Um encontro imediato com uma estranha criatura da água

Tempo de leitura: 3 min.


Em outubro de 1907, um encontro notável e aterrorizante com um monstro aquático ocorreu no rio Solimões, na Colômbia.

Um encontro imediato com uma estranha criatura da água
Imagem meramente ilustrativa, não relacionada ao caso.

A história veio de um respeitado explorador e aventureiro alemão, Franz Herrmann Schmidt, que, junto com um companheiro, o capitão Rudolph Pfleng, que passaram semanas explorando as áreas mais selvagens da Colômbia e em busca de tudo selvagem e maravilhoso. Ele certamente encontrou o que procurava. Ou, pelo menos, uma dessas coisas.

Após doze dias ao longo do rio Solimões, Schmidt, Pfleng e seus guias indígenas chegaram a um vale remoto, coberto de vegetação densa e alimentado por um pequeno lago raso. A equipe inteira estava animada, mas também perturbada, ao ver uma série de trilhas enormes que levavam ao lago – trilhas que eram irreconhecíveis como qualquer coisa convencional. Além disso, havia evidências de que o que quer que saísse das trilhas estava se alimentando das folhas de certas árvores a uma altura de cerca de 4,5 metros. Em outras palavras, essa criatura era formidável e enorme.

No dia seguinte, algo surpreendente ocorreu. Enquanto Schmidt, Pfleng e seus guias iam pelas águas do lago em canoas, ouviam repentinamente altos estrondos e respingos vindo da direção da vegetação espessa da margem para o lado direito. Os guias, parecendo ter alguma consciência preexistente da fera que se escondia, sumiram de vista, entraram em pânico e remexeram furiosamente suas canoas para longe da borda e para a porção central do lago.

Nas palavras do próprio Schmidt:

Houve um grito repentino entre eles, uma coisa grande e escura, meio escondida entre os galhos, subiu entre eles e houve uma grande comoção. Um dos indios empolgados começou a remar o barco longe da costa e, antes que pudéssemos detê-lo, estávamos a 30 metros da linha d’água. Agora não podíamos ver nada e os índios recusavam-se a voltar, enquanto nem eu nem Pfleng nos importávamos em deixar de lado nossos rifles para remar.

Houve um grande acenar de plantas e um som como pesados ​​tapas de um grande remo, misturado com os gritos de alguns dos macacos se afastando rapidamente do lago. Um ou dois que foram feridos ou segurados gritavam, então seus gritos cessaram. Durante dez minutos inteiros houve silêncio, depois a vegetação começou a se mexer novamente e, voltando para o lago, vimos o monstro assustador que descreverei agora.

‘Assustador’ era uma palavra muito apropriada para Schmidt usar, como suas palavras seguintes deixam bem claro:

A cabeça apareceu sobre arbustos de três metros de altura. Era do tamanho de um barril de cerveja e tinha a forma de uma anta, como se o focinho fosse usado para puxar coisas ou segurá-las. Os olhos eram pequenos e sem brilho e se assentavam como os de um jacaré.

Apesar da lama meio seca, podíamos ver que o pescoço, que era muito parecido com uma serpente, era mais grosso em proporção, tão áspero como um lado de jacaré do que nas costas. Evidentemente, o animal não viu nada de estranho em nós, se nos notou, e avançou até não estar a mais de quarenta e cinco metros de distância.

Podíamos ver parte do corpo, que eu deveria julgar ter 2,40 a 2,75 de espessura nos ombros, se essa palavra pode ser usada, já que não havia pernas anteriores, apenas algumas grandes nadadeiras com garras pesadas. A superfície era como a do pescoço.

Os índios não fugiram, mas pareciam fascinados. No que me dizia respeito, eu teria esperado um pouco mais, mas Pfleng ergueu o rifle e atirou na cabeça. Tenho certeza de que atingiu entre os olhos e que a bala deve ter atingido alguma coisa com ossos, com chifres ou muito forte, pois ela cortou os galhos de uma árvore mais para cima e depois depois de atingir. Atirei quando Pfleng atirou de novo e apontou para a base do pescoço.

O animal permanecia perfeitamente parado agora. Ele baixou o focinho para o local para o qual eu o tinha acertado e parecia mordê-lo, mas não havia sangue ou qualquer sinal de dor real. Tão rápido quanto nós podíamos atirar, nós atiramos sete vezes nele, e eu acredito que todos acertaram. As balas pareciam incomodar a criatura, mas não para machucá-la.

De repente, ela mergulhou para a frente de uma maneira desengonçada e desajeitada. Os índios haviam debandado, e tanto Pfleng quanto eu a perdemos de vista quando ela entrou na água.

Eu estava muito ansioso para ver suas patas traseiras, se tivesse alguma. Olhei de novo só a tempo de ver a parte de trás dela saindo da terra – uma pesada cauda rombuda com pedaços grosseiros e cheios de chifres. A cabeça ainda estava visível, embora o corpo estivesse oculto pela ondulação.

A partir desta oportunidade instantânea, devo dizer que a criatura tinha 10 metros de comprimento, com pelo menos 3,5 deles dedicados à cabeça e ao pescoço.

Em três segundos não havia nada a ser visto, exceto as ondas da água barrenta, os movimentos do crescimento à beira da água e um macaco com suas partes traseiras inúteis se puxando para cima do tronco de uma árvore. Enquanto os índios remavam freneticamente para longe, coloquei uma bala no coitadinho para deixá-lo sair da sua miséria.

Não tínhamos avançado cem metros antes que Pfleng me chamasse e apontasse para a direita. Acima da água, a 200 metros de distância aparecia a cabeça e o pescoço do monstro. Deve ter mergulhado e ido bem debaixo de nós. Depois de alguns segundos de olhar, começou a nadar em nossa direção e, como nossas balas pareciam não ter efeito, remamos apressadamente. Perdendo-o por trás de uma ilha, não o vimos de novo e ficamos muito satisfeitos.

Seja lá qual foi a verdadeira identidade do monstro, ela nos escapa hoje, assim como fez Schmidt e Pfleng em 1907.

(Fonte)


Uma aventura um tanto intrigante, se verdadeira.

n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais, ou use o botão abaixo:



ATENÇÃO: Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.



PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…

-------

BOMBANDO NO planetaabsurdo.com.br:

ALGUÉM ESTÁ COLANDO CHAPÉUS DE CAUBÓI NOS POMPOS EM LAS VEGAS

-------

AVISO: Todos são bem-vindos a participar da área de comentários abaixo. Contudo, os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprios autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências ou conflitos por eles causados.

Também informamos que, a fim de não causar distrações e conflitos desnecessários, comentários, avatares e pseudônimos com viés político, seja de qual ideologia for, serão prontamente apagados quando encontrados pelos moderadores. O foco dos comentários deve ser mantido no assunto de cada artigo e somente desviado quando for pertinente ao tema do OVNI Hoje.

Assim, colabore com o bom andamento dos comentários, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando comentários fora do padrão como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.