Já sabemos como construir uma máquina do tempo

Tempo de leitura: 5 min.
Já sabemos como construir uma máquina do tempo

É apenas uma questão de tempo antes de construirmos uma máquina que nos levará a um futuro distante.

Em setembro de 2015, o cosmonauta Gennady Padalka voltou à Terra pela última vez. Ele tinha acabado de completar sua sexta missão no espaço e quebrou o recorde de maior tempo acumulado despendido além da atmosfera da Terra: 879 dias. E por causa desses 2,5 anos orbitando o planeta em alta velocidade, Padalka também se tornou um viajante do tempo, vivenciando a teoria da relatividade geral de Einstein em ação.

J. Richard Gott, físico da Princeton e autor do livro de 2001, “Time Travel in Einstein’s Universe” (“Viagem do Tempo no Universo de Einstein”), explica:

“Quando o Sr. Padalka voltou de suas aventuras, ele descobriu que a Terra estava a 1/44 de segundo em relação ao futuro de onde ele esperava estar. Ele literalmente viajou … para o futuro.”

Embora o fato de ser uma fração de segundo mais nova do que se ele tivesse permanecido na Terra não seja algo alucinante, mesmo assim deu a Padalka a distinção como o “recorde atual de viajante do tempo”, de acordo com Gott.

Embora não seja exatamente um DeLorean carregado de plutônio, a viagem no tempo é tudo menos ficção. Astrofísicos de verdade como Gott têm certeza de que sabem como construir uma máquina do tempo, e a velocidade intensa – muito, muito mais rápida do que o passeio orbital de Padalka – é o ingrediente chave.

Um curso intensivo de viagem no tempo

Até o século XX, acreditava-se que o tempo era completamente imutável e a viagem no tempo uma impossibilidade científica. Na década de 1680, Sir Isaac Newton achava que o tempo progreda em um ritmo consistente em todo o universo, independentemente de forças externas ou localização. E por dois séculos, o mundo científico aderiu à teoria de Newton.

Até que Albert Einstein, de 26 anos, apareceu.

Em 1905, Einstein revelou suas ideias sobre a relatividade especial, usando essa estrutura para sua teoria da relatividade geral uma década depois. Os cálculos de definição do universo de Einstein introduziram muitas coisas, mas também alguns conceitos relacionados ao tempo. O mais importante é que o tempo é elástico e depende da velocidade, diminuindo ou acelerando dependendo da velocidade com que um objeto – ou pessoa – está se movendo.

Em 1971, quatro relógios atômicos de feixe de césio voaram pelo mundo e foram comparados a relógios terrestres. A minúscula diferença de tempo resultante provou que Einstein estava no caminho certo. Há também outra tecnologia, escondida dentro do seu smartphone, que também valida a teoria de Einstein.

Ron Mallet, astrofísico e autor do livro “Time Traveler: A Scientist’s Personal Mission to Make Time Travel a Reality” (“Viajante do Tempo: A Missão Pessoal de Um Cientista para Tornar a Viagem no Tempo uma Realidade”) disse:

“Sem a teoria geral da relatividade de Einstein, nosso sistema GPS não estaria funcionando. Isso também prova que as [teorias] de Einstein estão corretas.”

Mas, além dessa versão mutável do tempo, Einstein também calculou a velocidade da luz. A 300 milhões de metros por segundo, Einstein descreve o número como o “limite de velocidade final” e uma constante universal, não importa se alguém está sentado em um banco ou viajando em um foguete.

A última parte das ideias de curvatura do tempo de Einstein sugere que a gravidade também retarda o tempo, o que significa que o tempo corre mais rápido onde a gravidade é mais fraca, como o vasto vazio entre corpos celestes massivos como o Sol, Júpiter e a Terra.

Avançando um século depois, e todas essas teorias – altamente resumidas, é claro – agora formam os blocos de construção da astrofísica, e enterradas entre toda essa matemática de nível especialista, Einstein também provou que a viagem no tempo era possível.

