Explorando o fenômeno estranho da luz na hora da morte

Tempo de leitura: 6 min.

O autor Greg, editor do site TheDailyGrail, escreveu o artigo abaixo, o qual pode ser de interesse de nossos leitores, embora não esteja associado diretamente ao fenômeno OVNI… pelo que sabemos…

Explorando o fenômeno estranho da luz na hora da morte

O nascer do Sol não dura a manhã toda, uma nuvem não dura o dia todo“, George Harrison cantou na faixa-título do seu primeiro álbum solo pós-Beatles, All Things Must Pass.

Embora essa música seja vista naturalmente como uma ode à impermanência da vida humana, a letra também observa que uma mudança sem fim significa que aqueles que estão sofrendo podem olhar para o futuro com esperança: “A escuridão permanece apenas à noite, pela manhã vai desaparecer”. Mas Harrison também sugeriu, através de letras escritas na primeira pessoa, que aqueles que morrem também podem seguir em frente: “Nenhuma das cordas da vida pode durar, então eu devo ir e enfrentar outro dia”.

Três décadas depois de escrever essa música, o ex-guitarrista dos Beatles “partiu”, no sentido literal, morrendo em 29 de novembro de 2001 – com apenas 58 anos – após uma batalha contra o câncer de pulmão. Seria possível que Harrison – um devoto do misticismo indiano – realmente tenha, de alguma forma, “encarado outro dia”?

Curiosamente, a vida extraordinária de George Harrison parece ter sido acompanhada de uma morte extraordinária, passando pelos eventos que sua esposa Olivia testemunhou quando o ex-Beatle faleceu:

Houve uma experiência profunda que aconteceu quando ele deixou seu corpo. Era visível. Digamos que você não precisaria iluminar a sala, se estivesse tentando filmar. Ele apenas … iluminou a sala.

A resposta preguiçosa ao depoimento acima seria marcar as observações de Olivia Harrison como hipérbole – a realização poética de desejos de uma esposa em luto – exceto pelo fato de que ela não é a única a testemunhar fenômenos estranhos como esse no leito de morte de entes queridos. Como apontei no meu livro, “Stop Worrying! There Probably is an Afterlife“,  (Pare de se preocupar! Provavelmente existe uma vida após a morte), de fato houve numerosos casos em que aqueles que cuidam dos moribundos descreveram ver uma luz brilhante em torno da pessoa que estava morrendo, exalando o que eles relacionam como sendo “um sentimento bruto de amor”. E quando digo “numerosos”, não estou exagerando: o neuropsiquiatra Peter Fenwick ficou surpreso ao descobrir uma pesquisa com cuidadores que um em cada três relatou “uma luz radiante que envolve a pessoa que está morrendo e pode se espalhar por todo o quarto e ainda envolver o cuidador”, uma descrição que soa notavelmente semelhante à “profunda experiência” relatada por Olivia Harrison. Em um estudo holandês semelhante, os números foram ainda mais impressionantes: mais da metade de todos os prestadores de cuidados relataram observações dessa “luz na hora da morte”!

Mergulhando nessas experiências caso a caso, o fenômeno continua a intrigar. Peter Fenwick foi informado por uma senhora que, enquanto estava sentado ao lado da cama do marido moribundo, apareceu subitamente “uma luz muito brilhante no peito do meu marido”. A luz começou a subir em direção ao teto, e ela começou a ouvir “as mais belas músicas e vozes cantantes”, enchendo-a de uma sensação avassaladora de alegria. Nesse momento, a enfermeira interrompeu com a notícia de que seu marido havia acabado de falecer, e a luz e a música desapareceram instantaneamente, deixando a mulher desolada ao ser deixada para trás, depois de mostrar apenas os vislumbres “atrás do véu”.

Da mesma forma, outra mulher relatou que ao ver sua mãe falecer:

… Foi então que vi o rosto dela parecendo estar brilhando com uma luz dourada. A luz começou a sair pelo topo de sua cabeça e seguir em direção ao teto. Olhando para o rosto de minha mãe, vi que ela não estava mais respirando.

Em uma pesquisa com enfermeiros de cuidados paliativos na Austrália, um entrevistado contou como ele, outra enfermeira e o marido do paciente viram uma luz azul e branca sair do corpo do paciente e se mover em direção ao teto.

