Seria a vida nada mais do que um sonho?


Sharon Hewitt Rawlette, Ph.D., é uma filosofa que investiga ‘coincidências’ aparentes pelo que elas podem nos dizer sobre o funcionamento oculto da consciência. Aqui ela nos faz pensar sobre nossa própria “realidade”, se é que ela é mesmo real…

Seria a vida nada mais do que um sonho?

Uma das coisas estranhas sobre os sonhos é que, na maioria das vezes, não estamos cientes de que estamos sonhando. Tipicamente, nossa memória e nossa habilidade reflexiva são substancialmente limitadas dentro dos sonhos (Fosse et al. 2003; Hobson et al. 1998), fazendo com que não notemos incongruências dentro do sonho e presumimos que o que experimentamos é real. Simplesmente não nos ocorre considerar que pode não ser.

Talvez até mais estranhamente, mesmo quando ocasionalmente percebemos que estamos sonhando – e de acordo com várias pesquisas realizadas em todo o mundo, de 26% a 92% das pessoas tiveram pelo menos um sonho lúcido (Stepansky e cols. 1998; Erlacher et al., 2008; Palmer, 1979; Yu, 2008) – as experiências “sensoriais” do sonho que podem permanecer tão convincentemente reais. Lembro-me de que, em um dos meus próprios sonhos, percebi que era um sonho e depois me maravilhei com o quão sólido e real o celular na minha mão parecia.

A capacidade do mundo dos sonhos parecer real levou muitos pensadores – o filósofo René Descartes (1641) a ser o exemplo ocidental mais proeminente – a imaginar se o mundo que experimentamos enquanto estamos acordados poderia ser um sonho. Se o mundo dos sonhos se sente tão real quanto ao que estando acordado (pelo menos enquanto estamos nele), como podemos saber com certeza que não estamos vivendo atualmente em um sonho – um sonho do qual um dia poderemos acordar?

Uma maneira pela qual os filósofos tentaram dissipar tais preocupações é apelando para as diferenças entre o mundo dos sonhos e o mundo dos sonhos. Por exemplo, nosso mundo desperto tem uma coerência que muitas vezes falta ao mundo dos sonhos. (Para um exemplo de um argumento baseado na coerência contra a hipótese cética, veja Norman Malcolm (1959).) Você pode lembrar que, no filme de ficção A Origem, os personagens aprendem a reconhecer que estão sonhando perguntando a si mesmos como chegaram em uma determinada situação, então percebendo que eles não podiam lembrar, porque o sonho apenas os colocou lá.

Mas a coerência do nosso mundo desperto garante que ele seja real?

Acredito que a coerência de nosso mundo desperto nos dá evidências de que não é apenas uma invenção da nossa imaginação. Especificamente, nos dá evidência de que, quando estamos acordados, algo está causando nossa experiência que é independente da experiência em si. Por exemplo, a relativa permanência dos objetos e ambientes que experimentamos na vida desperta parece ser melhor explicada por haver algo real e duradouro que nossas experiências estão refletindo.

No entanto, a permanência relativa dos objetos e ambientes que encontramos no mundo desperto não é garantia de que o mundo desperto seja tão real quanto possível. Afinal, um alto grau de permanência também é encontrado nos mundos dos videogames, nos quais os “ambientes” e os “objetos” com os quais interagimos são apenas as criações do código de computador. Assim, embora a permanência percebida pareça apontar para algo que é objetivo / duradouro, a verdadeira natureza do que está “lá fora” pode parecer tão pouco em nossa experiência quanto um código de computador se parece com as imagens que vemos quando reproduzimos um vídeo Jogos.

De fato, a física nos ensina que os objetos que experimentamos como sólidos são, na verdade, compostos quase inteiramente de espaço vazio. E os resultados dos experimentos de mecânica quântica indicam que, sob certas condições, os blocos de construção da matéria não se comportam como partículas discretas, mas como ondas de probabilidade. Se, no entanto, sentirmos o mundo cheio de objetos duradouros e sólidos, isso se deve à maneira usual com que nossos sentidos interagem com ele e ao modo como essas interações são representadas na consciência.

