web analytics

Telescópio Hubble registra colisão de galáxias vizinhas – a nossa é a próxima!

Tempo de leitura: 2 minutos


Uma nova imagem do venerável Telescópio Espacial Hubble mostra o que acontece durante a colisão de galáxias. Isso é relevante para nós, moradores da Via Láctea, porque nossa própria galáxia deve colidir com a galáxia de Andrômeda em cerca de quatro bilhões de anos.

colisão de galáxias
Imagem do Telescópio Espacial Hubble de NGC 6052, um par de galáxias em colisão que se encontra na constelação de Hércules, a cerca de 230 milhões de anos-luz da Terra (Imagem: ©ESA / Hubble e NASA, A. Adamo et al.)

A imagem captura uma cena a cerca de 230 milhões de anos-luz da Terra, na constelação de Hércules. (Um ano-luz é a distância que a luz percorre em um ano – cerca de 10 trilhões de quilômetros.) Aqui, o Hubble amplia as galáxias em fusão, que forma um duplo objeto conhecido como NGC 6052.

Quando o NGC 6052 foi catalogado pela primeira vez em 1784 por William Herschel, ele foi classificado como uma galáxia única e irregular com uma forma estranha. Agora, no entanto, sabemos que a forma é estranha porque duas galáxias estão se unindo.

Os cientistas estudam fusões como a NGC 6052 para entender melhor a evolução galáctica e para ter uma ideia de como será nossa colisão daqui a alguns bilhões de anos. Fusões galácticas são muito comuns no universo; Sabemos, por exemplo, que Andrômeda devorou ​​um dos irmãos da Via Láctea há muito tempo. Não se espera que a colisão da Via Láctea com Andrômeda represente qualquer ameaça à Terra, porque as distâncias entre as estrelas individuais nas galáxias são tão grandes, mas os cientistas ainda estão interessados ​​na mecânica de como essas interações acontecem.

A Agência Espacial Européia (ESA) escreveu em uma descrição da nova foto. (O Hubble é uma missão conjunta da NASA e da ESA.):

‘Há muito tempo, a gravidade reuniu as duas galáxias no estado caótico que agora observamos’, escreveram

Estrelas de dentro de ambas as galáxias originais agora seguem novas trajetórias causadas pelos novos efeitos gravitacionais. No entanto, colisões reais entre as próprias estrelas são muito raras, pois as estrelas são muito pequenas em relação às distâncias entre elas – a maior parte de uma galáxia é um espaço vazio.

No final, as galáxias se fundirão para formar uma galáxia única e estável.

O Hubble foi lançado na órbita da Terra em abril de 1990. O telescópio icônico recebeu várias visitas de astronautas ao longo dos anos, para manter ou substituir seus componentes. A última visita, em 2009, instalou a Wide Field Camera 3, que obteve a nova imagem. O Hubble também capturou uma imagem do NGC 6052 com um instrumento mais antigo, Wide Field Camera 2; cientistas divulgaram essa em 2015.

Espera-se que o Hubble continue operando bem nos anos 2020. Seu sucessor, o Telescópio Espacial James Webb, de US$ 8,9 bilhões, deverá ser lançado em 2021.

(Fonte)

Colaboração: NINGUEM

Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.


Termos recém pesquisados por leitores: