Esta nova década pode trazer boas surpresas para a astronomia

Tempo de leitura: 2 min.

Em 6 de outubro de 1995, nosso universo ficou maior, mais ou menos, quando um par de astrônomos anunciou a descoberta do primeiro exoplaneta a orbitar uma estrela parecida com o Sol.

Esta nova década pode trazer boas surpresas para a astronomia

Chamado 51 Pegasi b, esse globo mostrava uma órbita aconchegante em torno de sua estrela hospedeira de apenas 4,2 dias terrestres e uma massa cerca da metade da de Júpiter. Segundo a NASA, a descoberta mudou para sempre “a maneira como vemos o universo e nosso lugar nele”. Mais de uma década depois, os astrônomos já confirmaram 4.104 mundos orbitando estrelas fora do nosso sistema solar. São muitos mundos desconhecidos há somente mais de uma década.

Então, o céu é o limite para esta nova década, certo? De acordo com Sara Seager, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, absolutamente sim.

Seager, cientista planetária e astrofísica, disse:

Esta década será grande para a astronomia e a ciência dos exoplanetas com o lançamento tão esperado do Telescópio Espacial James Webb [JWST].

O sucessor cósmico do Telescópio Espacial Hubble, o JWST está programado para ser lançado em 2021; pela primeira vez, os cientistas serão capazes de ‘ver’ exoplanetas no infravermelho, o que significa que podem detectar planetas que orbitam muito longe da estrela hospedeira.

Além disso, o telescópio abrirá uma nova janela para as características desses mundos alienígenas.

Seager disse à LiveScience:

Se o planeta certo existir, seremos capazes de detectar vapor de água em um pequeno planeta rochoso. O vapor de água é indicativo de oceanos de água líquida – como a água líquida é necessária para toda a vida como a conhecemos, isso seria um grande negócio. Essa é a minha esperança número um de avanço.

(O objetivo final, claro, é encontrar um mundo que tenha uma atmosfera semelhante à da Terra, de acordo com a NASA. Em outras palavras, um planeta com condições capazes de sustentar a vida.)

E, claro, haverá algumas dores de crescimento, observou Seager.

Ela disse, referindo-se ao Observatório de Ondas Gravitacionais com Interferômetro a Laser, uma enorme colaboração que envolve mais de 1.000 cientistas em todo o mundo:

Com o JWST e os telescópios terrestres extremamente grandes previstos para entrar em operação, a comunidade de exoplanetas está lutando para mudar de esforços de equipes individuais ou pequenas para grandes colaborações de dezenas ou mais de cem pessoas. Não é enorme para outros padrões (por exemplo, LIGO), mas é difícil.

(Fonte)


É quase certo que teremos boas surpresas no âmbito da astronomia nesta nova década. Isto é, se a “burrice” dos macacos beligerantes humanos não atrapalhe os avanços.

n3m3

P.S.: Por que o OVNI Hoje publicou este artigo? Clique aqui para saber.

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS:

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.