Os cometas Swan e Atlas são legais, mas podem ser perigosos para a Terra

Tempo de leitura: 3 min.

Esses cometas constituídos de gelo espacial são uma boa distração, mas também pode ser mais uma coisa para nos preocupar.

Os cometas Swan e Atlas são legais, mas podem ser perigosos para a Terra
Cometa C / 2020 F8 SWAN, capturado pelo telescópio Siding Spring da Austrália.
Esposito Raffaele/Telescope Siding Spring/Spaceweather.com

Você provavelmente se preocupou um pouco demais durante o tumultuado início deste ano para perceber que 2020 também foi um período de grande drama para os cometas que visitam o sistema solar interno. No momento, o cometa Swan é visível a olho nu e pode ficar ainda mais brilhante à medida que corre em direção ao Sol nas próximas semanas.

Cometas como Borisov, Atlas e Swan têm sido uma boa distração da pandemia de coronavírus nos últimos meses, mas um cientista alertou que essas espetaculares vistas espaciais também são uma ameaça em potencial quando começam a rachar.

O cometa Borisov é o primeiro cometa interestelar confirmado a visitar nosso bairro. Ele foi descoberto originalmente em agosto passado e começou a se romper no início de 2020, depois de girar em torno do sol em dezembro. Na mesma época, o cometa Atlas se iluminou rapidamente antes de partir em pedaços. Depois, veio o cometa Swan, que passou pelo nosso planeta com seu núcleo intacto, mas tem uma boa chance de se fragmentar enquanto corre ao redor do Sol durante as próximas semanas.

Tudo isso é ótimo para observadores do céu, astrônomos e outros geeks do espaço, mas a relação entre a Terra e os cometas nem sempre foi um assunto cordial e de braço dado. Basta perguntar aos dinossauros. Muitas pessoas acreditam que os dinossauros foram destruídos por um grande impacto de um cometa que pode ter causado grandes incêndios, desencadeado enormes tsunamis e levantado partículas suficientes para bloquear parcialmente o Sol e resfriar o planeta.

William Napier, do Observatório Armagh, na Irlanda do Norte, argumentou em um artigo publicado pela primeira vez em junho do ano passado que consequências catastróficas na Terra podem não exigir um impacto direto de um cometa. Apenas a deriva na corrente de detritos de um cometa fragmentado também pode alterar a vida em nosso planeta de uma maneira importante.

Napier escreveu no boletim mensal da Royal Astronomical Society:

Esse tipo de encontro pode ter contribuído para as grandes extinções de animais e o resfriamento climático repentino de 12.900 anos atrás, e o colapso quase simultâneo de civilizações por volta de 2350 a.C.

A referência anterior de Napier é um período conhecido como Dryas Recente, quando a Terra repentinamente mudou de tendência de aquecimento e voltou à era do gelo. Uma hipótese para a reversão climática abrupta é que o impacto de um grande cometa ou asteroide representou uma sequência menos memorável do tipo que ocorreu nos dinossauros.

Essa teoria, no entanto, é controversa e não é universalmente aceita entre os cientistas.

Napier sugeriu que talvez não fosse necessário um grande impacto para mudar o clima.

Ele explicou:

Arrefecimentos repentinos e extremos … podem ter surgido da poeira de um cometa espalhada na atmosfera superior, assim reduzindo a incidência da luz solar na superfície da Terra.

Napier criou um modelo de um grande cometa que se desintegra enquanto viaja pelo sistema solar interno. Ele descobriu que há uma chance da Terra experimentar um ou mais “furacões de meteoros” se deriva através dessa nuvem de sobras cósmicas.

Napier disse:

Pode-se criar bastante fumaça meteórica durante esses encontros para gerar resfriamentos repentinos com duração de alguns anos, além de incêndios generalizados.

Ele está basicamente descrevendo uma chuva de meteoros vinda do inferno. E é uma ideia que outros pesquisadores consideraram. Os cientistas suspeitam há muito tempo que o Evento Tunguska de 1908, no qual uma força misteriosa nivelou uma seção remota da tundra siberiana, pode ter sido causado por um pedaço rebelde do Cometa Encke, que também é responsável pela chuva de meteoros Beta Táurida.

Para ser claro, ninguém está prevendo que os restos do cometa Atlas ou Borisov estejam em rota de colisão com a Terra ou prestes a inaugurar outra era glacial.

Mas os cometas são notoriamente imprevisíveis. São apenas grandes amálgamas de poeira, gelo, neve e rocha que gostam de mergulhar no Sol. Não há como saber qual será a consequência desse hábito de alto risco. Cada vez que um cometa visita nossa zona, deixa para trás um novo material que não existia antes e com o qual nosso planeta pode acabar interagindo.

Sabemos que esses detritos criam incríveis chuvas de meteoros a cada ano, mas também podem levar a grandes impactos a cada poucas décadas, como o bolido de Chelyabinsk de 2013 ou o evento de Tunguska. E a cada milhares de anos ou mais, pode até causar mudanças mais drásticas no nosso planeta e no nosso clima.

Felizmente, deve haver algum tempo para observar e estudar o que este ano abundante de cometas está deixando para trás, antes de encontrarmos qualquer um deles. E isso é uma coisa boa. Provavelmente nenhum de nós quer ver como é um furacão de meteoros durante nossa temporada normal de furacões, no meio de uma pandemia.

(Fonte)

Tomara que o “espírito” do ano de 2020 não tenha lido o trabalho de Napier, pois isso pode lhe dar ideias mais macabras ainda.

E não esqueça que na nossa página principal várias notícias são publicas todos os dias. Clique aqui para acessá-la.

n3m3

Compartilhe este artigo com a galáxia!

_______

ATENÇÃO: Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)

_______

O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:


PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…

[Devido a problemas técnicos, dispositivos móveis que acessam a versão amp (Accelerated Mobile Pages) do OVNI Hoje não terão acesso ao sistema de comentários Disqus. Neste caso, para acessar os comentários simplesmente acesse o site ovnihoje.com diretamente, e não por intermédio do sistema de procura. Estou trabalhando para tentar resolver esta questão.]

-------
-------

AVISO: Todos são bem-vindos a participar da área de comentários abaixo. Contudo, os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprios autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências ou conflitos por eles causados.

Também informamos que, a fim de não causar distrações e conflitos desnecessários, comentários, avatares e pseudônimos com viés político, seja de qual ideologia for, serão prontamente apagados quando encontrados pelos moderadores. O foco dos comentários deve ser mantido no assunto de cada artigo e somente desviado quando for pertinente ao tema do OVNI Hoje.

Assim, colabore com o bom andamento dos comentários, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando comentários fora do padrão como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.