O enfermeiro explicou:

Quando ela morreu, percebemos como uma energia subindo dela … uma espécie de aura azulada. Nós olhamos um para o outro, e o marido estava do outro lado da cama e ele estava olhando para nós … ele também viu e disse que achava que ela tinha ido para um lugar melhor.

Como costuma ser o caso, essa experiência foi transformadora para o enfermeiro:

Provavelmente mudou a maneira como me senti com relação à morte de pessoas e o que realmente acontece após a morte.

De fato, a pesquisadora responsável pelo estudo australiano que descobriu essa história, Deborah Morris, foi originalmente inspirada a investigar experiências estranhas no leito de morte por sua própria experiência de ver a “a luz da hora da morte”.

Ela relata:

Havia um jovem que morreu na sala com sua família e vi uma aura saindo dele. Era como uma névoa. Eu não contei a ninguém por anos. Nunca mais vi isso.

Essa ‘névoa’ ou ‘vapor’ que sai do corpo é outro elemento estranho que às vezes (embora certamente nem sempre) é relatado durante experiências de luz no leito da morte (alguns a descrevem como fumaça ou vapor, outros dizem que se assemelha ao brilho acima de uma estrada quente, enquanto algumas testemunhas afirmam que viram isso se fundir em uma forma do tipo humana).

Uma cuidadora contou como ela acordou na escuridão do início da manhã com a visão de “uma chama no topo da parede contra o teto” acima da cama do pai moribundo.

A testemunha contou:

Vi uma nuvem de fumaça subindo, como o vapor que sobe de uma vela apagada, mas em uma escala maior … estava sendo lançada por uma única lâmina de luz fosforescente. Estava pairando acima da cama do pai, com cerca de 18 polegadas (46 cm) ou mais, e era indescritivelmente bonita … parecia expressar perfeito amor e paz.

Ela acendeu a luz para investigar mais, mas o fenômeno desapareceu instantaneamente:

O quarto era o mesmo de sempre em uma manhã de novembro, frio e triste, sem som da respiração da cama do pai. O corpo dele ainda estava quente.

Outra cuidadora falou sobre o profundo efeito que essas coisas podem ter na visão de mundo para alguém:

Quando ele morreu, algo que é muito difícil de descrever, porque era tão inesperado e porque eu não tinha visto nada parecido com seu corpo e sua cabeça. Pareciam ondas/linhas de fumaça delicadas distintas (fumaça não é a palavra certa, mas eu não tenho uma comparação) e depois desapareceu. Eu fui a única a ver. Isso me deixou com uma sensação de paz e conforto…

Eu não acredito em Deus. Mas quanto à vida após a morte, agora realmente não sei o que pensar.

O conhecido pesquisador de experiências de quase morte Raymond Moody – autor do livro seminal dos anos 70 sobre EQMs, “Life After Life” (Vida Após a Vida) – relata um caso em seu recente livro “Glimpses of Eternity” (Vislumbres da Eternidade), no qual um médico do estado da Geórgia (EUA) viu um “brilho intenso” vindo de um paciente falecido, seguido de uma névoa que “se formou sobre a área do peito e pairou lá”. O médico notou algum movimento na “névoa”, embora ele tenha descrito isso como sendo sutil como “água se movendo dentro da água”. Outro entrevistado, um psicólogo de um hospício da Carolina do Norte, disse a Moody que ocasionalmente viam luzes na sala durante o falecimento de alguém e, em duas ocasiões, “viam pacientes deixarem o corpo em forma de nuvem… eu descreveria essas nuvens como uma espécie de névoa que se forma ao redor da cabeça ou no peito”.

Outro pesquisador pioneiro de fenômenos estranhos ocorridos no momento da morte foi o falecido Dr. Robert Crookall. Em seu livro de 1970, “Out-of-the-Body Experiences“, (Experiências Fora do Corpo) Crookall cita o caso do Dr. R. B. Hout, um médico que testemunhou névoa e luz anômalas no quarto, durante a morte de sua tia:

Minha atenção foi chamada … para algo imediatamente acima do corpo físico, suspenso na atmosfera cerca de dois pés (60 cm)acima da cama. No começo, eu não conseguia distinguir nada além de um esboço vago de uma substância nebulosa. Parecia haver apenas uma névoa suspensa, imóvel. Mas, enquanto eu olhava, gradualmente cresceu à minha vista uma condensação mais densa e sólida desse vapor inexplicável. Fiquei espantado ao ver contornos definidos se apresentando, e logo vi que essa substância nebulosa assumia uma forma humana … Os olhos estavam fechados como se em um sono tranquilo, e uma luminosidade parecesse irradiar do corpo espiritual.

