de forma direta. Mas, como todo “bom cientista” Dartnell fala sobre as impossibilidades, assim ele continua sendo considerado como um bom amigo de toda comunidade científica ortodoxa.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site.

Clique aqui para apoiar através do site Apoia.se, ou use o botão abaixo:


*Agora você também pode doar através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:

(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.