O universo é “apenas um videogame” que os criadores poderiam desativar a qualquer momento – cientistas

Tempo de leitura: 4 min.


Se você não fosse uma pessoa real, mas apenas um personagem em um videogame, como você saberia?

O universo é "apenas um videogame" que os criadores poderiam desativar a qualquer momento
Talvez os Sims sejam tão reais quanto nós?

O filme de Keanu Reeves, de 1999, Matrix, imagina um futuro distante, no qual toda a humanidade fica presa sem saber dentro de uma simulação do final do século XX.

É uma ótima ideia para um filme divertido. Mas se fosse verdade, algum de nós saberia a diferença?

O filósofo Nick Bostrom, da Universidade de Oxford, acha que provavelmente não.

Ele disse:

Embora o mundo que vemos seja, em certo sentido, ‘real’, ele não está localizado no nível fundamental da realidade.

Ele acha que estamos vivendo em um programa de computador criado por uma raça superinteligente.

O universo é "apenas um videogame" que os criadores poderiam desativar a qualquer momento
Bostrom tem formação em física, neurociência computacional e lógica matemática, além de filosofia.

O Princípio Copernicano, em homenagem ao astrônomo que popularizou a ideia de que o Sol é o centro do sistema solar, diz que a Terra não é especial; que poderíamos estar tecnicamente em qualquer rocha de tamanho semelhante, orbitando qualquer estrela de tamanho semelhante, e o Universo pareceria o mesmo.

Agora, se alienígenas ou futuros humanos fizeram uma Terra virtual dentro de um super computador, não há razão para que eles não pudessem fazer um milhão delas. Então os números estão contra nós. Pode haver bilhões de mundos simulados e, no máximo, um ‘real’. O Princípio Copernicano diz que, com base nisso, é mais provável que participemos de uma das simulações do que na realidade.

Bostrom continuou:

“Uma coisa que as gerações posteriores podem fazer com seus computadores super poderosos é executar simulações detalhadas de seus antepassados.

Suponha que essas pessoas simuladas sejam conscientes. Então pode ser que a grande maioria das mentes como a nossa não pertença à raça original, mas sim a pessoas simuladas pelos descendentes avançados de uma raça original.

Isso levanta a questão de saber se é possível criar uma simulação com habitantes artificialmente inteligentes que acreditavam em seu mundo.

Rich Terrile, cientista da computação do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA em Pasadena, Califórnia, acha que seremos capazes de fazê-lo em breve,

O universo é "apenas um videogame" que os criadores poderiam desativar a qualquer momento
Rich Terrile acha que em breve poderemos construir nossos próprios universos de brinquedos.

Ele diz:

Estamos dentro de uma geração de sermos esses deuses que criam esses universos.

Há experimentos sendo realizados, a fim de determinarem agora a ‘resolução’ final do universo que pode nos dar pistas sobre a natureza da realidade.

Poderíamos descobrir se a hipótese da simulação está correta? Bostrom acredita que sempre há uma chance de que um dia possamos encontrar uma pista deliberada escondida na simulação.

Ele brincou:

Você certamente poderia imaginar um cenário em que uma janela surgisse à sua frente, dizendo: ‘Você está em uma simulação; clique aqui para mais informações’.

Mas importa se isso é uma simulação ou não?

Se estamos felizes vivendo e prosperando em nosso mundo virtual, com suas coincidências bizarras como eclipses solares perfeitamente alinhados e nenhuma vida detectável em nenhum outro lugar, deveríamos nos importar se o universo é realmente um videogame?

Talvez devêssemos.

O astrônomo de Harvard, Abraham Loeb, diz que, se confirmarmos que nossa ‘realidade’ não é real, nada importaria mais. As leis e a moral de todos sairiam pela janela.

Ele continuou:

Não há nada mais prejudicial à nossa ordem social do que essa noção.

O universo é "apenas uma simulação" que os criadores poderiam desativar a qualquer momento
Abraham Loeb pensa que descobrir que somos simplesmente como os “Sims” poderia causar um colapso na sociedade.

Preston Greene, professor assistente de filosofia da Universidade Tecnológica Nanyang, em Cingapura, vai além. Ele argumenta que, se os cientistas encontrarem uma maneira de confirmar que nosso universo é uma simulação, como um videogame, isso poderia ser o fim do jogo. Os criadores podem simplesmente desconectar e desligar nosso universo.

Em um artigo do New York Times, o professor Greene escreveu:

Se provássemos que vivemos dentro de uma simulação, isso poderia fazer com que nossos criadores terminassem a simulação – destruíssem o mundo.

É claro que os experimentos propostos podem não detectar nada que sugira que vivamos em uma simulação por computador. Nesse caso, os resultados não provarão nada.

Este é o meu ponto: os resultados dos experimentos propostos serão interessantes apenas quando forem perigosos.

Embora houvesse um valor considerável em saber que vivemos em uma simulação de computador, o custo envolvido – correr o risco de encerrar nosso universo – seria muitas vezes maior.

O universo é "apenas uma simulação" que os criadores poderiam desativar a qualquer momento
O professor Preston Greene teme que descobrir a verdade possa significar ‘acabar com o videogame’ (game over)

Essas teorias, na vanguarda da ciência e da filosofia, aproximam-nos surpreendentemente das primeiras crenças da humanidade em um mundo com um criador, que nos observa de fora do universo por razões que mal podemos compreender.

E talvez seja melhor que nunca as compreendamos. Mesmo se não houvesse tumultos nas ruas, o criador poderia ficar entediado e nos desligar.

(Fonte)


Quero acreditar que mesmo se estivermos vivendo num “videogame”, nossas consciências podem continuar de outra forma uma vez que nossos envólucros “virto-reais” (nossos corpos) expirem. Talvez até, se é que somos mesmo uma simulação, esta poderia ter sido feita para gerar consciências… nós.

De qualquer forma, essas são somente presunções sem qualquer prova. Talvez um dia saberemos se realmente vivemos em algo parecido com um vídeogame, se nosso Universo é integralmente real. Gostaria que fosse a segunda opção.

n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais, ou use o botão abaixo:



ATENÇÃO: Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…

-------

BOMBANDO NO planetaabsurdo.com.br:

ALGUÉM ESTÁ COLANDO CHAPÉUS DE CAUBÓI NOS POMPOS EM LAS VEGAS

-------

AVISO: Todos são bem-vindos a participar da área de comentários abaixo. Contudo, os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprios autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências ou conflitos por eles causados.

Também informamos que, a fim de não causar distrações e conflitos desnecessários, comentários, avatares e pseudônimos com viés político, seja de qual ideologia for, serão prontamente apagados quando encontrados pelos moderadores. O foco dos comentários deve ser mantido no assunto de cada artigo e somente desviado quando for pertinente ao tema do OVNI Hoje.

Assim, colabore com o bom andamento dos comentários, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando comentários fora do padrão como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.