A descoberta de vida alienígena seria terrível, diz químico

Tempo de leitura: 4 min.

O artigo abaixo, de Travis Horan, mostra como a ótica de algumas pessoas – inclusive cientistas – sobre a descoberta oficial de vida alienígena pode ser um problema para o progresso neste campo.

A descoberta de vida alienígena seria terrível, diz químico
Foto: NASA

As pessoas tendem a olhar para o espaço e se perguntam sobre todas as possibilidades da vida lá fora. Existem bactérias congeladas nas calotas polares de Marte? Existem pequenas criaturas semelhantes a animais nas profundezas dos oceanos de um planeta fora do nosso sistema solar? Existem ruínas antigas de outra civilização nos arredores de nossa galáxia? E se eu lhe dissesse que, se alguma vez a vida fosse descoberta, especialmente formas de vida sencientes, isso seria uma notícia terrível? Mas como pode ser terrível a descoberta mais emocionante de nossas vidas?

Para entender isso, você deve primeiro dar um passo atrás e pensar no desenvolvimento da vida como uma escada desde os primeiros átomos flutuando pelo espaço até os seres humanos como os conhecemos hoje. O primeiro passo nessa escada seria a criação de DNA, capaz de sofrer mutações e evoluir. O segundo passo nessa escada seria a vida unicelular precoce para começar a se tornar mais complexa, com o terceiro passo sendo a junção desses organismos unicelulares em seres multicelulares conhecidos como plantas e animais. O quarto passo é o desenvolvimento de uma vida inteligente, com recursos como uso de ferramentas, cultura e conhecimento compartilhado através da linguagem. Isso leva a espécie a ser a forma de vida dominante no planeta – seres humanos, permitindo-nos moldar o mundo de acordo com nossas necessidades e solidificando-nos como as espécies mais importantes do planeta.


Os passos a seguir na escada são aqueles que ainda não tomamos, embora estejamos no processo de darmos próximo passo, e são pequenas tentativas de explorar a área ao redor do mundo e, finalmente, poder deixá-lo quando a necessidade surgir. Essa escada imaginária é conhecida como Paradoxo de Fermi e foi teorizada pela primeira vez em 1996. Aqui estamos 24 anos depois, e os mesmos problemas ainda estão sendo discutidos. Na vida inteligente, como a conhecemos, nossa natureza determina que alcancemos e tentemos habitar todos os nichos possíveis que possam nos apoiar. O principal problema disso é que todo planeta tem uma capacidade de carga e uma vida útil – dando à raça humana motivos para olhar além do nosso planeta, em busca de um lugar para colonizar.

Após esta etapa em que estamos agora, de aprender a navegar nas viagens espaciais, as três etapas restantes seriam colonizar o nosso sistema solar, depois os sistemas solares vizinhos e, finalmente, toda a galáxia. Essa escada parece ser o princípio universal para a vida inteligente seguir, não importa de onde ela seja, porque se uma espécie é dirigida e competitiva o suficiente para dominar um planeta inteiro, quase certamente não para por aí.

Existem pelo menos 500 bilhões de planetas na Via Láctea, incluindo pelo menos 10 bilhões de planetas com condições semelhantes à Terra, que existem há bilhões de anos a mais do que a Terra. De acordo com a equação de Drake, a galáxia é muito vasta para que a vida não exista fora da Terra, então por que estamos observando zero civilizações galácticas?

Esse espaço morto vazio, sem nenhuma aparência de vida, significa que algo está impedindo que a vida inteligente suba ao topo dessa escada metafórica, além do passo que alcançamos como civilização humana. Essa teoria é conhecida como O Grande Filtro. O Grande Filtro é uma barreira tão difícil de superar que elimina quase todas as espécies que o encontram, o que significa uma de duas coisas – os seres humanos são incrivelmente especiais e sortudos como espécies por já terem passado por essa barreira ou estamos condenados porque ainda não atingimos essa barreira impenetrável. O Grande Filtro está atrás de nós na escada evolutiva ou à nossa frente?

No primeiro cenário, o filtro ficou para trás e os humanos são os primeiros que atingiram esse nível de inteligência que domina o planeta. Se esse for o caso, uma das etapas anteriores teria sido quase impossível de ser atingida, seja a formação de organismos unicelulares ou o desenvolvimento de uma vida inteligente; talvez nunca saibamos.

Apesar de não sabermos, podemos fazer hipóteses sobre o que poderia ser, na esperança de que possamos racionalizar que o filtro deve estar atrás de nós. Talvez ele esteja no primeiro passo, e o desenvolvimento de qualquer tipo de vida seja quase impossível, ou talvez no terceiro, porque as chances de um organismo unicelular se unir a outro são tão raras, ou talvez esteja no desenvolvimento do passo de uma vida inteligente, porque, apesar dos benefícios de ter uma inteligência mais alta, isto exige muito mais ingestão de alimentos para manter e não oferece nenhum benefício ao lidar com predadores. Pode ser por isso que os humanos levaram quase 200.000 anos para chegar ao nível de inteligência em que estamos hoje.

No segundo cenário, o filtro está à nossa frente e estamos condenados como uma espécie. Isso deve significar que o filtro é mais perigoso do que qualquer coisa já encontrada no mundo, porque, mesmo que um desastre atingisse e destruísse a maioria da população ou nos mandasse de volta tecnologicamente milhares de anos, sobreviveríamos e nos recuperaríamos e, finalmente, chegaríamos a esse ponto novamente, tornando o evento mais um obstáculo do que um filtro.

Uma hipótese assustadora é que, depois que uma espécie assume todo o controle sobre seu planeta, ela já está no caminho da autodestruição, e nada pode mudar isso.

Então, o que poderia ser o Grande Filtro, se ainda não o alcançarmos? Precisa ser algo tão essencial para as viagens espaciais que todas as espécies inteligentes devem descobri-lo, então a resposta é simples: é a tecnologia. Seja aniquilação nuclear, nanotecnologia desenfreada, super-vírus projetados, danos extremos na atmosfera a ponto de colapso planetário ou algo que nem sequer podemos começar a prever agora, ele deve estar ligado à tecnologia.

Portanto, é por isso que encontrar vida alienígena seria desastroso. Quanto mais vida avançada e abundante encontramos no universo, maior a probabilidade do Grande Filtro estar à nossa frente, como no cenário 2. Encontrar bactérias seria horrível, mas encontrar vida inteligente multicelular seria pior e encontrar ruínas da antiguidade de civilizações alienígenas seria absolutamente catastrófico. Isso significa que, apesar do que muitas pessoas desejam acreditar ao olhar para o vasto vazio do espaço, nosso melhor cenário é que seja exatamente isso – vazio. Que o Grande Filtro está atrás de nós e somos genuinamente as primeiras espécies a chegar até aqui, e há bilhões de planetas vazios apenas esperando que viajemos e liguemos para casa.

(Fonte)

Às vezes, quando se pensa demais se borra nas calças, pois a imaginação – embora seja pela maior parte extremamente útil para nós – pode muitas vezes ser a inimiga do progresso.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.