O OVNI “Tic-Tac” tinha capacidades de voo incríveis, mas isso não é tudo!

Tempo de leitura: 3 min.

Micah Hank, que escreve para o site mysteriousuniverse.org, entrevistou Gary Voorhis, um ex-militar que testemunhou o agora famoso OVNI “Tic-Tac”.

O OVNI "Tic-Tac" tinha capacidades de voo incríveis, mas isso não é tudo!

Para cima, para a esquerda, para baixo, para a frente … como quisesse, a qualquer velocidade que quisesse. O que foi difícil para o seu cérebro entender no começo.

Foi assim que Gary Voorhis, ex-suboficial de 3ª classe do Corpo de Bombeiros a bordo do USS Princeton, descreveu o comportamento de um objeto voador não identificado que foi rastreado e observado em vários sistemas durante um incidente naval de 2004, na costa da Califórnia. Os eventos descritos aqui, comumente conhecidos hoje como o incidente OVNI do USS Nimitz, tornaram-se um dos casos mais amplamente discutidos envolvendo fenômenos aéreos inexplicáveis ​​da era moderna.

Vários fatores-chave contribuíram para a atenção que esse incidente ganhou, incluindo o envolvimento de várias testemunhas e, mais fundamentalmente, que foi um encontro militar com implicações óbvias na defesa nacional dos EUA. Também contribuindo para o interesse que recebeu, foram obtidas imagens com a ajuda dos sistemas Raytheon ATFLIR utilizados pela Marinha, bem como observações de operadores de radar e outros técnicos do Strike Carrier Group-11 (Grupo de Ataque-11 do Porta-Aviões) da Marinha. Todas essas fontes forneceram informações sobre as capacidades operacionais da nave, que desde então tem sido popularmente comparada a um “tic-tac” voador do tamanho de um ônibus.

Gary Voorhis e Ryan Weigelt, que serviram com o Grupo-11 no momento do incidente, relataram vários detalhes únicos a mim durante uma entrevista recente que realizei com eles sobre o incidente. Voorhis, como descrito anteriormente, tinha sido um suboficial de terceira classe no controle de incêndio a bordo do USS Princeton e foi um dos técnicos de sistema dos sistemas Cooperative Engagement Capability e AEGIS Combat, que incluíam o radar AN / SPY-1 Bravo. Weigelt, um ex-oficial principal, havia sido o especialista no helicóptero SH-60B Seahawk ao mesmo tempo.

Um dos elementos-chave que os dois homens compartilharam comigo em nossa entrevista foi a lembrança de testemunharem a agora famosa tentativa de interceptação liderada pelo comandante David Fravor, um ex-comandante do Strike Fighter Squadron 41 (e, principalmente, o oficial que primeiro comparou o objeto ou a forma do OVNI com uma balinha ‘tic-tac’). Fravor estava acompanhado no momento da interceptação por seu oficial de sistemas de armas e dois outros pilotos.

Voorhis lembrou:

Quando comecei a assistir a este filme, eles já haviam iniciado a interceptação. O objeto estava se movendo e em conjunto com o piloto. Ele saia do quadro, mas o piloto se ajustava e voltava ao quadro.

E então ele se movia aguçadamente para a direita, aguçadamente para a esquerda, para cima, para baixo, em qualquer direção em particular que desejasse seguir. Não tinha lemes, nem hélices, nem jatos. Você não sabia dizer de que lado estava a frente e de que lado estava a parte traseira, exceto que você apenas presumia que a trajetória que ele seguia era a frente. Mas você não pode nem presumir isso, porque ele se movia de lado.

Você estava esperando ele se mover. Então ele simplesmente se movia.

Voorhis também disse que os objetos foram rastreados mais de uma vez no radar ao longo de várias semanas e que, em algumas ocasiões em que essas detecções de radar ocorreram, ele tentou observar os objetos com binóculos no convés superior do USS Princeton. Voorhis descreveu ver o que parecia ser movimento de objetos fosforescentes, embora ambíguos, ao longo do horizonte, na direção indicada pelo radar.

E, no entanto, talvez a manobrabilidade sobrenatural do objeto não seja a única coisa impressionante sobre suas capacidades. Logo após a fase inicial da interceptação, Fravor e os outros foram alertados via rádio que o objeto reapareceu, desta vez em um ‘ponto de controle’ designado, como indicado em entrevistas sobre o incidente.

Fravor disse ao New York Times em 2017:

Estávamos a pelo menos 40 milhas (64 km) de distância, e em menos de um minuto essa coisa já estava no nosso ponto de encontro.

Embora o objeto não identificado em nenhum momento tenha mostrado capacidades ofensivas ou outras indicações de intenção hostil, o fato dele (ou melhor, seus operadores) ter conhecimento óbvio das coordenadas da Patrulha Aérea de Combate parece indicar uma das duas possibilidades:

1. Que, além da capacidade de manobra altamente avançada, o OVNI “Tic-Tac” também tinha a capacidade de decodificar os sistemas de comunicações altamente criptografados empregados pelo Grupo de Ataque naquele momento, ou

2. Os operadores da tecnologia UAP (OVNI) podem ter, de alguma forma, conhecimento prévio ou outros meios de acesso a essas informações.

As implicações de qualquer um desses cenários são significativas e podem até ser fundamentais para a compreensão da natureza da tecnologia em questão.

Os vários relatos desse objeto e de suas capacidades, observados de perto por Fravor e sua equipe durante a interceptação, bem como no radar de Voorhis, Day e outros, indicam algo que está muito além das capacidades de qualquer tecnologia conhecida, possuída hoje pelos Estados Unidos; o mesmo pode ser dito de qualquer outra superpotência mundial. Isso não deve ser necessariamente alarmante, pois não havia indicação de recursos ofensivos exibidos pelo objeto. No entanto, qualquer objeto ou aeronave com desempenho tão avançado não deve ser ignorado, pois se trata de algo preocupante.

Pode levar décadas (pelo menos) antes que outras informações sejam divulgadas, dando ao público uma ideia clara do que realmente aconteceu no incidente Nimitz em 2004. Isso, no entanto, depende muito do fato do governo dos EUA – ou o de qualquer nação – realmente possuir qualquer informação adicional significativa, em primeiro lugar.

(Fonte)


Como sempre lembro nossos leitores, o evento do famoso OVNI “Tic-Tac” ocorreu em 2004, e se fosse tecnologia humana, algo já teria sido divulgado.

AVISO: Antes de cometer uma gafe, veja as regras da área de comentários clicando aqui. Obrigado.