web analytics

Sonda chinesa revela segredos no lado oculto da Lua

Tempo de leitura: 2 minutos


A missão chinesa Chang’e-4, a primeira a pousar no lado oculto da Lua, está revelando um dos maiores mistérios da Lua, de acordo com um novo estudo.

Sonda chinesa revela segredos no lado oculto da Lua
O local de pouso da sonda Chang’e-4.

Os pesquisadores têm tentado entender a composição do manto lunar, que existe entre a crosta e o núcleo. As crateras de impacto é como os pesquisadores podem aprender mais sobre a evolução da Lua e como ela se formou. Quando asteroides e outros objetos colidem com a Lua, a crosta é quebrada e pedaços do manto chegam à superfície. Então, o jipe-sonda Yutu-2 foi à procura de alguns desses pedaços. O estudo detalhando suas descobertas foi publicado quarta-feira (15) na revista Nature.

Durante a década de 1970, alguns astrônomos sugeriram que um oceano de magma cobria a superfície da Lua no início de sua história. Magma é o material fundido que forma rochas. Enquanto esfriava, os minerais flutuavam até o topo e os elementos mais pesados ​​afundavam. O topo formava uma crosta de basalto sobre um manto de minerais. Eles acreditavam que alguns desses minerais poderiam ser olivina e piroxena, que são encontrados nos asteroides e no manto superior da Terra.

E aprender mais sobre como a Lua evoluiu também poderia esclarecer a evolução da Terra. Em comparação com a Terra, a superfície da Lua está relativamente intocada, disseram os pesquisadores.

Li Chunlai, autor do estudo e professor dos Observatórios Astronômicos Nacionais na Academia de Ciências Chinesa, disse em um comunicado:

Entender a composição do manto lunar é fundamental para testar se um oceano de magma existiu, como postulado. Também ajuda a avançar nossa compreensão da evolução térmica e magmática da Lua.

Outro perspectiva do local de pouso da sonda chinesa.

A Chang’e-4 pousou na cratera de Von Karman no dia 3 de janeiro. Então, lançou o jipe-sonda Yutu-2. O objetivo do jipe-sonda era explorar a bacia do Pólo Sul-Aitken, a cratera mais antiga e maior do outro lado da Lua, que tem 2.000 quilômetros de diâmetro.

As amostras de dados coletadas pelo veículo no leito da bacia indicaram traços de olivina. Amostras de impactos mais profundos dentro da bacia revelaram mais olivina. Como o basalto contém ambos, os pesquisadores teorizaram que o manto poderia conter igualmente olivina e piroxena, em vez de ser dominado por um dos elementos. O jipe-sonda precisará explorar mais de seu local de pouso para entender a composição do manto, mas a primeira missão para o outro lado da Lua já está reunindo dados cruciais. Em seguida, o Yutu-2 irá coletar mais material do chão da cratera para determinar sua origem, e os pesquisadores estão analisando a possibilidade de devolver as amostras à Terra.

(Fonte)

Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta e Universo. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.


n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais.

O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS: