web analytics

Terra entrará na mesma chuva de meteoros que cientistas acreditam ter causado a explosão de Tunguska

Tempo de leitura: 3 minutos


Nas próximas semanas, nosso planeta terá um encontro próximo com a chuva de meteoros Táuridas. Será o mais próximo que ficamos do centro do enxame de meteoros desde 1975, e não teremos um encontro tão próximo novamente até 2032.

Terra entrará na mesma chuva de meteoros que cientistas acreditam ter causado a explosão de Tunguska

Para os astrônomos, isso é realmente um grande problema. E esperamos que não haja nenhum perigo para a Terra durante essa passagem, mas alguns cientistas estão absolutamente convencidos de que a explosão de 1908 em Tunguska, que destruiu 80 milhões de árvores na Rússia, foi causada por um objeto do enxame de meteoros Taurídeos. Como você verá abaixo, a última semana de junho marcará o ponto em que estamos mais perto do centro do enxame de meteoros, e assim o risco será maior. De acordo com a CBS News, nosso planeta “se aproximará dentro de 30.000.000 km do centro do enxame Taurídeo” até o final deste mês…

Neste verão boreal/inverno austral, a Terra se aproximará de 30.000.000 km do centro do enxame Taurídeo, diz o estudo. Esse seria o encontro mais próximo da Terra com o enxame desde 1975 e a melhor oportunidade de visualização que teremos até o início da década de 2030.

Trinta milhões de quilômetros podem soar como uma grande distância, mas em termos astronômicos isso não é muito distante, e é importante lembrar que a distância é medida a partir do centro exato do enxame de meteoros.

E há alguns cientistas que estão convencidos de que as rochas gigantes desse enxame de meteoros foram responsáveis ​​por múltiplos eventos catastróficos (uma vez a cada 1.000 anos na Terra) no passado. O seguinte vem da Forbes:

Os restos de um cometa. À medida que a Terra orbita o Sol, seu caminho orbital passa frequentemente por poeira e detritos deixados por cometas, com matéria não maior que um grão de areia que invade a atmosfera da Terra e se queima como “estrelas cadentes”. Principalmente, eles são inofensivos, mas o enxame Taurídeo é uma nuvem de detritos excepcionalmente grandes, provavelmente do Cometa 2P/Encke, que os cientistas acham que pode ser responsável por alguns eventos catastróficos de uma vez a cada 1.000 anos na Terra. A hipótese do cometa gigante do complexo Taurídeo propõe que um cometa gigante se fragmentaria no sistema solar interior, produzindo poeira e pequenos objetos próximos da Terra (NEOs), incluindo o 2P/Encke e outros asteroides, ainda presentes hoje. Entre as evidências observadas está o aumento da atividade de bolas de fogo quando a Terra se aproxima do “Enxame Taurídeo”, e aumenta o impacto na Lua.

Em particular, acredita-se agora que o enorme objeto que explodiu sobre a Rússia em 30 de junho de 1908 fazia parte do enxame de meteoros Taurídeos.

Para aquele evento, as primeiras estimativas da energia da rajada de ar variam de 10 a 15 megatons de TNT (42-63 petajoules) a 30 megatons de TNT (130 PJ), dependendo da altura exata da rajada estimada quando as leis de escala dos efeitos das armas nucleares são empregados. No entanto, os cálculos modernos de supercomputadores, que incluem o efeito do momento do objeto, mostram que mais energia foi focada para baixo do que seria o caso de uma explosão nuclear, e estimam que a explosão tenha tido uma faixa de energia de 3 a 5 megatons de TNT (13 a 21 PJ).

A estimativa de 15 megatons (Mt) representa uma energia cerca de 1.000 vezes maior do que a da bomba atômica lançada sobre Hiroshima, no Japão – aproximadamente igual à detonação termonuclear terrestre de Castle Bravo (15.2 Mt) em 1 de março 1954, e cerca de um terço da explosão da Bomba Tsar na União Soviética, em 30 de outubro de 1961 (que, com 50 Mt, é a maior arma nuclear já detonada).

Estima-se que a explosão de Tunguska derrubou cerca de 80 milhões de árvores em uma área de 2.150 km2, e que a onda de choque da explosão teria medido 5,0 na escala de magnitude Richter.

É interessante notar que o evento de Tunguska aconteceu durante a última semana de junho de 1908, e agora os pesquisadores estão nos dizendo que a última semana de junho deste ano “será a próxima ocasião com uma alta probabilidade de colisões semelhantes a Tunguska”. ou passagens próximas”…

Pesquisadores das Universidades do Novo México e Ontário Ocidental alertam que poderíamos estar em um evento similarmente catastrófico.

Os pesquisadores escreveram num artigo recente:

Se o objeto Tunguska fosse membro de uma corrente Beta Táurida, então a última semana de junho de 2019 será a próxima ocasião com uma alta probabilidade de colisões ou quase acidentes semelhantes a Tunguska.

Claro que ninguém está dizendo que algo vai acontecer durante esse tempo. Essa será uma época em que há um risco elevado, e todos devemos estar esperando que absolutamente nada aconteça.

No entanto, não devemos descartar completamente essa ameaça. Um par de anos atrás, os cientistas descobriram um ‘novo ramo’ do enxame de meteoros que contêm ‘asteroides de até 300 metros de largura”…

Se um asteróide de 300 metros atingir nosso planeta amanhã, estaríamos falando sobre o tipo de evento de mudança de civilização.

 Mas, mais uma vez, provavelmente não ocorrerá algo assim nas próximas semanas.

De fato, os cientistas nos dizem que é muito mais provável que haverá algum tipo de impacto em 2032:

Em novembro de 2032, a Terra passará pelo enxame Taurídeo, uma nuvem de destroços do Cometa 2P/Encke que gera bolas de fogo brilhantes quando suas partículas ocasionalmente atingem a atmosfera da Terra. Encontros anteriores com o enxame em 2005 e 2015 produziram chuvas de meteoros brilhantes observadaos em todo o mundo; em 1975, o enxame entrou em contato com a Lua, fazendo com que os sensores sísmicos da Apolo tocassem com evidências de objetos atingindo a superfície lunar. Se os analistas estiverem corretos, teremos uma atividade semelhante daqui a 13 anos.

No final, simplesmente não sabemos quando o próximo impacto de um meteoro catastrófico acontecerá, mas os cientistas garantem que estes continuarão acontecendo.

Rochas gigantescas voam zunindo pelo nosso planeta continuamente, e na maior parte do tempo nós nem as vemos até que elas já passaram por nós.

Então, podemos receber algum aviso prévio antes de uma rocha devastadora nos atingir algum dia, mas, novamente, talvez não receberemos esse aviso.

(Fonte)

Colaboração: Lênio

Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.


n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais.



Termos recém pesquisados por leitores:

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprios autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado superior direito de cada comentário.

Obrigado.