Por que os ETs ainda estão [oficialmente] desaparecidos?

Tempo de leitura: 4 min.


A complicada, confusa e emocionante busca pela vida alienígena.

MISSÃO: A NASA está se preparando para lançar uma busca por planetas alienígenas

Nos filmes, o primeiro contato com alienígenas se desenrola com grande drama. Muitas vezes, os extraterrestres chegam tirando com armas laser; em cenários mais benevolentes, elas aparecem na forma de vulcanos usando capuz, simpáticos com brilhante dedos ou artefatos caixa-preta enterrado na Lua. 

Independentemente disso, a principal mensagem é clara: Não estamos sozinhos no universo.

Na realidade, a descoberta de vida extraterrestre virá com muita ambiguidade e ceticismo. Como podemos ter tanta certeza disso? Porque já aconteceu. Duas vezes. 

Em 1976, as sondas gêmeas Viking 1 e Viking 2 pousaram em Marte e iniciaram o esforço mais ambicioso já empreendido para procurar vida em outro mundo. Os robôs pegaram solo e executaram quatro experimentos. 

Em um deles, uma amostra foi incubada em caldo nutriente. Imediatamente emitiu um “arroto” de gás contendo carbono (provavelmente dióxido de carbono) e, por um momento impressionante, parecia que a Viking havia encontrado uma bioassinatura alienígena – prova química da biologia em ação.

Depois veio a sombria percepção de que as substâncias químicas da superfície marciana poderiam produzir o mesmo efeito sem o auxílio de micróbios.

Os outros experimentos Viking vieram sem resultado. O veredicto oficial da NASA: não há “evidência de vida em nenhum local de pouso”.

Gilbert Levin, o pesquisador que projetou o teste do “arroto” (tecnicamente chamado “experimento de Liberação Etiquetada”), nunca aceitou essa conclusão.

Paul Davies, diretor do Centro de Conceitos Fundamentais em Ciência da Universidade Estadual do Arizona, onde Levin era professor adjunto antes de se aposentar, disse:

Gil está absolutamente convencido de que descobriu a vida em Marte.

Meu sentimento é que a Viking é um negócio inacabado. Todos correram para dizer: “Oh, bem, isso não pode estar certo”.

No mínimo, você pensaria que o experimento deveria se repetir.

Muitos outros pesquisadores agora concordam, especialmente à luz da recente descoberta de que o solo de Marte contém compostos de cloro que poderiam ter obscurecido qualquer material orgânico.

Quase duas décadas depois, Marte estrelou outro drama da vida alienígena.

Em agosto de 1996, a NASA convocou uma coletiva de imprensa urgente em Washington, D.C., onde uma equipe de cientistas apresentou evidências de micróbios fósseis e bioquímicos em um meteorito antártico originalmente do Planeta Vermelho. O presidente Clinton declarou que a descoberta “fala da possibilidade da vida”.

Mais uma vez, a empolgação acelerada rapidamente deu lugar a perguntas e críticas generalizadas, até mesmo ridicularização. E mais uma vez, os proponentes não recuaram. O astrobiólogo David McKay, do Centro Espacial Johnson da NASA, foi ao seu túmulo no ano passado convencido de que o meteorito continha traços de bactérias marcianas.

Caça em novos lugares

Castigados por essas duas notáveis ocorrências, cientistas conscientes da vida se afastaram da abordagem Viking.

Davies diz:

A NASA adorna suas missões a Marte com a palavra vida em todas elas, mas ela não vai à procura de vida; ela está olhando para ver se as condições podem ter sido úteis para a vida.

O jipe-sonda Curiosity, de US$ 2,5 bilhões, demonstrou que fluxos quentes já fluíram no Planeta Vermelho, por exemplo, mas não está equipado para encontrar micróbios vivos ou mortos.

Melhorar os resultados da Viking exigirá a devolução de amostras para a Terra, onde os pesquisadores podem analisá-las com detalhes mais nítidos. Isso pode acontecer em algum momento na próxima década.

A NASA está elaborando planos para o jipe-sonda Mars 2020, uma versão atualizada do Curiosity que seria lançada em (sim) 2020 e coletaria amostras para eventual retorno.

A Rússia e a Agência Espacial Européia estão colaborando para trazer de volta porções do solo de Marte em algum momento da década de 2020. E a agência oficial de notícias Xinhua, da China, relata que o país também quer lançar uma missão semelhante antes de 2030.

Enquanto isso, o número de locais potencialmente habitáveis ​​no sistema solar cresceu. Agora, os astrobiólogos falam entusiasmadamente sobre pelo menos dois destinos importantes, além de Marte: o satélite Europa de Júpiter, do tamanho da Lua, e o muito menor Encélado, que orbita Saturno.

Europa tem um oceano global trancado sob uma crosta de gelo. bem abaixo, o calor interno dessa lua pode criar condições hospitaleiras, semelhantes às fontes hidrotermais no fundo da cordilheira do meio do Atlântico e à elevação do Pacífico Leste na Terra.

Em dezembro passado, o telescópio Hubble encontrou indícios de vapor de água saindo da superfície de Europa, sugerindo que a superfície do gelo é fina e dinâmica. Essa descoberta eletrizou a equipe que trabalhava na proposta de uma missão Europa Clipper projetada para dar uma olhada mais de perto – embora, como o Curiosity, a espaçonave se concentrasse em estudar o ambiente local, e não em encontrar ET microbiológico.

De certa forma, Encélado apresenta um caso mais fácil. Esta bola de gelo com 500 km de largura dispara grandes gêiseres de cristais de gelo, que aparentemente se originam de lagos subterrâneos perto do pólo sul do satélite. Como os gêiseres estão ejetando material do lago para o espaço, uma sonda poderia simplesmente passar pelas colunas, coletar amostras e traze-las de volta para casa, para estudo em laboratórios terrestres.

Peter Tsou, um ex-engenheiro da NASA que elaborou um conceito para uma missão como essa, chama a missão de o fruto mais acessível dos estudos de biologia alienígena ao estilo de retorno de amostra. Nesse momento, no entanto, não tem financiamento para o projeto.

A invasão da vida em casa

Vamos ser otimistas por um momento e supor que, na próxima década, Marte, Europa e Encélado sejam totalmente testados para a vida. Está bem, vamos ser desenfreados, sonhadores vertiginosos e suponhamos que todos os três experimentos voltem com leituras positivas. Mesmo assim, os resultados podem ser frustrantemente contestados.

Se encontrarmos apenas restos fósseis, o ônus da prova será quase esmagador, como McKay e seus colegas aprenderam da maneira mais difícil. Compostos orgânicos complexos e coisas que se parecem muito com formas bacterianas se formam prontamente, sem a mão da biologia. Mesmo se recuperarmos um esconderijo de micróbios alienígenas vivos, isso não necessariamente resolverá o problema. Os germes terrestres podem se infiltrar facilmente em uma amostra de laboratório e contaminá-la. Pior, os impactos de asteroides poderiam ter produzido um tipo mais fundamental de contaminação, lançando rochas infestadas de bactérias do planeta para o planeta bilhões de anos atrás.

Como resultado, a versão do primeiro contato no mundo real pode não responder à pergunta mais profunda: a Terra é uma anomalia ou faz parte de uma enorme comunidade de mundos vivos?

Davies diz:

Ainda estamos completamente no escuro sobre o que transformou a não-vida em vida, e se não sabemos o que é o processo, não podemos estimar as chances.

Felizmente, há um caminho para investigar essa questão aqui e agora, sem a despesa e cronograma excruciante de uma missão espacial.

Davis explica:

Se é o caso que a vida emerge prontamente em condições semelhantes à da Terra, então, certamente deveria ter começado muitas vezes bem aqui na Terra.

Talvez alguns alienígenas locais vivam entre nós, e nós não os reconhecemos ainda. Encontrar o florescimento de uma segunda gênese seria uma revelação. Qualquer processo que pode acontecer duas vezes provavelmente pode acontecer um milhão de vezes, ou um bilhão, em locais em todo o cosmos.

Para encontrar a vida “como nós não conhecemos”, Davies sugere a procura de micróbios que prosperam em temperaturas extremas ou profundidades. Um resultado particularmente revelador seria encontrar organismos que utilizem versões espelhadas das biomoléculas familiares, tornando seu metabolismo incompatível com o de qualquer coisa viva conhecida.

Esse tipo de pesquisa é o projeto perfeito para uma era de orçamentos reduzidos, mas com visões ampliados.

Ele disse:

Nos anos 60, quando eu era um estudante interessado na vida além da Terra, eu poderia também ter interesse em procurar por fadas.

Agora, a maioria dos cientistas tem o preconcepção de que a vida está por toda parte.

Podemos testar isso? Não requer muito esforço. Apenas requer que as pessoas tenham a mente aberta.

(Fonte)


O artigo acima, escrito por Corey S. Powell para o Discovery Magazine, mostra exatamente aquilo que tenho dito há muito tempo aqui: Não faz parte da agenda da NASA mostrar que existe vida fora da Terra. Ao contrário, embora a agência esteja travestida de entidade que procura por ETs, seu trabalho é justamente o contrário.

Imagine o quão simples seria enviar experimentos nas sondas já enviadas para Marte após as Vikings, para confirmar a existência de vida por lá. Nos bilhões de dólares gastos pela NASA nesses projetos, ela simplesmente escolheu fazer um tour pela superfície de Marte, sem qualquer equipamento para procura de vida. Nem mesmo no novo jipe-sonda Mars 2020, a agência está incluindo tais experimentos.

Não se iluda, a NASA nunca irá declarar que encontrou vida em lugar algum fora da Terra. Ao contrário, sempre irá tentar desbancar qualquer indivíduo que o tente fazer, assim como já fez com seus próprios cientistas.

Os que estão no comando do mundo não querem que você saiba que a vida extraterrestre existe. E essa é a triste verdade.

n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais.

ATENÇÃO: Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…

-------

BOMBANDO NO planetaabsurdo.com.br:

JAMAICANA DIZ QUE PODE VER A MORTE

-------

AVISO: Todos são bem-vindos a participar da área de comentários abaixo. Contudo, os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprios autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências ou conflitos por eles causados.

Também informamos que, a fim de não causar distrações e conflitos desnecessários, comentários, avatares e pseudônimos com viés político, seja de qual ideologia for, serão prontamente apagados quando encontrados pelos moderadores. O foco dos comentários deve ser mantido no assunto de cada artigo e somente desviado quando for pertinente ao tema do OVNI Hoje.

Assim, colabore com o bom andamento dos comentários, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando comentários fora do padrão como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.