web analytics

Cientistas se preparam para procurar fósseis em Marte

Tempo de leitura: 3 minutos


Com a missão da NASA, Mars 2020, rumo ao Planeta Vermelho, os pesquisadores estão descobrindo as melhores maneiras de procurar fósseis em Marte, caçar sinais de vida antiga longe de casa.

Cientistas se preparam para procurar fósseis em Marte
As próximas missões, como a Mars 2020, da NASA, podem já ter a tecnologia para encontrar minúsculos microfósseis no Planeta Vermelho. Crédito: NASA

Quando a maioria das pessoas imagina a caça de fósseis, elas provavelmente pensam em encontrar ossos de dinossauros dispostos em camadas de rocha. Mas a grande maioria da vida – e, portanto, fósseis – em toda a história da Terra tem sido microorganismos. Essas minúsculas formas de vida, plantas, animais ou fungos, podem ser menores que a largura de um fio de cabelo humano. Mas com as ferramentas certas, os registros fossilizados dessas minúsculas criaturas revelam informações sobre a história de um planeta. Até mesmo um planeta que não seja a Terra.

Um grupo de cientistas suecos, liderados por Magnus Ivarsson, destaca em uma pesquisa publicada no dia 1º de maio em Frontiers in Earth Science que instrumentos já planejados para missões espaciais como a Mars 2020 podem detectar fósseis minúsculos em Marte, se existirem. Mas a Mars 2020 não consegue analisar cada rocha que encontra em detalhes, então os pesquisadores propõem algumas maneiras de determinar os melhores lugares para se olhar no Planeta Vermelho.

Começo terrestre

Os pesquisadores ressaltam que a maioria dos fósseis estudados na Terra é encontrada na rocha sedimentar, que é depositada em camadas que lentamente se transformam em rocha verdadeira. Mas a maior parte de Marte é composta de rocha vulcânica, mais parecida com o material que reveste o fundo dos oceanos da Terra. Esse tipo de rocha contém fósseis na Terra, embora sejam mais difíceis de encontrar.

As rochas vulcânicas têm muitas rachaduras e fendas, e os microrganismos são capazes de penetrar nessas rachaduras, ou de criar mais caminhos próprios. Quando eles morrem, eles permanecem dentro da rocha, onde podem ser preservados por milhões de anos.

É lógico, os pesquisadores apontam, que esses são os tipos de fósseis que devemos encontrar em Marte, onde as rochas vulcânicas dominam.

O planeta vermelho pode ter sido um ambiente muito mais úmido e hospitaleiro há alguns bilhões de anos. Há até evidências de que Marte pode ter sofrido inundações significativas apenas um bilhão de anos atrás. E materiais orgânicos, moléculas de vida, também foram encontrados no Planeta Vermelho. Então, Marte pode ter tido um ambiente favorável à vida no passado. Mas mesmo a Terra só desenvolveu formas de vida multicelulares nos últimos meio bilhão de anos…

Mas mesmo na Terra, a pesquisa não se concentrou nesses fósseis. Isso se deu em parte porque os dinossauros criam exposições de museu e tópicos de pesquisa muito mais chamativos. Mas também é porque, na Terra, esses fósseis vulcânicos são muito mais difíceis de encontrar, enterrados no fundo do oceano. Como a perfuração em águas profundas começou a trazer à luz esse mundo oculto, Ivarsson e seus colegas querem desenvolver um “atlas de microfósseis”. Tal repositório usaria fósseis da Terra para identificar assinaturas químicas de microorganismos e separar fósseis reais dos inorgânicos.

Procurar fósseis em Marte

Nos laboratórios de ponta da Absent Earth, os pesquisadores precisavam saber se os futuros robôs de Marte estão à altura da caça de fósseis. A equipe de Ivarsson determinou que a Mars 2020 terá a capacidade de resolver assinaturas de microfósseis maiores, e que as rochas que contêm os fósseis podem ser acessíveis o suficiente para o jipe-sonda investigar. Isso significaria simplesmente tirar fotos das rochas de perto, para os pesquisadores humanos na Terra estudarem.

Ou o jipe-sonda poderia varrer as rochas em busca de isótopos específicos – versões de materiais normais como oxigênio e carbono, que são mais comuns em seres vivos do que em rochas estéreis. Ou pode procurar por assinaturas químicas deixadas por micróbios mortos há muito tempo – muitos micróbios fazem alterações químicas nas rochas que habitam, o que pode durar muito tempo depois que as próprias criaturas morrem.

No longo prazo, os pesquisadores de Marte de todas as especialidades estão com fome de uma missão de retorno de amostras. Um jipe-sonda poderia coletar pedras prováveis ​​e trazê-las de volta à Terra para um estudo mais detalhado.

Mas o primeiro passo é obter uma melhor compreensão dos fósseis aqui na Terra que podem imitar o que os cientistas esperam em Marte. Se os seres humanos querem procurar vida em Marte, passada ou presente, parece uma boa ideia entender mais sobre os próprios habitantes da Terra – até mesmo os mais pequeninos.

(Fonte)

Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.


Pois é, os teimosos ainda não admitem que a vida já foi encontrada em Marte pelos próprios cientistas da NASA na década de 1970, através das sondas Viking. Parece que o tema ‘vida extraterrestre’ é um tabu que não pode ser revelado para o público em geral.

Enquanto isso, gastam mais dinheiro e tempo enviando sondas para locais sem qualquer característica interessante em Marte, como se tivessem medo de encontrar vida extraterrestre.