Campo magnético da Terra pode estar mudando mais rápido do que imaginávamos

Tempo de leitura: 2 min.

O campo magnético da Terra vira a cada centenas de milhares de anos, em média, o que significa que o norte magnético se torna o sul magnético e vice-versa (o planeta na verdade não fica de cabeça para baixo). Novas pesquisas sugerem que essa mudança de direção pode acontecer até 10 vezes mais rápido do que se pensava anteriormente.

Isso é uma importante notícia para os cientistas que estudam como as mudanças no campo magnético afetam a vida na Terra, como nosso planeta evoluiu ao longo do tempo e como podemos ser mais capazes de prever a próxima reversão nos próximos anos.

Estudos paleomagnéticos anteriores mostraram que o campo magnético pode mudar de direção em até 1 grau por ano, mas o estudo mais recente sugere que são possíveis movimentos de até 10 graus por ano.

Isso se baseia em simulações detalhadas por computador do núcleo externo, feito de níquel e ferro, a cerca de 2.800 quilômetros abaixo da superfície da Terra, que controla nosso campo magnético.

O geofísico Chris Davies, da Universidade de Leeds, no Reino Unido, informou:

Temos um conhecimento muito incompleto do nosso campo magnético antes de 400 anos atrás.

Como essas rápidas mudanças representam alguns dos comportamentos mais extremos do núcleo líquido, elas podem fornecer informações importantes sobre o comportamento do interior profundo da Terra.

Davies e sua colega Catherine Constable, da Universidade da Califórnia em San Diego, combinaram sua modelagem por computador com uma linha do tempo recentemente publicada do campo magnético da Terra nos últimos 100.000 anos, e encontraram uma estreita correspondência entre o outro estudo e suas próprias previsões.

Mudanças no campo magnético de nosso planeta deixam vestígios em sedimentos, fluxos de lava e até objetos feitos por seres humanos, embora algumas suposições ainda sejam necessárias quando se trata de descobrir como ele está mudando e em que período de tempo.

Mudanças mais rápidas na direção parecem coincidir com um enfraquecimento local do campo magnético, segundo a nova pesquisa. Uma mudança em particular foi destacada: um movimento de 2,5 graus por ano há 39.000 anos, logo após a mais recente excursão de Laschamp, quando o campo magnético da Terra foi enfraquecido ao redor da costa oeste da América Central.

Constable diz:

Compreender se as simulações por computador do campo magnético refletem com precisão o comportamento físico do campo geomagnético, conforme inferido a partir de registros geológicos, pode ser muito desafiador.

Mas, neste caso, conseguimos demonstrar excelente concordância nas taxas de mudança e na localização geral dos eventos mais extremos em uma série de simulações em computador.

O campo magnético da Terra não apenas nos ajuda a ir de A a B com uma bússola (ou um smartphone), mas também nos mantém protegidos dos efeitos climáticos do espaço e da radiação solar. Você pode não perceber, mas os pólos magnéticos estão sempre vagando.

Saber mais sobre como essas mudanças e oscilações estão acontecendo – e a que velocidade – será crítico para tudo, desde a reconfiguração de satélites até o tratamento das mudanças na exposição à radiação que podem resultar de uma reversão do campo.

No entanto, estamos aprendendo o tempo todo: sobre a frequência com que essas reversões ocorrem, e agora, com que rapidez elas os fazem. Os pesquisadores esperam que simulações adicionais possam nos dar pistas sobre onde procurar melhor em termos de gravação de campo no estado do campo magnético ao longo do tempo.

Constable disse:

Um estudo mais aprofundado da dinâmica em evolução nessas simulações oferece uma estratégia útil para documentar como essas mudanças rápidas ocorrem e se elas também são encontradas durante períodos de polaridade magnética estável como o que estamos tendo hoje.

A pesquisa foi publicada na Nature Communications.

(Fonte)


Não se trata de mais uma notícia alarmante sobre o campo magnético da Terra, como muitas já reportadas antes pelos cientistas. Porém, há quem diga que o nosso planeta pode estar prestes a inverter os polos, o que realmente seria catastrófico para uma civilização que depende grandemente dos satélites para comunicação e orientação.

Esperemos que isso somente ocorra quando nossa tecnologia estiver avançada o suficiente para superar este problema de forma rápida.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.