A Marinha reconhece os OVNIs – então por que Washington os ignora?

Tempo de leitura: 3 min.

Por Christopher Mellon

No que poderia ser um precursor de novos desenvolvimentos impressionantes, a Marinha dos EUA reconheceu publicamente que as naves avançadas exibidas em vários vídeos de câmeras de armas recentemente desclassificados são OVNIs, ou aquilo que a Marinha prefere chamar de ‘Fenômeno Aéreo Não Identificado’ (sigla em inglês, UAPs).

A Marinha reconhece os OVNIs - então por que Washington os ignora?

A Marinha designa os objetos contidos nesses vídeos como fenômenos aéreos não identificados“, reconheceu Joseph Gradisher, porta-voz do vice-chefe de operações navais, referindo-se aos veículos bizarros que operavam descaradamente em um espaço aéreo militar norte-americano restrito.

Estranhamente, esse anúncio chocante parece não ter sido percebido pelo Congresso ou pelo governo Trump. A informação é muito chocante e radical para processar? Os funcionários do governo em Washington estão em negação? Só podemos nos perguntar, dada a desconexão flagrante entre o anúncio da Marinha e as ações limitadas do governo para proteger o pessoal militar dos EUA e o país como um todo.

Os veículos observados e registrados pelos pilotos de caça da Marinha dos EUA parecem impermeáveis ​​à altitude ou aos elementos; eles são capazes de manobrar acima de 80.000 pés; Eles podem pairar e acelerar instantaneamente a velocidades supersônicas e até hipersônicas; Eles têm seções transversais de radar muito baixas e usam um meio de propulsão e controle que não parece envolver combustão, escapamento, rotores, asas ou abas.

Como a Marinha afirma que não são aeronaves dos EUA, somos confrontados com a perspectiva assustadora de que um adversário em potencial dos Estados Unidos tenha conseguido tornar obsoletos os nossos mais sofisticados sistemas de aeronaves e defesa aérea. Assim como os japoneses reagindo ao surgimento da frota movida a vapor do almirante Perry na Baía de Tóquio na década de 1850, parece uma questão de extrema urgência determinar quem está operando essas naves, como elas funcionam e as intenções daqueles que as comandam.

Eu entrevistei vários militares em serviço e reformados que encontraram esses veículos misteriosos. Sem exceção, eles expressam grande preocupação por seus colegas e quase descrença de que Washington não está reagindo com mais vigor.

Esta situação não é totalmente sem precedentes. Cerca de 60 anos atrás, os americanos ficaram chocados quando a União Soviética orbitou o Sputnik, o primeiro satélite artificial do mundo. O Sputnik obteve uma cobertura sustentada da primeira página e o Congresso dos EUA prontamente reagiu às preocupações dos americanos ao aprovar maiores gastos com espaço e defesa e programas de educação aprimorados em matemática e ciências. As preocupações despertadas pelo Sputnik estimularam os EUA a entrar ‘na corrida espacial’. A nação se uniu à causa e o compromisso valeu a pena quando o astronauta Neil Armstrong pôs os pés na Lua apenas 12 anos depois.

Considere, por contraste, a resposta morna de Washington às últimas notícias sobre OVNIs. Alguns comitês de supervisão do congresso solicitaram e receberam instruções, mas nenhum realizou uma audiência, aberta ou fechada; nenhum possui fundos apropriados para coleta ou análise; ninguém sequer pediu um relatório ou uma avaliação de ameaça. Os membros do Congresso tampouco expressaram preocupação por aparentemente serem mantidos no escuro sobre esse assunto por anos pelo poder executivo, uma situação que mudou apenas após uma pequena organização privada – To The Stars Academy, à qual sou conselheiro sobre assuntos de segurança nacional – disponibilizar imagens da câmera de armas do Departamento de Defesa à imprensa e ao Congresso.

Por que não estamos analisando as vastas quantidades de dados já coletados pelas vastas redes de sensores dos EUA, já compradas e pagas, para ver que luz esses dados podem lançar sobre o problema? A paralisia de Washington é algo com o qual nos acostumamos em assuntos domésticos, mas, quando isso afeta a segurança nacional, somos verdadeiramente uma nação em risco.

De fato, o exame das principais falhas de inteligência dos EUA – de Pearl Harbor aos ataques terroristas de 11 de setembro e às armas de destruição em massa iraquianas – mostra que, em cada caso, tínhamos informações que, devidamente analisadas e adotadas, poderiam ter evitado desastres. Hoje estamos em um local semelhante, com amplas luzes de aviso piscando, mas nenhum esforço efetivo para reunir dados relevantes dos inúmeros serviços e agências que os possuem.

O Gabinete Nacional de Reconhecimento, a Agência de Inteligência de Defesa, a CIA, a Força Aérea e a Marinha, o FBI e a Agência de Segurança Nacional – não há lugar no governo dos EUA onde todas as informações sobre OVNIs sejam reunidas. A esse respeito, a situação atual é semelhante ao contraterrorismo antes da criação do Centro Nacional de Contraterrorismo. Felizmente, novos gastos militares não são necessários; simplesmente precisamos implementar uma estratégia eficaz de coleta e análise usando os recursos existentes.

O Presidente Eisenhower, conhecido por suas realizações militares e por seu valioso aviso sobre o complexo industrial-militar, fez um discurso em 1958 em minha cidade natal, Ligonier, Pensilvânia, comemorando o 200º aniversário do Fort Ligonier. Referindo-se aos americanos que estabeleceram a fronteira, ele disse: “Eles não foram retrocedidos pelo terror do desconhecido; eles não sucumbiram às tensões e privações encontradas além das margens da civilização. Eles seguiram como companheiros de aventura, bem sabendo que o perigo é frequentemente o parceiro inseparável do progresso e da honra”.

Felizmente, a maioria de nós não sofre mais as intensas dificuldades e privações que nossos antepassados ​​sofreram. No entanto, ainda devemos enfrentar o desconhecido. Os formuladores de políticas devem prestar muita atenção às experiências do pessoal militar dos EUA, investigar minuciosamente e responder de maneira eficaz. Se não o fizerem, nosso país poderá novamente pagar um preço trágico.

(Fonte)

Colaboração: Marcelino


Realmente é intrigante a forma com que Washington reagiu, ou melhor, não reagiu aos acontecimentos recentes.

Só me resta pensar duas coisas: Ou eles já sabem quem são os responsáveis pelos OVNI e reconhecem que não há perigo, ou, muito menos provável, esses OVNIs mais recentes são fruto de projetos ultra-secretos daquele mesmo país.

O que você acha?

n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais.

ATENÇÃO: Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…

-------

BOMBANDO NO planetaabsurdo.com.br:

PORCOS VIVOS SÃO USADOS EM TESTES DE COLISÃO DE AUTOMÓVEIS

-------

AVISO: Todos são bem-vindos a participar da área de comentários abaixo. Contudo, os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprios autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências ou conflitos por eles causados.

Também informamos que, a fim de não causar distrações e conflitos desnecessários, comentários, avatares e pseudônimos com viés político, seja de qual ideologia for, serão prontamente apagados quando encontrados pelos moderadores. O foco dos comentários deve ser mantido no assunto de cada artigo e somente desviado quando for pertinente ao tema do OVNI Hoje.

Assim, colabore com o bom andamento dos comentários, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando comentários fora do padrão como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.