Fenômeno atmosférico raro para o Polo Norte é detectado

Tempo de leitura: 2 minutos


Descargas atmosféricas perto do Pólo Norte ocorrem, mas o que foi observado no fim de semana passado é bastante incomum.

Fenômeno atmosférico raro para o Polo Norte é detectado
Instabilidade perto do Polo Norte causou 48 descargas atmosféricas raras

O raio foi detectado usando a rede de Detecção Global de Raios de Vaisala.

Segundo o Serviço Nacional de Meteorologia (EUA), uma empresa privada que opera uma rede mundial de detecção de raios captou até 48 descargas atmosféricas a 480 quilômetros do Pólo Norte, em 10 de agosto (02h00 – 04h00 UTC, 11 de agosto) .

Raios dentro de 480 km do Pólo Norte em 10 de agosto. (NWS Fairbanks)

O número é muito maior do que os cientistas geralmente relatam.

O meteorologista da NWS em Fairbanks, no Alasca, Ryan Metzger, disse ao Washington Post:

Eu não diria que isso nunca aconteceu antes, mas certamente é incomum, e isso chamou nossa atenção’.

Os relâmpagos significam que a atmosfera perto do pólo estava instável o suficiente, com suficiente ar quente e úmido na baixa atmosfera, para dar origem às tempestades. A perda de gelo do mar em todo o Ártico levou a temperaturas da superfície do oceano muito acima da média para esta época do ano, o que pode estar contribuindo para que massas aéreas instáveis ​​sejam empurradas pelo Oceano Ártico.

Ryan, que é pesquisador da Vaisala que inventou a rede GLD360 para rastrear relâmpagos em todo o mundo, também disse:

O número máximo de descargas atmosféricas em qualquer evento de tempestade é de 7; tipicamente, vemos 3 ou 4 tempestades de raios ao norte de 80 graus a cada verão. Geralmente detectamos menos de 50 descargas em cada uma dessas tempestades.

De acordo com o Centro Nacional de Dados de Neve e Gelo em Boulder, Colorado – EUA, a cobertura de gelo no Pólo Norte é mais baixa em pelo menos 1.500 anos, com base em pesquisas recentes.

Cientistas estão cautelosos sobre interpretar o raio como um evento sem precedentes, mas é um evento raro. Muito raio realmente e não deveria estar chegando tão ao norte.

Embora ainda seja relativamente raro, o raio quase polar deve se tornar mais comum à medida que o mundo continua a esquentar. Marshall Shepherd, um cientista atmosférico da Universidade da Geórgia, acredita que veremos mais desses momentos ‘chocantes’ no futuro próximo.

Pesquisadores dizem que a causa dos raios foi devido à instabilidade perto do pólo, com um amplo ar quente e úmido na baixa atmosfera, causando tempestades.

(Fonte)


Entre muitos outros assuntos, a população está dividida entre aqueles que acreditam no aquecimento global e aqueles que não.

Seja como for, uma coisa é inquestionável: junto com tantas outras coisas estranhas ocorrendo no nosso planeta atualmente, o clima também tem se comportado de forma muito anormal.

Novos tempos e novos desafios à frente para todos.

n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais.

ATENÇÃO: Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.



Participe dos comentários mais abaixo…