Veja porque a maioria dos jornalistas não quer reportar sobre OVNIs

Tempo de leitura: 4 min.

Tom Rogan, escritor de comentários focados em política externa para o Washington Examiner, coloca os pingos nos “i’s” quanto a questão de jornalistas que acham que os OVNIs são uma besteira…

Veja porque a maioria dos jornalistas não quer reportar sobre OVNIs
Foto meramente ilustrativa.

Se algo é estranho, mas pode ser consequente, nào faria sentido jornalístico investigá-lo?

Eu digo que, à luz do novo artigo de Keith Kloor na Wired, “Irá o New York Times algua vez parar de reportar sobre OVNIs?” (Will the New York Times ever stop reporting on UFOs?), Kloor sugere que a cobertura do New York Times sobre avistamentos de OVNIs na Marinha não é digna de um jornal de renome. Previsivelmente, isso fez Kloor atrair tanto a celebração quanto a indignação no Twitter.

Eu tenho alguns pensamentos sobre isto.

Primeiro, embora eu discorde totalmente da tese geral de Kloor (mais sobre isso daqui a pouco), entendo de onde ela vem. A evidência de encontros de OVNIs envolvendo militares é antiga, mas a documentação está longe de ser ideal. Parte do problema aqui é a propensão do governo ao sigilo sobre o assunto. Outro desafio é a divisão entre a investigação séria e a não séria desse problema. Tom DeLonge encapsula essa dinâmica em ambas as frentes. O músico e fundador do grupo de pesquisa OVNI, To The Stars Academy, merece grande crédito por promover a atenção do público sobre a questão OVNI. Mas DeLonge também, ocasionalmente, diz coisas que os dados simplesmente não podem apoiar.

Às vezes, o governo joga de seu próprio jeito aqui. Ele implantou indivíduos como Richard Doty, para minar a credibilidade da pesquisa OVNI. Ameaça a carreira e até consequências criminais contra autoridades governamentais ou militares que possam tornar públicas as coisas extraordinárias que viram (daí o porquê de líderes como o comandante David Fravor serem importantes). O resultado é uma lacuna no que esperaríamos dessa questão: se fosse sério, por que todo mundo não está falando sobre isso? Por sua vez, a maioria dos jornalistas é impedida de considerar o assunto. Como Emily Jashinsky do Federalist e eu discutimos no mês passado (marca de 40 minutos), há duas razões compreensíveis para isso.

Para começar, o fenômeno OVNI parece muito estranho e inacreditável. Eles pensam que provavelmente são apenas elementos de imaginação superexcitada e condições climáticas incomuns. Poucos jornalistas querem escrever sobre uma questão que trará muito mais risadas de seus colegas do que a perspectiva dos Pulitzers. Esse é um problema específico aqui. Afinal, para cobrir esta questão, você deve estar disposto a entrar no que o caçador de espiões da CIA James Angleton chamou de “o deserto dos espelhos”, um lugar onde mentiras e verdades estão sempre colidindo e, mesmo na melhor das hipóteses, fornece mais perguntas do que respostas. Um lugar onde milhares de indivíduos desde a Segunda Guerra Mundial, pessoas normais como Jessie Roestenberg, que alegaram ter visto um OVNI em 1954 na Inglaterra, parecem honestas, mas não podem ser relatadas como tal na ausência de treinamento profissional em observação de aeronaves e dados de apoio.

Essa é uma batida frequentemente repleta de evidências insuficientes. Os jornalistas têm boas razões para pensar que o coronavírus, os mísseis balísticos norte-coreanos ou as eleições de 2020 são muito mais importantes.

Um desafio jornalístico final: essa questão se enquadra nas questões de segurança nacional. Indivíduos que podem fornecer informações precisas sobre OVNIs tendem a ser muito poucos em número e muito díspares em suas bases de conhecimento. Encontrar essas fontes é muito difícil. É por isso que, por exemplo, os estudos de Robert Hastings sobre esse assunto é digna de um Pulitzer tardio. Hastings atraiu a linha de conexão crítica de avistamentos de OVNIs credíveis e de alta intensidade, começando em Los Alamos, Novo México, na década de 1940, a incidentes nas bases de ICBMs (sigla em inglês para Mísseis Balísticos Intercontinentais) nos EUA e na União Soviética na Guerra Fria, ao Grupo de Combate do Porta Aviões Nimitz em 2004. É a história dos OVNIs sendo particularmente predominante em torno de locais nucleares e, mais particularmente, de armas nucleares.

Por que desse interesse? Eu não sei. Mas o governo – embora secretamente – avalia que o fator nuclear é o motivo pelo qual os grupos de veículos de transporte movidos a reatores nucleares da Marinha continuam encontrando OVNIs.

