Poderíamos forçar o Universo a quebrar?

Caleb A. Scharf recentemente publicou o artigo abaixo no site scientificamerican.com, onde ele “brinca” com a ideia de quebrar o Universo a fim de descobrirmos se estamos vivendo numa realidade virtual.

Poderíamos forçar o Universo a quebrar?
Crédito: Caleb A. Scharf

Estes são os dias dos sonhos febris, induzidos por um vírus real ou pelo estresse em câmera lenta de um mundo que enfrenta uma pandemia. Um tipo de sonho em particular que eu sei que tive tem a ver com a descoberta de que tudo isso foi, bem, um sonho. Exceto que, quando realmente acordo, lembro que há ideias sobre a natureza da realidade que vão além até disso.

A variante mais complicada desses conceitos é a hipótese da simulação, que é muito mais provável que existamos em uma realidade virtual (nosso Universo) do que em uma realidade física.

A proposição de que o mundo é uma farsa não é nova; ela surgiu há milhares de anos em diferentes culturas, da China à Grécia antiga, defendida por pensadores como Descartes com seu dualismo mente-corpo. Mas esta versão mais recente, baseada em computação – ou pelo menos reconstrução artificial – borbulhou por volta de 2003 com a publicação de um artigo intitulado “Are You Living in a Computer Simulation?” (‘Você está vivendo em uma simulação por computador?’), pelo filósofo Nick Bostrom.

Em essência, Bostrom argumenta que, se qualquer civilização extremamente avançada desenvolver a capacidade de executar “simulações de ancestrais” (para aprender sobre seus próprios passados), as entidades ancestrais simuladas provavelmente superariam em número as entidades sencientes reais no universo. Com um pequeno aceno de mão probabilístico, é possível argumentar que provavelmente somos simulados.

Tudo isso é uma boa diversão se você tomou algumas cervejas ou passou muitas horas encolhido sob a roupa de cama. Mas, embora você possa amar ou odiar essa hipótese, o simples fato é que antes de julgá-la devemos realmente aplicar os critérios que usamos para avaliar qualquer hipótese, e a primeira etapa nesse processo é perguntar se ela pode ser avaliada de alguma forma razoável.

Curiosamente, a hipótese de simulação pode ser testável, sob certas suposições. Por exemplo, podemos supor que uma simulação tem suas limitações. A mais óbvia, extrapolando o estado atual da computação digital, é simplesmente que uma simulação terá que fazer aproximações para economizar no armazenamento de informações e despesas gerais de cálculo. Em outras palavras: teria limites de exatidão e precisão.

Uma forma desses limites se manifestarem é na discretização do mundo, talvez aparecendo em barreiras de resolução espacial e temporal. Embora pensemos que existem alguns limites absolutos no que constitui pequenas distâncias ou intervalos de tempo significativos – a Escala de Planck e o tempo de Planck – isso tem a ver com os limites de nossa compreensão atual da física, e não com o tipo de limites de resolução em seu pixel Tela.

No entanto, pesquisas recentes sugerem que o verdadeiro limite de intervalos de tempo significativos pode ser ordens de magnitude maiores do que o tempo de Planck tradicional (que é de 10-43 segundos). Talvez futuros experimentos de física possam revelar um volume inesperado de tempo e espaço.

Mas o melhor teste da hipótese seria travar o sistema que executa nossa simulação. Naturalmente, isso soa um pouco imprudente, mas se somos todos entidades virtuais de qualquer maneira, isso realmente importa? Presumivelmente, uma reinicialização e uma restauração rápidas podem nos trazer de volta online como se nada tivesse acontecido, mas possivelmente seríamos capazes de dizer, ou pelo menos teríamos alguns microssegundos de triunfo antes de tudo ser encerrado.

A questão é: como você derruba uma simulação da realidade? A estratégia mais óbvia seria tentar causar o equivalente a um “estouro de pilha” – pedindo mais espaço na memória ativa de um programa do que o disponível – criando um processo recursivo infinito, ou pelo menos excessivo. E a maneira de fazer isso seria construir nossas próprias realidades simuladas, projetadas de forma que dentro desses mundos virtuais existam entidades criando sua versão de uma realidade simulada, que por sua vez estão fazendo o mesmo, e assim por diante até a “toca do coelho”. Se tudo isso funcionasse, o universo como o conhecemos poderia quebrar, revelando-se como uma miragem assim que desaparecermos da existência.

Você poderia argumentar que qualquer espécie capaz de simular uma realidade (provavelmente semelhante à sua) certamente anteciparia essa eventualidade e criaria algumas salvaguardas para evitar que isso acontecesse. Por exemplo, podemos descobrir que é estranha e inexplicavelmente impossível fazer nossos próprios universos simulados, não importa o quão poderosos sejam nossos sistemas computacionais – sejam computadores quânticos generalizados ou outros. Isso por si só pode ser um sinal de que já existimos dentro de uma simulação. Claro, os programadores originais podem ter previsto esse cenário também e encontrado alguma maneira de nos enganar, talvez apenas nos enviando informações de outras execuções de simulação, em vez de nos deixar executar a nossa própria.

Mas intervenções como essa correm o risco de minar o motivo de uma espécie executar tais simulações, que seria aprender algo profundo sobre sua própria natureza. Talvez deixar tudo quebrar seja simplesmente o preço a pagar pela integridade dos resultados. Ou talvez eles estejam simplesmente executando a simulação que nos contém para descobrir se eles próprios estão dentro de uma realidade falsa.

Bons sonhos.

(Fonte)


Fala sério: quebrar o Universo?

Durma bem agora!

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.