A vida na Estação Espacial mudou os cérebros dos astronautas

Tempo de leitura: 2 min.
A vida na Estação Espacial mudou os cérebros dos astronautas

Cientistas russos e europeus acompanharam quanto tempo a vida a bordo da Estação Espacial Internacional (ISS) influenciou a estrutura do cérebro dos astronautas. Os cientistas descobriram pequenas mudanças temporárias na quantidade de matéria branca e cinzenta nas partes frontal e posterior do cérebro. Sete meses após o retorno à Terra, essas mudanças desapareceram quase completamente, escreveram os cientistas na revista científica Science Advances.

Os pesquisadores escreveram:

Pela primeira vez, observamos como os centros de movimento e outras regiões do cérebro se adaptam à vida no espaço. Acontece que eles aumentam o volume da substância branca e mudam a natureza das conexões entre as células nervosas. Além disso, encontramos novas evidências de que as mudanças na forma e na estrutura do cérebro estão relacionadas à forma como o líquido cefalorraquidiano se comporta em gravidade zero.

Os cientistas vêm pesquisando há anos como a vida no espaço afeta a saúde e o funcionamento do sistema imunológico em humanos e animais. Por exemplo, quatro anos atrás, eles descobriram porque os astronautas em gravidade zero têm problemas de visão e também aprenderam o que fez os astronautas caírem e perderem o equilíbrio na Lua.

Cientistas descobriram recentemente que longos voos no espaço enfraquecem irreversivelmente os músculos das costas e tornam o coração redondo. Experimentos com animais também mostraram que voar para Marte pode afetar negativamente a psique e as habilidades mentais dos astronautas devido à forma como os raios cósmicos afetam as células cerebrais.

Um grupo de médicos espaciais da Rússia e da Europa liderado por um pesquisador da Universidade de Antuérpia (Bélgica), Ben Jerissen, pela primeira vez traçou como expedições de longo prazo à ISS influenciaram a micro e macroestrutura do cérebro dos astronautas.

Este estudo envolveu nove membros da tripulação da ISS que concordaram em se submeter a exames pré e pós-voo. Os astronautas foram examinados usando máquinas convencionais de ressonância magnética e sua variedade difusa, que podem medir diretamente como a estrutura do cérebro mudou em cada “pixel” tridimensional da imagem que recebem.

Cérebro, olhos e espaço

Graças a isso, os médicos pela primeira vez acompanharam as pequenas mudanças na estrutura do cérebro que levaram a grandes mudanças em seu trabalho e forma, previamente descobertas usando sistemas convencionais de ressonância magnética. Em particular, os cientistas descobriram que depois de estar na ISS, a quantidade de matéria branca e sua distribuição nos cérebros dos astronautas mudou significativamente.

A maioria dessas alterações afetou o cerebelo e as regiões anteriores do cérebro, incluindo o sulco lateral e os lobos temporal anterior e orbital-frontal do córtex, onde a quantidade de substância branca aumentou significativamente, bem como o sulco central e o córtex frontal superior, onde ocorreu o oposto.

Em geral, há mais matéria branca na parte frontal do cérebro e menos nas regiões posteriores. Os cientistas atribuem isso ao fato de os centros de movimento e outras áreas do sistema nervoso se adaptarem ao movimento e à navegação em gravidade zero e ao fato de os acúmulos de líquido cefalorraquidiano no cérebro serem redistribuídos, “flutuando”.

Ao mesmo tempo, Jerissen e seus colegas não detectaram que o tecido nervoso degenerou ou alterações irreversíveis surgiram na estrutura cerebral. A maioria dessas anomalias, com exceção de mudanças no tamanho do sulco central, desapareceu completamente aproximadamente sete meses depois dos astronautas retornarem à Terra.

Além disso, os cientistas descobriram uma possível razão pela qual muitos astronautas e cosmonautas perdem a visão durante o vôo e depois de retornar à Terra. Seus resultados mostram que esse problema está associado ao aumento do volume dos ventrículos cerebrais – cavidades especiais onde o líquido cefalorraquidiano se acumula.

Essa descoberta foi uma surpresa para os pesquisadores, já que estudos anteriores indicaram que mudanças na pressão e na posição dos nervos dentro dos olhos eram a causa dos problemas de visão, ao invés de anormalidades em outras áreas do cérebro. Para entender qual das duas teorias está mais perto da verdade, mais observações irão ajudar, Jerissen e seus colegas esperam.

(Fonte)


n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.