Cientistas estão procurando por vírus extraterrestres

Tempo de leitura: 3 min.
Cientistas estão procurando por vírus extraterrestres

Os vírus são mais numerosos que todas as outras formas de vida na Terra e os cientistas esperam encontrá-los em outro lugar.

Desde o início da Era Espacial, os astrobiólogos têm trabalhado para determinar se os planetas vizinhos abrigam formas de vida, particularmente micróbios como bactérias, arqueas e fungos. Alguns cientistas estão se perguntando se deixaram algo de fora. Agora, a busca por vida extraterrestre está focando nos vírus.

O Virus Focus Group da NASA está integrando avanços em virologia à astrobiologia, o estudo das origens, evolução e distribuição da vida no universo. Ao fornecer um fórum para cientistas interessados ​​em astrovirologia, eles esperam formular “novas áreas de pesquisa para avançar nossa compreensão de como os vírus podem ter influenciado a origem e evolução da vida aqui na Terra, e talvez em outras partes do Sistema Solar”, de acordo com uma apresentação do Focus Group de 2015.

Recentes seminários de astrovirologia patrocinados pela NASA atraem o interesse de cientistas que abrangem fronteiras e níveis de experiência, diz Kathryn Bywaters, uma cientista do Search for Extraterrestrial Intelligence (SETI) no Centro de Pesquisa Ames da NASA. Foi criado um fórum onde as pessoas podiam expressar essas ideias que não eram realmente capazes de verbalizar no nível da comunidade.

Com uma comunidade ativa e engajada de pesquisadores interessados, a esperança é que esses seminários estimulem a NASA a alocar mais financiamento para pesquisas em astrovirologia.

Micróbios, ou organismos como fungos microscópicos, arqueas, bactérias e amebas, ocupam praticamente todos os ambientes em nosso planeta, e os astrobiólogos há muito consideram a possibilidade de micróbios viverem em outras partes do nosso sistema solar, como em Marte, Vênus e algumas das luas de Júpiter e Saturno. No entanto, os micróbios da Terra são superados em número e modulados por vírus.

Os vírus, embora não sejam tecnicamente “vivos”, são dez vezes mais numerosos que todos os organismos vivos em nosso planeta. Estima-se que existam tipos de 1.031 vírus na Terra – se todos os vírus na Terra estivessem alinhados de ponta a ponta, essa linha se estenderia por 100 milhões de anos-luz. E, como evidenciado pela pandemia COVID-19 em curso, eles podem influenciar dramaticamente a vida na Terra.

Mas os vírus extraterrestres não têm sido tradicionalmente um grande alvo de pesquisa na astrobiologia.

Bywaters diz:

Não procuramos vírus [extraterrestres] especificamente antes porque mal começamos a arranhar a superfície para entendê-los na Terra. Antes, a tecnologia, o conhecimento e a compreensão dos vírus não chegaram a um ponto em que pudéssemos realmente extrapolar isso para outros corpos planetários.

Os astrobiólogos só agora estão começando a incorporar o conhecimento dos vírus ao crescente corpo de conhecimento sobre a origem, evolução e distribuição da vida no cosmos. Ao longo dos anos, a astrobiologia tem sido um componente chave na investigação da história da vida: pesquisando as condições que podem se assemelhar à Terra primitiva ou serem encontradas em outros planetas, os cientistas podem investigar as condições ambientais que podem ter levado ao desenvolvimento da vida.

Embora os estudos de virologia tenham historicamente focado em vírus que influenciam a saúde humana, os cientistas também perceberam uma imagem mais abrangente das muitas funções que os vírus desempenham em nosso mundo. Certos vírus modulam a saúde humana, animal e vegetal, dando aos organismos ferramentas físicas e químicas para resistirem a patógenos e estressores ambientais. Frequentemente coevoluem com seus hospedeiros e conduzem a evolução do hospedeiro, inclusive catalisando o desenvolvimento da placenta de mamíferos. Eles regulam a renovação de nutrientes em nossos oceanos, separando células e liberando nutrientes essenciais para os ecossistemas marinhos.

Os vírus são um caso único na natureza – embora sejam compostos das mesmas moléculas como proteínas e ácidos nucléicos das células vivas, eles não podem se reproduzir independentemente. Em vez disso, eles precisam sequestrar a maquinaria celular de um hospedeiro para se replicar. Encontrar um vírus em Marte ou em uma lua de Saturno seria um avanço revolucionário na astrobiologia.

Kenneth Stedman, professor da Portland State University e co-presidente do Virus Focus Group, disse:

Supondo que os vírus se repliquem da mesma maneira em todos os sistemas, a detecção de um vírus seria uma detecção indireta da vida celular.

Adicionar vírus à lista de alvos na busca por vida extraterrestre provavelmente nem exigiria uma grande mudança na instrumentação ou tecnologia, diz Bywaters. Tecnologias destinadas ao uso em espaçonaves estão sendo desenvolvidas atualmente para analisar polímeros de cadeia longa, como DNA e RNA, e seriam capazes de detectar células vivas, vírus e até formas de vida não convencionais diferentes do que veríamos na Terra.

Dizer que os vírus têm má reputação entre os humanos seria um eufemismo. Como a pandemia COVID-19 revelou, esses minúsculos agentes biológicos têm o potencial de prejudicar a saúde humana e alterar drasticamente os comportamentos sociais. Embora algumas cepas virais tenham impactos massivos na saúde humana, a grande maioria dos vírus infecta apenas micróbios. Bywaters espera que a astrovirologia possa ajudar a “mudar a mentalidade da população em geral de que os vírus não precisam ter essa conotação negativa”, pois nem sempre são “essas pequenas coisas malignas que destroem o mundo”.

Stedman enfatizou por e-mail que os vírus são “críticos para a vida na Terra como a conhecemos – e talvez fora da Terra também”. A astrovirologia pode ajudar os cientistas a continuarem a aprender sobre os vírus na Terra: junto com a busca por vírus extraterrestres, o campo pode fornecer uma visão sobre como os vírus ajudaram a moldar a origem e evolução da vida, uma vez que os vírus surgiram no início da evolução da vida na Terra. Além disso, isto pode levar a uma melhor compreensão dos papéis que os vírus desempenham aqui na Terra, “particularmente os ecossistemas primitivos da Terra e extraterrestres analógicos”, diz Stedman.

Bywater finalizou:

[A astrovirologia] realmente expande os limites do tipo de vida ou dos sinais de vida que você pode procurar. Há tanto que não sabemos. Esse mistério e intriga é o que realmente me fascina, porque mostra que tudo é possível.

(Fonte)


Será que a oficialização da vida extraterrestres será por intermédio da notícia de que encontraram algum tipo de vírus fora da Terra, os quais nem sequer são considerados formas de vida?

Como se fala tanto em vírus nesses últimos meses, eu não duvidaria de uma sincronicidade assim.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site.

Clique aqui para apoiar através do site Apoia.se, ou use o botão abaixo:


*Agora você também pode doar através de uma transferência PIX, clicando aqui, ou utilizando o QR Code abaixo:

(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.