A máquina do tempo subatômica

Na verdade, não apenas a viagem no tempo é possível, mas já aconteceu – simplesmente não se parece com um típico filme de ficção científica.

Voltando ao nosso cosmonauta Padalka, que viajou no tempo, seu salto de 1/44 de segundo para o futuro é tão minúsculo porque ele estava viajando apenas 27.000 quilômetros por hora. Isso não é muito rápido, pelo menos em comparação com a velocidade da luz. Mas o que aconteceria se criássemos algo que pudesse ir muito mais rápido do que a órbita geoestacionária? Não estamos falando de um jato comercial (800 a 950 quilômetros por hora) ou um foguete do século XXI para a ISS (40.000 quilômetros por hora), mas algo que poderia se aproximar de 300 mil quilômetros por segundo?

Mallett diz:

“Em um nível subatômico, isso foi feito. Um exemplo é … o Grande Colisor de Hádrons. Rotineiramente, ele envia partículas subatômicas para o futuro.”

O acelerador de partículas tem a capacidade de propelir prótons a 99,999999 por cento da velocidade da luz, uma velocidade na qual seu tempo relativo se move cerca de 6.900 vezes mais lento em comparação com seus observadores humanos estacionários.

Então, sim, temos enviado átomos para o futuro e temos feito isso na última década, mas os humanos são outra questão.

Gott diz que, dado que impulsionamos partículas quase à velocidade da luz em uma base regular, conceitualmente, é bastante simples para os humanos viajarem no tempo para o futuro

Gott diz:

“Se você deseja visitar a Terra no ano 3.000, tudo o que você precisa fazer é entrar em uma nave espacial e atingir 99,995% da velocidade da luz”.

Digamos que um humano seja colocado nessa nave e enviado para um planeta que está a um pouco menos de 500 anos-luz de distância (por exemplo, Kepler 186f), o que significa que se ele viajasse a 99,995 por cento da velocidade da luz, levaria cerca de 500 anos para chegar lá, já que estaria quase à velocidade da luz.

Depois de um lanche rápido e uma pausa para ir ao banheiro, ele então voltaria para a Terra, o que levaria mais 500 anos. Portanto, no total, levaria cerca de mil anos para que ele voltasse com segurança para casa. E, na Terra, seria o ano 3018.

No entanto, uma vez que ele estava se movendo tão rápido, a dilatação do tempo resultante não pareceria mil anos para ele, já que seu relógio interno diminuiu.

Gott disse:

“[O] relógio dele estará marcando 1/100 da taxa dos relógios da Terra. [Ele] só vai envelhecer cerca de 10 anos.”

Enquanto um milênio passaria para nós, para ele seria uma década.

Gott ainda disse:

“Se nós [na Terra] estivéssemos olhando pela janela, ele estaria tomando o café da manhã muuuuito devagar, mas para [ele] tudo seria normal”.

Mas existe um enorme abismo entre o que é teórico e o que é real. Então, como podemos superar os imensos desafios tecnológicos de construir uma máquina do tempo?

O futuro não tão distante da viagem humana no tempo

Construir uma nave espacial que viaje no tempo pode ser o melhor lugar para começar, mas os obstáculos de engenharia, pelo menos por enquanto, são enormes. Por um lado, não estamos nem perto de ter uma nave espacial que possa viajar na velocidade da luz. A espaçonave mais rápida já criada será em breve a Parker Solar Probe, que viajará apenas 0,00067 por cento da velocidade da luz.

Há também a enorme quantidade de energia que seria necessária para impulsionar uma nave para ir tão rápido. Gott sugere que o combustível de antimatéria altamente eficiente pode ser a chave e outras agências mundiais e os cientistas também pensam que esse combustível pode ser uma peça potencialmente inestimável para viagens interestelares.

Mas garantir a segurança da carga humana em uma missão futurística também seria complicado. Em primeiro lugar, a nave precisaria carregar suprimentos suficientes, como comida, água e remédios, e ser autossuficiente para toda a viagem.

Então há toda a coisa da aceleração. Para ter certeza de que nosso viajante hipotético não seria obliterado por esmagadoras forças G, a nave precisaria acelerar de forma gradual e constante. Embora a aceleração constante de 1g (como o que sentimos na Terra) por um longo período de tempo eventualmente fizesse a nave se aproximar da velocidade da luz, isto aumentaria a duração da viagem e minimizaria o quão longe no futuro alguém poderia ir.

Usando nosso exemplo de planeta de 500 anos-luz, Gott prevê que a aceleração constante de 1g até perto da velocidade da luz aumentaria o envelhecimento do viajante do tempo para 24 anos, “mas você ainda visitaria a Terra no ano 3000”, diz Gott.

Para criar um veículo com essas especificações, seria necessário muito tempo, recursos e dinheiro. Mas o mesmo pode ser dito para outros experimentos extremamente ambiciosos, como detectar ondas gravitacionais e construir o Grande Colisor de Hádrons. Uma máquina do tempo pode ser o próximo megaprojeto científico do mundo.

O problema de andar para trás

Mas há uma grande advertência neste retrato teórico da viagem no tempo no mundo real – esta máquina não funciona ao contrário. Os cientistas e pesquisadores precisam encontrar uma maneira de contornar as regras da física para viajar no tempo.

Buracos de minhoca, buracos negros, cordas cósmicas e feixes de luz circulantes foram sugeridos como soluções potenciais para viagens no tempo ao passado. O principal desafio que os astrofísicos estão enfrentando é descobrir como fazer um feixe de luz chegar a um ponto no espaço-tempo e voltar.

Como a velocidade da luz é o máximo absoluto, os físicos estão se concentrando em encontrar fenômenos como buracos de minhoca, que poderiam fornecer atalhos em forma de túnel que saltam através do espaço-tempo curvo e, em teoria, direcionam um feixe de luz para um ponto específico no espaço-tempo.

Embora os buracos de minhoca funcionem dentro dos limites das teorias da relatividade de Einstein, eles ainda precisam ser observados no espaço e os cientistas não têm nenhuma evidência concreta de que esses atalhos galácticos funcionem.

Portanto, embora viajar no tempo ao passado possa ser um conceito mais empolgante, os cientistas têm muito mais probabilidade de lançar alguém para o futuro desconhecido do que para o passado. Mas, apesar das probabilidades esmagadoras – fiscais e científicas – Mallet acredita que o futuro de uma sociedade que viaja no tempo é possível.

Mallett diz:

“O que aconteceu com a ida à Lua … queríamos ir para lá, Kennedy pediu, e havia financiamento adequado, então chegamos lá em uma década. A tecnologia não está longe. Se o governo e os contribuintes quisessem pagar por isso, poderíamos fazê-lo nos próximos vinte anos.”

Por enquanto, os aspirantes a viajantes do tempo ainda terão que olhar para a ficção científica para seus sonhos de viagem no tempo, com alguns filmes sendo muito mais precisos do que outros.

Mallett finalizou:

“Um bom filme … foi o original Planeta dos Macacos. Os astronautas pensaram que tinham pousado em outro planeta que era governado por macacos, mas o que eles descobriram … foi que eles viajaram tão rápido que chegaram ao futuro da Terra. Esse filme retrata com precisão a teoria da relatividade especial de Einstein.”

Oh … spoilers.

(Fonte)


O sonho é a base para se concretizar algo. Quem sabe um dia. Quem sabe alguns dos misteriosos OVNIs que nos visitam não sejam provenientes de nós mesmos, vindos do futuro.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site.

Clique aqui para apoiar através do site Apoia.se, ou use o botão abaixo:


*Agora você também pode doar através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:

(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.