Há 50% de chance de você ser um holograma em uma realidade simulada

Tempo de leitura: 3 min.
Há 50% de chance de você ser um holograma em uma realidade simulada
Seria o nosso mundo uma projeção holográfica? Crédito: Syda Productions – Adobe Stock

A teoria do Universo Holográfico é fascinante, mas igualmente irritante devido à falta de provas científicas. Muitos pensam que é impossível provar que somos hologramas. Por outro lado, é muito difícil oferecer evidências de que somos seres humanos “reais”, e nossa realidade não seja uma simulação. Mas talvez haja uma solução para esse dilema. Se pudéssemos detectar uma falha na Matrix, poderíamos finalmente dizer o que é real e o que não é.

A teoria do Universo Holográfico se tornou muito popular e muitos cientistas a estão levando muito a sério.

De acordo com a teoria do Universo Holográfico, nossa realidade nada mais é que uma ilusão e foi sugerido anteriormente que os humanos são um experimento científico que faz parte de um holograma criado e controlado por um gênio do mal.

Nick Bostrom, professor da Faculdade de Filosofia da Universidade de Oxford e diretor fundador do Instituto do Futuro da Humanidade e do Programa sobre os Impactos da Tecnologia do Futuro na Oxford Martin School, apresentou seu chamado argumento de simulação há alguns anos. De acordo com a Bostrom, os futuros jogos de computador serão tão semelhantes à realidade que não seremos capazes de notar a diferença. Eles serão como o Holodeck de Jornada nas Estrelas. E os personagens neles podem não perceber que estão em uma simulação.

Bostrom disse:

É inevitável que criaremos realidades indistinguíveis dessa realidade.

Em seu fascinante artigo científico, Bostrom argumentou que pelo menos uma das três proposições deve ser verdadeira:

  1. As civilizações geralmente se extinguem antes de desenvolverem a capacidade de criar simulações da realidade.
  2. Civilizações avançadas geralmente não têm interesse em criar simulações de realidade.
  3. Quase certamente estamos vivendo dentro de uma simulação de computador.

Muitos cientistas se interessaram pela teoria de Bostrom e agora o astrônomo da Universidade de Columbia David Kipping examinou as proposições acima mencionadas que se tornaram conhecidas como o “trilema” de Bostrom.

O professor Kipping calculou as probabilidades e concluiu que há uma chance de 50-50 de nosso mundo ser uma projeção holográfica. Em entrevista recente ao Scientific American, o professor Kipling disse que pode ser possível determinar se somos hologramas ou não, mas precisamos de tecnologia adequada para ajudar a lidar com a hipótese de simulação.

Atualmente, é impossível afirmar se nossa realidade é holográfica ou não.

Kipping disse:

Não é possível testar se vivemos em uma simulação ou não. Se não é falseável, então como você pode alegar que é realmente ciência?

Kipping transformou as duas primeiras proposições em uma, argumentando que ambas resultariam no mesmo resultado – não estamos vivendo dentro de uma simulação:

Ele continuou:

Você apenas atribui uma probabilidade anterior a cada um desses modelos. Nós apenas presumimos o princípio da indiferença, que é a suposição padrão quando você não tem nenhum dado ou inclinação de qualquer maneira.

Kipping também argumenta que quanto mais camadas de simulação de realidade fossem incorporadas, como uma boneca russa, mais recursos de computador diminuiriam.

Nosso mundo mudaria se pudéssemos confirmar que nossa realidade é uma projeção holográfica? É difícil especular como essas informações afetariam os humanos comuns. Obviamente, não é uma pergunta que o professor Kipping possa responder, mas ele acha que provar a teoria da simulação com sendo certa ou errada seria um avanço científico.

O professor Kipping explicou:

A probabilidade posterior de estarmos vivendo na realidade básica é quase a mesma que a probabilidade posterior de sermos uma simulação – com as probabilidades inclinando-se a favor da realidade básica por um mínimo.

Essas probabilidades mudariam drasticamente se os humanos criassem uma simulação com seres conscientes dentro dela, porque tal evento mudaria as chances que atribuímos anteriormente à hipótese física.

Kipping diz:

Você pode simplesmente excluir essa [hipótese] de cara. Então você fica apenas com a hipótese de simulação.

No dia em que inventamos essa tecnologia, ela muda as chances de sermos reais um pouco melhores que 50-50 para quase certamente não somos reais, de acordo com esses cálculos. Seria uma celebração muito estranha do nosso gênio naquele dia.

(Fonte)


Vamos supor que os cientistas descubram mesmo que somos algum tipo de simulação. Assim, a próxima pergunta seria: Quem criou essa simulação e para que propósito? A partir daí as perguntas começariam a aumentar exponencialmente.

Penso que o mais confortável seria tocar o barco e ver onde ele irá parar, pois todos nós temos data de validade aqui neste planeta. E simulada ou não, essa possível simulação é a nossa realidade.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.