Risco de ataque de meteoros é reavaliado por astrônomos, enquanto a Força Aérea dos EUA testa nova “barreira espacial”


As coisas estão caindo dos céus a um ritmo alarmante. Com a vindoura guerra espacial esquentando, as nações estão começando a testar todos os tipos de armas espaciais e satélites assassinos presumivelmente para ver algumas explosões radicais de gravidade zero.

Sempre que as coisas vão crescendo, no entanto, elas tendem a deixar um monte de detritos para trás e, bem, todos nós sabemos o que acontece com as coisas que sobem.

A fim de proteger os civis infelizes das inevitáveis ​​toneladas de estilhaços de satélite que caem do espaço, a Força Aérea dos EUA recentemente testou uma nova tecnologia que está chamando de ‘Space Fence‘ (Cerca Espacial). O sistema foi projetado pela Lockheed Martin e conseguiu detectar e rastrear com sucesso o campo de detritos deixado para trás quando a Índia recentemente explodiu um de seus próprios satélites apenas por diversão.

Se uma nação puder fazer isso com um de seus próprios satélites, pense no que provavelmente podemos fazer com todos os outros satélites esquisitos com nossas armas espaciais.

A Lockheed Martin não compartilha muitos detalhes sobre o sistema em seu site oficial sobre a Space Fence, a não ser que consiste de um radar de alta frequência posicionado de forma a ser capaz de rastrear com precisão as altitudes de pequenos fragmentos de lixo espacial em tempo real e “permitir a detecção de microssatélites e detritos muito menores do que os sistemas atuais”. Segundo a Lockheed Martin, a Space Fence fornecerá às espaçonaves pacíficas com melhores defesas contra detritos espaciais e “melhorará significativamente a pontualidade com que os operadores podem detectar eventos espaciais que apresentem potenciais ameaças aos satélites GPS ou à Estação Espacial Internacional.”

É claro que isso também significa que o sistema poderá rastrear melhor os satélites dos adversários, até mesmo minúsculos, como os satélites russos servem para capturar e sequestrar outros satélites maiores.

O verdadeiro propósito do sistema pode ser obtido a partir do idioma que os porta-vozes da Lockheed e da Força Aérea usam no comunicado à imprensa. O vice-presidente e gerente geral de Sistemas de Radares e Sensores da Lockheed Martin, Dr. Rob Smith, disse em um comunicado de imprensa que o Space Fence se tornará um bem inestimável à medida que as órbitas próximas da Terra se tornarem cada vez mais lotadas, permitindo que os “combatentes” sejam mais conscientes do campo de batalha espacial:

A criticidade dos recursos espaciais para a defesa nacional e para a economia mundial não pode ser subestimada. À medida que múltiplas novas mega constelações consistindo de milhares de satélites se tornam uma realidade e o domínio espacial continua a se tornar mais congestionado, a demanda por dados de consciência situacional espacial mais precisos e oportunos será da maior importância para o combatente.

O Coronel Stephen Purdy, Diretor da Diretoria de Sistemas de Superioridade Espacial do Centro de Sistemas Espaciais e de Mísseis da Base da Força Aérea de Los Angeles, ecoa o vice-presidente da Lockheed, dizendo:

O Space Fence é o mais recente de uma longa linha de recursos que estamos trazendo coletivamente para o combatente enquanto continuamos a desenvolver capacidades espaciais para os Estados Unidos.

Julgando pela maneira como os executivos da Lockheed e da Força Aérea descrevem o sistema, está claro que a Space Fence é uma ferramenta primordialmente militar que beneficiará os civis como um efeito colateral. Quero dizer, quem vai supervisionar as operações do sistema? Por que a criação da Força Espacial? A Guerra Espacial I está chegando, pessoal.

Toda essa conversa de proteger as espaçonaves contra ameaças espaciais ocorre em um momento em que a defesa planetária parece estar recebendo mais atenção do que nunca das agências governamentais. Por que o foco repentino em proteger o planeta de objetos próximos da Terra e detritos espaciais? Poderia um evento de impacto estar surgindo em nosso futuro próximo?

Uma equipe de astrônomos da University of Western Ontario acredita que sim, dizendo que o risco pode ser maior do que sabemos atualmente.

risco de ataque de meteoros
O último vídeo viral da Terra.

Em um novo estudo aceito para publicação pela Royal Astronomical Society, o cientista David Clark e os astrônomos Paul Wiegert e Peter Brown escrevem que este verão (no hemisfério norte) é o momento perfeito para analisar o risco da chuva de meteoros Taurídeos. Os Taurídeos são um dos grupos mais conhecidos de meteoros, criando chuvas de meteoros em todo outono, à medida que se depara com a Terra. Enquanto a grande maioria destes são minúsculos meteoroides menores que um grão de areia, o enxame Taurídeo tem sido suspeito de esconder asteroides ou meteoros maiores em alguns de seus ramos. O ano de 2019 está previsto para ser um dos anos mais ativos para as chuvas de meteoros Taurédeos, possivelmente até criando bolas de fogo brilhantes o suficiente para serem observadas durante o dia.

O enxame chegará a 30.000.000 km da Terra em poucos meses, permitindo aos cientistas prever melhor seu caminho no futuro.

David Clark disse:

Tem havido grande interesse na comunidade espacial desde que compartilhamos nossos resultados na recente Conferência de Defesa Planetária em Washington, DC.

Há fortes evidências meteóricas e NEO (sigla em inglês para Objetos Próximos à Terra) apoiando o enxame Taurídeo e seus potenciais riscos existenciais, mas este verão traz uma oportunidade única de observar e quantificar esses objetos.

Esses meteoros ou outros objetos próximos da Terra representam um risco maior do que o público está ciente? Poderemos descobrir em breve. Vamos esperar que a Space Fence funcione.

(Fonte)

Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.


Parece que não sou só eu quem notou a maior incidência de “ataque de meteoros” nos céus do mundo nos últimos anos. Como diz o artigo, vamos esperar…

AVISO: Todos são bem-vindos a participar da área de comentários abaixo. Contudo, os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprios autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências ou conflitos por eles causados.

Também informamos que, a fim de não causar distrações e conflitos desnecessários, comentários, avatares e pseudônimos com viés político, seja de qual ideologia for, serão prontamente apagados quando encontrados pelos moderadores. O foco dos comentários deve ser mantido no assunto de cada artigo e somente desviado quando for pertinente ao tema do OVNI Hoje.

Assim, colabore com o bom andamento dos comentários, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando comentários fora do padrão como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.