Isso significa que há, de fato, um sentido importante em que todos nós vivemos constantemente dentro de um sonho – isto é, dentro de um mundo criado por nossas próprias mentes. É só que, quando estamos acordados, nossas mentes conformam nossos sonhos a um conjunto confiável de padrões, que presumimos serem determinados por uma realidade que existe independentemente de nossa experiência, embora não tenhamos como conhecer essa realidade, exceto através das maneiras complexas em que isso afeta nosso “sonho”.

Mas poderia haver um sentido ainda mais profundo em que nossa vida desperta é um sonho?

Assim como frequentemente acordamos do sono para perceber que o que estávamos experimentando no estado de sono não era tão coerente e “real” quanto o que experimentamos quando acordados, poderia haver um dia em que emergiríamos do sonho da realidade para experimentar um mundo ainda mais coerente e vividamente real, um estado em que experimentaremos níveis de conhecimento, memória e outras funções cognitivas que superam amplamente as que vivenciamos em nossas vidas atuais?

De fato, um número bastante surpreendente de pessoas relatou já ter tido experiências como essa. Ou seja, eles relatam ter tido experiências que lhes parecem mais reais do que as que elas têm em seu estado normal de vigília. Por exemplo, “mais real do que real” é uma descrição frequentemente usada por aqueles que tiveram experiência de quase morte.(Moody 1975; Thonnard et al. 2013; Palmieri et al. 2014), aqueles que usaram substâncias psicodélicas como DMT (Strassman 2001) e aqueles que, por vários outros meios, experimentaram estados incomuns de consciência.

Muitas experiências de quase-morte também relatam uma função cognitiva aumentada e um súbito aumento no conhecimento (Owens et al. 1990; Greyson 2003). Essa percepção da função cognitiva aumentada e do aumento do conhecimento é frequentemente descartada como uma ilusão por aqueles que não estão familiarizados com a literatura científica sobre experiências de quase morte, mas uma investigação cuidadosa mostrou que informações concretas e verificáveis ​​foram obtidas nesses estados que não estavam disponíveis à pessoa que passou por isso através dos seus cinco sentidos (Rivas et al. 2016).

A experiência daqueles que tiveram estados incomuns de consciência levanta a possibilidade de que a velha questão de saber se “a vida é apenas um sonho” é mais do que uma preocupação inútil de alguns filósofos confortavelmente abrigados em suas poltronas ao lado de suas lareiras. A resposta a esta questão poderia muito bem ter grandes consequências empíricas, inclusive implicações surpreendentes para os tipos de experiências que estão disponíveis para a mente humana.

Temos todos os motivos para estarmos atentos a essa possibilidade, à medida que continuamos a investigar a verdadeira natureza do mundo em que nos levamos para viver.

(Fonte)


Há ainda quem diga que estamos vivendo num mundo simulado e, se a autora acima estiver na pista certa, nossas vidas podem mesmo ser somente uma simulação de, digamos assim, um treinamento para algo maior e mais significativo. E se esse for o caso, fica a pergunta: seriam os OVNIs e seus ocupantes a fonte, ou pelo menos uma parte importante dessa “realidade”, se é que ela é mesmo uma simulação?

No entanto, sem provas e somente uma multitude de diferentes conjecturas, continuamos na estaca zero, sonhando que um dia teremos conhecimento de toda a verdade.

E já que estamos falando em conjecturas, aqui está mais uma:

n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais.

ATENÇÃO: Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…

AVISO: Todos são bem-vindos a participar da área de comentários abaixo. Contudo, os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprios autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências ou conflitos por eles causados.

Também informamos que, a fim de não causar distrações e conflitos desnecessários, comentários, avatares e pseudônimos com viés político, seja de qual ideologia for, serão prontamente apagados quando encontrados pelos moderadores. O foco dos comentários deve ser mantido no assunto de cada artigo e somente desviado quando for pertinente ao tema do OVNI Hoje.

Assim, colabore com o bom andamento dos comentários, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando comentários fora do padrão como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.