Fadas no jardim: inteligência não humana e conexão com a natureza

Tempo de leitura: 3 min.

Embora a maioria das pessoas concorde que a existência de fadas seja improvável, nesses dias dramáticos que estamos vivendo não custa tomarmos alguns minutos do nosso tempo extra para aprendermos um pouco sobre o que falam desses legendários pequenos seres. Afinal, conhecimento não ocupa espaço.

Fadas no jardim: inteligência não humana e conexão com a natureza
Fadas de Cottingley (Wikipedia)

Muitos de nós provavelmente estão familiarizados com a frase ‘fadas no jardim’ (Reino Unido).

É algo que poderíamos dizer aos nossos filhos, incentivando-os a procurar pelos pequenos seres, a fim de mantê-los ocupados em uma tarde de verão, enquanto aproveitam o Sol. A noção também pode evocar pensamentos das infames fotografias de Cottingley (uma delas acima) tiradas num jardim de Yorkshire por duas meninas, que foram popularizadas pela primeira vez na Strand Magazine por Arthur Conan Doyle, cem anos atrás (Cooper, 1997).

Independentemente da veracidade das imagens (ou seja, capturando fadas reais ou não), as fotografias de Cottingley representam, no entanto, uma continuação de uma crença popular de longa data de que as fadas estão associadas a jardins e lugares selvagens. Um manuscrito do século XVII, alojado na Bodleian Library, em Oxford, por exemplo, contém um pequeno tratado sobre a natureza das fadas. O tratado menciona os lugares onde se diz que as fadas moram (e alerta contra invasões em seu domínio):

… elas dizem que podem enriquecer um homem a quem afetam [e] têm poder de machucar [e] matar quem quer que as desagrade, pelo qual vieram a qualquer lugar [onde] achavam que as fadas costumavam estar [d]. , como jardins, prados, [os] anéis verdes de [grama] eram … que eles chamam de orla de fada …

(Harms, 2018, P. 196)

Durante o século XIX, a associação entre fadas e jardins foi expandida por espíritas que desejavam incentivar presenças das fadas em seus próprios jardins. O humilde gnomo do jardim, por exemplo, foi originalmente concebido como um meio de atrair as pessoas pequenas de volta aos jardins suburbanos em rápida expansão na Grã-Bretanha. Sir Charles Isham (1819-1903), jardineiro paisagista e membro da Associação Nacional de Espiritualistas Britânicos, é amplamente creditado por apresentar gnomos de jardim no Reino Unido, depois de criar uma exibição épica de gnomos ocupados minerando em seu jardim em Lamport Hall, em Northamptonshire, em 1847 (Way, 2009, p. 11).

A associação dos pequenos seres com os jardins também continua nos tempos mais recentes. Na década de 1960, um grupo que alegou estar em comunicação com seres sobrenaturais concebidos de várias formas como Deus, devas, fadas e espíritos elementares estabeleceu um jardim em Findhorn, na costa leste da Escócia. Liderado por Eileen Caddy (1917-2006), Peter Caddy (1917-1994) e Dorothy Maclean (1920-2020), o jardim de Findhorn se transformou em um terreno altamente produtivo, com grandes quantidades de frutas e legumes (geralmente muito grandes), apesar de estar situado em terras relativamente pobres. O sucesso do jardim de Findhorn foi atribuído à orientação dos devas e elementais – cada um com seus próprios papéis e funções no jardim:

Embora os devas possam ser considerados os “arquitetos” das formas das plantas, os espíritos da natureza ou elementais, como gnomos e fadas, podem ser vistos como os “artesãos”, usando o projeto e a energia canalizados a eles pelos devas para construir o forma da planta.

(The Findhorn Foundation, 1975, pp. 58-59)

Ao trabalhar com os elementais, os jardineiros de Findhorn alegaram que estavam operando de acordo com princípios naturais, o que por sua vez levou a um jardim abundante e diversificado. Mais recentemente, o antropólogo ‘transpessoal’ Dennis Gaffin também observou uma ligação entre ambientes naturais e experiências da vida real com o povo das fadas. Ele explica:

O local das experiências de fadas passadas e presentes, em avistamentos ou presença de fadas, quase sempre está em ambientes naturais e tranquilos, longe do barulho e da construção de áreas povoadas.

(Gaffin, 2012, p. 70)

Essa sugestão também é apoiada por dados do maravilhoso recurso que é o Censo das Fadas, 2014-2017 (Young, 2018a). O censo reúne 500 relatos contemporâneos auto-submetidos de encontros com fadas – desses encontros 97 ocorreram explicitamente ‘no jardim’ e 94 ocorreram ‘no ambiente da floresta’, sugerindo ainda uma forte correlação entre encontros com fadas e locais naturais. Simon Young faz a observação interessante de que:

Nas experiências de fadas adultas em jardins e bosques, as fadas são frequentemente conectadas a flores e árvores. Curiosamente, as crianças vêem fadas de flores e plantas raramente … apesar de passarem mais tempo nos jardins. As árvores, porém, aparecem repetidamente: geralmente árvores de jardim.

(Young, 2018b, p. 91)

Tudo isso se torna cada vez mais interessante à luz de pesquisas recentes no campo da inteligência de plantas. O trabalho de Monica Gagliano em particular – que se concentra na comunicação e aprendizado das plantas – parece sugerir que as plantas possuem consciência e inteligência a um nível que a ciência até agora atribuía apenas aos animais superiores. O que torna o trabalho de Gagliano ainda mais intrigante são seus próprios encontros pessoais com a inteligência das plantas através de missões de visões conhecidas como ‘dietas’, que orientaram sua pesquisa científica. A combinação de pesquisa científica experimental em aprendizado de plantas, memória e comunicação e os encontros de Gagliano com os espíritos das plantas – como descrito em seu livro Thus Spoke the Plant (2018) – dão fortes razões para repensar nossa relação com o mundo vivo ao nosso redor.

Um estudo longitudinal publicado na revista Nature (Humphreys et al, 2019) revelou que temos perdido, em algum lugar na região, três espécies de plantas que produzem sementes todos os anos desde 1900. Não é apenas uma estatística assustadora, uma vez que as plantas são os principais produtores do nosso planeta – fornecendo acesso a todos os organismos vivos (inclusive a nós mesmos) à energia do Sol – mas também é uma grande ameaça à variedade de formas de inteligência não humana representadas por diferentes espécies vegetais. De fato, na introdução de minha antologia recentemente editada Greening the Paranormal (2019), sugeri que a crise de biodiversidade em que nosso planeta está passando (alimentada pelo comportamento destrutivo dos seres humanos) também é uma crise de psico-diversidade.

Um dos temas mais amplos explorados em Greening the Paranormal é o papel que um reengajamento com inteligência não humana – na forma de plantas, animais, fadas, espíritos e assim por diante – pode ter na renovação de nosso senso de conexão com o mundo natural e praticamente ajudando a promover a biodiversidade. Talvez ao re-encantar nossa visão do mundo natural, nos reconectando com as variedades de inteligência não humana que nos cercam e deixando espaços verdes e selvagens para as fadas no fundo do jardim, possamos contribuir para deter a dramática perda de biodiversidade (e psicodiversidade) que atualmente está atrapalhando nosso planeta.

– Jack Hunter

(Fonte)


E não esqueça que na nossa página principal várias notícias são publicas todos os dias. Clique aqui para acessá-la.

n3m3

Compartilhe este artigo com a galáxia!

_______

ATENÇÃO: Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)

_______

O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:


PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…

[Devido a problemas técnicos, dispositivos móveis que acessam a versão amp (Accelerated Mobile Pages) do OVNI Hoje não terão acesso ao sistema de comentários Disqus. Neste caso, para acessar os comentários simplesmente acesse o site ovnihoje.com diretamente, e não por intermédio do sistema de procura. Estou trabalhando para tentar resolver esta questão.]

-------
-------

AVISO: Todos são bem-vindos a participar da área de comentários abaixo. Contudo, os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprios autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências ou conflitos por eles causados.

Também informamos que, a fim de não causar distrações e conflitos desnecessários, comentários, avatares e pseudônimos com viés político, seja de qual ideologia for, serão prontamente apagados quando encontrados pelos moderadores. O foco dos comentários deve ser mantido no assunto de cada artigo e somente desviado quando for pertinente ao tema do OVNI Hoje.

Assim, colabore com o bom andamento dos comentários, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando comentários fora do padrão como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.