web analytics

DNA alienígena é criado em laboratório

Tempo de leitura: 2 minutos

* Conteúdo da matéria com veracidade comprovada, de fontes originais fidedignas. (Em se tratando de tese ou opinião científica, só pode ser garantida a veracidade da declaração da pessoa envolvida, e não o fato por ela declarado.) (Missão do OVNI Hoje)

DNA alienígena é criado em laboratório
O DNA de Hachimoji usa os quatro ingredientes informacionais do DNA regular (verde, vermelho, azul, amarelo) e quatro novos (ciano, rosa, roxo, laranja).

Os cientistas há muito sugerem que, se a vida existe além da Terra, os processos por detrás dela podem ser completamente diferentes de tudo que conhecemos. Na quinta-feira (21), pesquisadores anunciaram que conseguiram criar um sistema molecular semelhante ao DNA capaz de armazenar e transmitir informações. Não é uma forma de vida, mas o sistema genético representa o que uma alternativa à vida baseada em DNA pode se assemelhar. Isto também poderia ajudar os cientistas a ter uma imagem diferente em mente ao procurar por vida em outras partes do universo. A NASA financiou a pesquisa e as descobertas foram publicados na revista Science.

Lori Glaze, diretora interina da Divisão de Ciências Planetárias da NASA, disse em um comunicado:

A detecção de vida é uma meta cada vez mais importante das missões científicas planetárias da NASA, e esse novo trabalho nos ajudará a desenvolver instrumentos e experimentos eficazes que expandirão o escopo do que procuramos.

O DNA é como um kit de ferramentas que armazena e transmite informações vitais, passadas de um organismo vivo para seus descendentes. Os ingredientes da molécula, chamados nucleotídeos, são quatro componentes chamados adenina, citosina, guanina e timina.

De acordo com o estudo, o DNA sintético inclui esses componentes, bem como outros quatro que atuam como cópias da informação no DNA. Isso cria a estrutura de dupla hélice que trabalha para armazenar e transferir informações.

Como o DNA regular, este também pode evoluir a informação. A equipe de pesquisa das universidades dos Estados Unidos o chama de DNA hachimoji; em japonês, o nome significa ‘oito letras’.

O autor do estudo, Steven Benner, fundador da Fundação para a Evolução Molecular Aplicada em Alachua, Flórida, disse em um comunicado:

Analisando cuidadosamente os papéis da forma, do tamanho e da estrutura no DNA hachimoji, este trabalho expande nossa compreensão dos tipos de moléculas que podem armazenar informações na vida extraterrestre em mundos alienígenas,

O estudo é apenas o começo de uma conversa mais ampla sobre que tipos de sistemas genéticos poderiam apoiar a formação da vida, e onde eles poderiam existir. Mas ao estruturar algo alienígena, é um pouco mais fácil imaginá-lo vivendo em uma área que poderia ser considerada inóspita.

Por exemplo, a NASA está de olho em mundos oceânicos em nosso sistema solar, como as luas Europa e Enceladus, como pontos potenciais para a vida além da Terra. Enquanto isso, o jipe-sonda Curiosity procura evidências de vida passada em Marte.

Mary Voytek, cientista sênior de astrobiologia na sede da NASA, informou:

Incorporar uma compreensão mais ampla do que é possível em nossos conceitos de projeto de instrumentos e missão resultará em uma busca mais inclusiva e, portanto, mais eficaz para a vida além da Terra.

(Fonte)

Colaboração: Lênio


n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais.



ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprios autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado superior direito de cada comentário.

Obrigado.