Misteriosas nuvens em Vênus estão mudando – elas podem conter vida microbiana

Tempo de leitura: 3 min.


Tendo o mesmo tamanho da Terra, Vênus é um planeta terrestre com uma composição semelhante ao nosso planeta e tem quase a mesma proximidade do Sol. Mas os paralelos praticamente terminam aí.

Misteriosas nuvens em Vênus estão mudando - elas podem conter vida microbiana
Uma imagem composta do planeta Vênus, vista pela sonda japonesa Akatsuki. Crédito: AKATSUKI, INSTITUTO DE ESPAÇO E CIÊNCIA ASTRONÁUTICA / AGÊNCIA DE EXPLORAÇÃO AEROESPACIAL JAPÃO

Vênus é muito mais quente – na vizinhança 460 graus Celsius na superfície – devido a um efeito estufa descontrolado causado por uma atmosfera densa e rica em dióxido de carbono e uma manta de nuvens composta principalmente de gotículas de ácido sulfúrico.

Aquele planeta gira na direção oposta da Terra (o Sol nasce no oeste), e sua superfície nunca foi vista pelo olho humano, pois é completamente obscurecida por suas nuvens opacas e altamente refletivas.

Mas, como a Terra, o clima venusiano é impulsionado pela radiação solar e é profundamente influenciado por mudanças nas propriedades reflexivas ou no albedo das nuvens que envolvem o planeta. E agora surgiu uma imagem melhor desse clima e de como é influenciado pelas mudanças na refletividade das nuvens, graças a uma equipe internacional de pesquisadores que utiliza um conjunto de satélites para avaliar em luz ultravioleta as variações de longo prazo do albedo de Vênus. O novo estudo foi publicado em 26 de agosto de 2019 no Astronomical Journal.

Sanjay Limaye, um cientista planetário da Universidade de Wisconsin-Madison e co-autor do novo estudo, explica:

A diferença entre Terra e Vênus é que na Terra a maior parte da energia do Sol é absorvida ao nível do solo, enquanto em Vênus a maior parte do calor é depositada nas nuvens.

O que é curioso sobre as nuvens de Vênus – além de serem diferentes de qualquer coisa na Terra – é que nessas nuvens existem manchas escuras misteriosas, apelidadas de ‘absorventes desconhecidos’ pelos cientistas, pois as minúsculas partículas que compõem as manchas absorvem a maior parte dos raios ultravioleta e parte da luz visível do Sol e, portanto, afeta o albedo e o orçamento de energia do planeta.

As manchas foram observados pela primeira vez por telescópios terrestres há mais de um século. Elas diminuem e fluem ao longo do tempo, mudando suas distribuições e contrastes.

Yeon Joo Lee, autor sênior do novo relatório, explica:

Foi sugerido que as partículas que compõem as manchas escuras são cloreto férrico, alótropos de enxofre, dióxido de dissulfeto e assim por diante, mas nenhuma delas, até agora, é capaz de explicar satisfatoriamente suas propriedades de formação e absorção.

Por outro lado, Limaye observa que as partículas têm aproximadamente o mesmo tamanho e têm as mesmas propriedades de absorção de luz que os microorganismos encontrados na atmosfera da Terra. Também, os cientistas, começando com o notável biofísico Harold Morowitz e o astrônomo Carl Sagan, especulam há muito sobre a possibilidade de que as manchas sombrias nas nuvens de Vênus sejam, de fato, vida microscópica.

Qualquer que seja sua composição, os ‘absorvedores desconhecidos’ de Vênus, de acordo com as novas medições do albedo do planeta, um feito liderado por Lee, da Universidade Técnica de Berlim, estão afetando o clima do planeta.

Lee e seus colegas, inclusive Limaye, estudaram mudanças no albedo de Vênus usando mais de uma década de observações ultravioletas do planeta a partir de instrumentos a bordo das sondas planetárias Venus Express, Akatsuki e Messenger, além do Telescópio Espacial Hubble.

Entre 2006 e 2017, o albedo de Vênus, a medida da luz ultravioleta refletida de volta ao espaço, reduziu pela metade antes de começar a se recuperar.

Essas mudanças no albedo do planeta provocaram grandes variações na quantidade de energia solar absorvida pelas nuvens e, consequentemente, na circulação da atmosfera de Vênus.

Em particular, as mudanças no albedo ajudam a explicar variações na atividade vigorosa da atmosfera superior do planeta, que exibe o que os cientistas chamam de ‘super rotação’, um fenômeno impulsionado por ventos que excedem 320 quilômetros por hora.

Takeshi Horinouchi, da Universidade Hokkaido do Japão, também co-autor do novo relatório do Astronomical Journal e especialista em clima venusiano, diz que os novos resultados das mudanças no albedo do planeta fornecem um elo entre o aquecimento solar e as rajadas fortes que sustentam a dinâmica da atmosfera superior do planeta.

O especialista em Vênus, Mark Bullock, do Southwest Research Institute, que não participou do novo estudo, diz:

O que realmente me impressionou neste artigo é que mostra que o clima de Vênus tem variações climáticas decadais, assim como a Terra.

Ainda mais surpreendente, a força da oscilação climática em Vênus é muito maior que as variações de longo prazo da Terra.

Limaye acrescenta:

Esse é um resultado impressionante. Isso sugere que algo está mudando.

Podemos ver a mudança no brilho. Se o albedo está mudando, algo está direcionando essas mudanças. A questão é: qual é a causa?

O fluxo e refluxo das misteriosas manchas escuras no topo das nuvens de Vênus, os “absorvedores desconhecidos”, estão perto do topo da lista de suspeitos e poderiam, de fato, estar tendo um papel importante nessas mudanças, dizem Lee e Limaye. O nevoeiro acima das nuvens e composto de partículas menores, acrescentam eles, pode fazer Vênus parecer ainda mais brilhante.

O clima, seja na Terra ou em Vênus, são causados ​​pela radiação solar, incluindo a radiação ultravioleta que não podemos ver. E as nuvens e sua capacidade de refletir a luz têm uma enorme influência.

Lee pergunta:

A luz ultravioleta solar está afetando a cobertura de nuvens de Vênus?

Os raios cósmicos – partículas subatômicas do espaço que chovem continuamente em todos os planetas – afetam a cobertura das nuvens ao desencadear a nucleação das nuvens?

O dióxido sulfúrico planetário afetaria a formação da nuvem de ácido sulfúrico?

O novo estudo ajuda a aprofundar a dinâmica do albedo de Vênus e os possíveis efeitos das manchas escuras enigmáticas que vagam pelo topo dos bancos de nuvens do planeta, se não sua composição. Mas é provável que os resultados despertem os interesses dos cientistas que estudam o planeta e seu clima, o que pode dar novas lições sobre a Terra e seu clima.

(Fonte)

Colaboração: MaryH


Já há algum tempo se suspeita que essas nuvens possam conter vida microbiana, num planeta onde a maioria dos cientistas acredita que não possa ter vida em sua superfície por se quente demais.

Porém, cientistas russos podem já ter encontrado evidências de vida na superfície daquele planeta infernal, como pode ser visto no artigo abaixo:

n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais.

ATENÇÃO: Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…

-------

BOMBANDO NO planetaabsurdo.com.br:

JAMAICANA DIZ QUE PODE VER A MORTE

-------

AVISO: Todos são bem-vindos a participar da área de comentários abaixo. Contudo, os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprios autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências ou conflitos por eles causados.

Também informamos que, a fim de não causar distrações e conflitos desnecessários, comentários, avatares e pseudônimos com viés político, seja de qual ideologia for, serão prontamente apagados quando encontrados pelos moderadores. O foco dos comentários deve ser mantido no assunto de cada artigo e somente desviado quando for pertinente ao tema do OVNI Hoje.

Assim, colabore com o bom andamento dos comentários, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando comentários fora do padrão como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.