Esse é o contexto, mas como eu digo, também discordo totalmente do argumento de Kloor. Ele está totalmente incorreto quando diz que “em todos esses relatórios sensacionais não há um pio dos oficiais militares preocupados; e nem mesmo um apelo a uma investigação mais aprofundada dos agentes da segurança nacional. Você pode pesquisar na imprensa credenciada do setor de defesa, que cobre todas as políticas do Pentágono, aquisições e âmbito de batalha em detalhes minuciosos, e dificilmente encontrará qualquer menção a OVNIs astutos que ameaçam os aviadores navais“.

Errado. Os militares não falam sobre esse assunto por dois motivos: ou eles não são informados sobre o assunto ou estão protegendo fontes ultra-secretas relacionadas. Preocupações assim como, você sabe, a forma com que alguns OVNIs podem aparecer ao lado de nossas instalações nucleares, fazer coisas estranhas, depois pular em velocidades hipersônicas sem nenhuma fonte visível de combustível de aviação e manobrar de maneira a superar os jatos de combate mais manobráveis. Ah, e nesse ponto de manobra, fazer isso com resposta aparentemente inteligente ao movimento das aeronaves enviadas para interceptá-los. Se eles operassem em direção a intenções hostis, essas capacidades tornariam os esforços defensivos dos militares dos EUA tão viáveis ​​quanto um cubo de gelo na face do Sol. Visto que a Rússia, e provavelmente a China, estão tentando replicar tecnologias OVNI, aqueles que juraram nos defender vêem alguma virtude em manter o amplamente desconhecido apenas assim.

Isso não quer dizer que ninguém falará sobre esse assunto.

Sim, pessoas como Fravor vão falar sobre o que viram e vivenciaram. Mas se você está falando sobre a análise governamental dos OVNIs, garanto que estará fora do registro. Tudo o resto será complicado ou silencioso, na melhor das hipóteses. Um exemplo dessa dinâmica pode ser visto na resposta que recebi em agosto passado, quando perguntei ao ex-secretário de Defesa Jim Mattis sobre os encontros com OVNIs da Marinha e outra questão não relacionada. Mattis me deu uma resposta simples, mas séria:

“Essas são questões que merecem mais tempo do que eu posso lhe dar agora.”

Merece mais tempo” não se traduz exatamente como “vamos interromper esta conversa maluca“.

E o que dizer sobre a ideia de que nenhum jornalista sério cobre essa questão?

Bem, deixando de lado o New York Times, simplesmente não faz sentido. Além de muitos jornalistas amadores, como Danny Silva, fazendo um excelente trabalho nessa questão, existem repórteres de segurança nacional como Bryan Bender, do Politico, JD Simkins, do Military Times, e a equipe da seção ‘War Zone‘ do Drive. Desafiado neste ponto, Kloor sugeriu que os jornalistas de segurança nacional do Drive não são realmente jornalistas (mas na verdade, eles são). Mas a verdade subjacente é que jornalistas sérios levam isso a sério, não porque ‘eles querem acreditar’, mas porque os OVNIs testemunhados pela Marinha e um bom número de outros incidentes de OVNIs simplesmente não podem ser explicados com o que Kloor chama de “explicações prosaicas”. Esses casos são convincentes precisamente porque as teorias convencionais foram eliminadas.

No entanto, o argumento de Kloor é problemático, mesmo onde possa parecer mais forte. Kloor ataca o ex-chefe do antigo braço de investigação OVNI do Pentágono, Luiz Elizondo, por seus comentários a Tucker Carlson, da Fox News, de que o governo dos EUA possui materiais de OVNI. Kloor deturpa Elizondo dizendo que ele “disse a Carlson que acreditava que o governo dos EUA estava na posse de um OVNI real“. Mas o que Elizondo realmente disse é que o governo dos EUA tem materiais exóticos de OVNIs. E com relação a esses fragmentos, meu próprio trabalho de investigação me leva a ter certeza de que isso é verdade.

Onde isso nos deixa?

Bem, termino com a confiante conclusão de que a maioria dos OVNIs são nuvens, aeronaves ou, sim, balões. Mas alguns não são, e são bastante extraordinários. Em que planeta os jornalistas devem querer ignorar algo tão desconcertante, mas potencialmente consequente?

(Fonte)


Pois é, Keith Kloor é somente mais um daqueles repórteres que nem sequer sabe fazer seu trabalho investigativo de forma correta, mas escolhe declarar o que é difícil de ser provado o contrário, pois isso lhe faz sentir mais inteligente do que os outros. Só isso.

Mas um dia, a verdade vai dar um tapa na cara desses indivíduos, e esse dia, espero, pode estar próximo.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.