O que fazer com esses relatos? Os céticos da ideia de uma vida após a morte geralmente rejeitam tais testemunhos, como alucinações provocadas pelo estresse do momento ou pensamentos desejosos do luto. Mas como então explicar as muitas histórias em que várias testemunhas na mesma sala viram esse fenômeno ocorrer, como o caso mencionado acima da pesquisa australiana de cuidadores paliativos, na qual duas enfermeiras e o marido da paciente viram “luz branca azulada” sair do corpo do paciente, indo para o teto”?

Peter Fenwick relata um caso em que uma pessoa, no momento da morte de seu irmão, testemunhou “pequenas faíscas estranhas de luz brilhante” emanando do corpo – e, além disso, essas “faíscas” também foram vistas por outra pessoa na sala. Em um dos arquivos do caso de Raymond Moody, uma família inteira testemunhou a luz durante a morte ao lado da cama de sua mãe:

No dia em que minha mãe morreu, meus dois irmãos, minha irmã, minha cunhada e eu estávamos todos no quarto. Minha mãe não falava uma palavra há várias horas e estava respirando em um padrão irregular. Nenhum de nós ficou realmente chateado porque a mãe estava em uma longa descida e sabíamos que era o fim.

De repente, uma luz brilhante apareceu na sala. Meu primeiro pensamento foi que um reflexo estava brilhando através da janela de um veículo passando lá fora. Mesmo assim, pensei que sabia que não era verdade, porque não havia nenhum tipo de luz assim nesta terra. Eu cutuquei minha irmã para ver se ela também viu, e quando eu olhei para ela, seus olhos estavam tão grandes quanto discos voadores. Ao mesmo tempo, vi meu irmão literalmente ofegar. Todos viram juntos e por um tempo ficamos assustados.

Então minha mãe havia acabado de falecer e todos nós meio que respiramos um grande suspiro de alívio.

Em outro caso, um trabalhador de um hospital, chamado David, contou como ficou “atordoado” durante a morte de um paciente com câncer de pâncreas, quando uma luz brilhante encheu a sala, visível a todos os presentes, incluindo o marido da mulher que estava morrendo. Ele a descreveu como “a luz mais brilhante que eu já vi”, embora parecesse mais um “plasma ou o tipo de luz que você vê quando fica cego pela neve”.

Se essa “luz da hora da morte” não é uma alucinação; o que poderia ser? Seria algum tipo de energia emitida durante a morte física do corpo que assume forma visível? Ou seria algum tipo de manifestação “psíquica” que só pode ser observada com a mente em um determinado estado? Existe alguma relação entre essa luz vista nos leitos da morte e a “luz branca” tão frequentemente testemunhada por aqueles que têm uma experiência de quase morte?

Neste ponto, temos muitas perguntas, mas muito poucas respostas – se houver. Existem possíveis caminhos a seguir do ponto de vista científico – por exemplo, Peter Fenwick sugeriu que sensores de luz pudessem ser instalados em salas de cuidados paliativos, na tentativa de registrar aumentos na quantidade de luz – mas, no final do dia, parece que provavelmente sempre teremos que fazer um julgamento com base apenas em relatos ou, em alguns casos, em nossas próprias experiências.

Uma coisa é certa: aqueles que testemunham essa “luz da hora da morte” por si mesmos provavelmente não serão influenciados por argumentos céticos. Para eles, como Olivia Harrison, a experiência é profundamente significativa, e as fracas ‘explicações’ do fenômeno daqueles que se apegam a uma filosofia cética (ou talvez mais corretamente, materialista) suportariam todo o impacto de uma borboleta tentando mover um elefante.

O poeta bengali Rabindrananth Tagore escreveu:

A morte não está extinguindo a luz, está apagando a lâmpada porque o amanhecer chegou.

Suas palavras parecem muito mais literais quando estamos familiarizados com os relatos da luz da hora da morte.

(Fonte)

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.