Houve uma civilização tecnológica na Terra antes dos seres humanos?

Tempo de leitura: 3 min.

Existem dezenas de bilhões de planetas potencialmente habitáveis ​​em nossa galáxia, a Via Láctea. Mas não sabemos se estamos sozinhos. Por enquanto, o planeta é o único mundo conhecido por sua existência, por isso acreditamos que o Homo sapiens seja a única espécie que desenvolveu tecnologia avançada entre todos os seres vivos em nossa terra.

Houve uma civilização tecnológica na Terra antes dos seres humanos?
Crédito da imagem: undergroundscience.net

Mas talvez isso uma presunção demasiada.

Com um novo e perspicaz artigo intitulado ‘The Hipuresis Silurian‘, os cientistas do Goddard Research Institute da NASA e da Universidade de Rochester analisam criticamente as evidências científicas de que houve uma civilização tecnológica avançada no passado em nosso planeta.

Adam Frank, professor de física e astronomia e co-autor do artigo na universidade de Rochester, pergunta:

Estamos realmente conscientes de que fomos a primeira espécie de tecnologia da Terra?

Somente por 300 anos tivemos uma sociedade industrial, mas por quase 400 milhões de anos houve uma vida dinâmica sobre o solo.

Se os seres humanos se extinguirem hoje, diz Frank, qualquer civilização futura que possa surgir na Terra daqui milhões de anos poderá achar difícil reconhecer traços da civilização humana. Da mesma forma, se alguma civilização anterior existia na Terra, há milhões de anos, poderíamos ter dificuldade em encontrar evidências dela.

Em busca do povo lagarto

A descoberta de artefatos físicos certamente seria a evidência mais dramática de uma civilização de estilo Siluriano na Terra, mas Frank duvida que algum dia encontraremos algo desse tipo.

Ele diz:

Nossas cidades cobrem menos de um por cento da superfície.

Qualquer cidade comparável de uma civilização anterior seria fácil para os paleontologistas modernos perderem. E ninguém deve contar com um iPhone jurássico; não duraria milhões de anos, tendo Gorilla Glass ou não.

Encontrar ossos fossilizados é uma aposta um pouco melhor, mas se outras espécies avançadas andaram na Terra há milhões de anos seria fácil ignorar seus esqueletos fossilizados – se elas tivessem esqueletos. Os humanos modernos existem há apenas 100.000 anos, uma fina fatia de tempo dentro do vasto e irregular registro fóssil.

Por esses motivos, Frank e Gavin Schmidt, climatologista da Goddard e coautores do artigo, se concentram na possibilidade de encontrar relíquias químicas de uma antiga civilização terrestre.

Usando a tecnologia humana como guia, Schmidt e Frank sugerem concentrar-se em plásticos e outras moléculas sintéticas de longa duração, bem como precipitação radioativa (no caso de facções de lagartos antigos tiverem travado uma guerra atômica). No nosso caso, o desenvolvimento tecnológico foi acompanhado por extinções generalizadas e rápidas mudanças ambientais, de modo que também são bandeiras vermelhas.

Depois de revisar vários eventos geológicos suspeitadamente abruptos dos últimos 380 milhões de anos, os pesquisadores concluem que nenhum deles se encaixa claramente em um perfil tecnológico. Frank pede mais pesquisas, por exemplo, estudar como os produtos químicos industriais modernos persistem em sedimentos oceânicos e depois ver se podemos encontrar traços de produtos químicos semelhantes no registro geológico.

Ele argumenta que uma compreensão mais profunda da pegada ambiental humana também terá consequências práticas, ajudando-nos a reconhecer melhores maneiras de alcançar um equilíbrio de longo prazo com o planeta, para que não acabemos como espécies esquecidas de amanhã.

Por outro lado, ele também é um cara curioso, interessado em explorar ideias mais distantes para encontrar assinaturas no estilo siluriano: “Você pode tentar olhar a Lua”, diz ele.

Arqueologia lunar

A Lua é um alvo predileto do astrônomo da Penn State University, Jason Wright, um dos poucos pesquisadores que atualmente aplica um sério pensamento científico à possibilidade de civilizações tecnológicas pré-humanas.

Wright diz:

Planetas habitáveis ​​como a Terra são muito bons em destruir coisas sem a devida manutenção em suas superfícies.

Então, ele está analisando a possibilidade exótica de que tal civilização possa ter sido espacial. Nesse caso, artefatos de sua tecnologia, ou assinaturas tecnológicas, podem ser encontrados em outras partes do sistema solar.

Wright sugere procurar tais artefatos não apenas na superfície lunar, mas também em asteroides ou enterrados em Marte – lugares onde esses objetos poderiam teoricamente sobreviver por centenas de milhões ou até bilhões de anos.

O recente lançamento da SpaceX de um Tesla Roadster para o espaço oferece uma visão de como pode ser essa pesquisa. Vários astrônomos apontaram seus telescópios para o carro e mostraram que, mesmo que você não tivesse ideia do que estava vendo, ainda assim acharia que ele seria um asteroide de aparência estranha.

Encontrar assinaturas tecnológicas no espaço é um tiro no escuro, mas Wright argumenta que o esforço vale a pena.

Ele diz:

Existem muitas outras razões para encontrar estruturas peculiares em Marte e na Lua, e procurar asteroides estranhos.

Tais estudos podem revelar novos detalhes sobre a história e evolução do sistema solar, por exemplo, ou sobre recursos que podem ser úteis para futuros espaçadores.

(Fonte)


Na verdade, há sim vestígios de uma civilização tecnológica na Terra antiga, mas os cientistas relutam em pesquisar mais a fundo, por terem medo das contestações de pares, as quais foram instituídas pelo “dogma absolutista” alicerçado no setor acadêmico.

Enquanto isso, com pouquíssimas pessoas corajosas para desafiar o status quo, a verdade fica lá fora à espera de ser descoberta.

E não esqueça: clique aqui para acessar nossa página principal, a qual é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia.

n3m3

Compartilhe este artigo com a galáxia!



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…

ATENÇÃO: Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.


O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS:

O OVNI Hoje precisa de sua ajuda. Você pode ajudar na manutenção do site. Clique aqui para informações de como fazê-lo, ou use o botão abaixo:


(Obs.: Se preferir utilizar depósito bancário, favor enviar e-mail para n3m3@ovnihoje.com para obter as informações. Obrigado.)



ÁREA DE COMENTÁRIOS E REGRAS:

[Devido a problemas técnicos, dispositivos móveis que acessam a versão amp (Accelerated Mobile Pages) do OVNI Hoje não terão acesso ao sistema de comentários Disqus. Neste caso, para acessar os comentários simplesmente acesse o site ovnihoje.com diretamente, e não por intermédio do sistema de procura. Estou trabalhando para tentar resolver esta questão.]

AVISO: Todos são bem-vindos a participar da área de comentários abaixo. Contudo, os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprios autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências ou conflitos por eles causados.

Também informamos que, a fim de não causar distrações e conflitos desnecessários, comentários, avatares e pseudônimos com viés político, seja de qual ideologia for, serão prontamente apagados quando encontrados pelos moderadores. O foco dos comentários deve ser mantido no assunto de cada artigo e somente desviado quando for pertinente ao tema do OVNI Hoje.

Assim, colabore com o bom andamento dos comentários, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando comentários fora do padrão como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.