Agroglifos (crop circles): O segredo pode estar na física… ou não.

Tempo de leitura: 3 min.

A seguinte informação foi extraída de uma matéria publicada no site www.ibtimes.com, um veículo de imprensa convencional do Reino Unido. Logo após, a matéria, colocamos aqui um vídeo que alega provar o fato de que não são humanos que estão fabricando estes pictogramas.  Os dois lados da história estão sendo contados neste post, assim sugerimos aos interessados que examinem todo o material apresentado, que ainda é seguido por um Editorial OVNI Hoje sobre o assunto.

Um agroglifo, ou crop circle, como é chamado em inglês, foi encontrado no Reino Unido no dia 29 de julho passado.  Tal como outros agroglifos, pouco ou quase nada se sabe sobre como, quem ou o quê o criou.  Tão misterioso quanto Stonehenge, os agroglifos continuam a ludibriar os cientistas e ovniólogos.

Os agroglifos, que são formados pelo achatamento de plantações de trigo, cevada, milho, e outros, têm sido documentados por mais de 40 anos, em mais de 20 países, mas principalmente no Reino Unido, e mais especificamente na região sul da Inglaterra.

Em julho passado, um desses agroglifos apareceu em um campo perto de Stonehenge, adicionando mistério à uma localidade que já desperta muito interesse.  Muitas pessoas acreditam que estes pictogramas possam ser o ato de alienígenas, outras que se tratam de mensagens divinas e muitos pensam se tratar de desenhos feitos por artistas humanos.  Todavia, nenhuma teoria conseguiu provar em definitivo o que estes agroglifos são, por que estão lá, ou quem os criou.

Mais de 2.000 diferentes formas foram registradas e análises matemáticas têm revelado o uso de linhas de construção invisíveis ao olho para sua criação.

Na edição deste mês de Physics World, Richard Taylor, diretor do Materials Science Institute, da Universidade de Oregon, declarou que a física e as artes estão se unindo para trabalhar na resolução dos segredos por detrás de até mesmo os mais complexos agroglifos.

De acordo com Taylor, “a física poderia potencialmente ter a resposta, com artistas de agroglifos possivelmente utilizando GPS, bem como luzes laser e microondas para criar suas obras, dispensando assim cordas, pranchas de madeira, ou banquetas de bar que tem sido tradicionalmente usados“.

Taylos sugere que microondas podem estar sendo usadas para fazer os caules das plantas se curvarem na posição horizontal; uma técnica que poderia explicar a velocidade e eficiência dos supostos artistas, bem como os incríveis detalhes que alguns agroglifos exibem.

Porém, Taylor declara que “Artistas de agroglifos não irão revelar seus segredos tão facilmente.  Este verão, artistas desconhecidos irão aventurar no campo, perto de suas casas, e executar suas obras, seguros de que estarão continuando o legado do maior movimento artístico da história, orientado à ciência“.

Parece estranho para um físico como Taylor estar estudando os agroglifos“, disse Matin Durrani, editor do Physics World, “mas ele está meramente tentando agir como qualquer bom cientista — examinando as evidências do desenho e construção dos agroglifos, sem exagerar…

Rob Dickinson e John Lundberg são artistas conhecidos de agroglifos, os quais residem no Reino Unido. Eles escreveram em seu site:

Como nossa perspectiva única de conhecedores do fenômeno dos agroglifos, sabemos que a pesquisa dos mesmo tem sido centrada em crenças, ao invés de evidência empírica.  Sem estudar os detalhes das declarações de um pesquisador, este é um ponto difícil de demonstrar, quanto mais apresentá-lo de forma clara na mídia.

Durante o verão de 2000 a mídia focou nas conclusões do pesquisador de agroglifos Colin Andrews, de que 80% destes pictogramas eram feitos pelo homem e que 20% eram um produto de algum tipo de energia magnética.  Colin apareceu em quase todos os canais de TV e rádio, muitas vezes com nossa argumentação de que as estimativas dele eram somente isso mesmo… estimativas sem prova substancial, ou evidência.

Andrews apresentou informações erradas para apoiar suas crenças e para aumentar sua importância e conhecimento aparente no assunto.  No caso de Andrews, a mídia aceitou suas declarações com pouca desconfiança ou análise, e suas crenças foram projetadas como fatos científicos por todo o globo“.

Andrews respondeu:
Eu coloquei minha reputação, profissão e casamento em jogo na tentativa de resolver este enigma.  Neste momento eu provei para mim mesmo que vocês e seus amigos são responsáveis por pelo menos 80% deste enigma e se vocês estão orgulhosos disso, então que assim seja.  Eu estou orgulhoso de ter sido honesto em minhas conclusões.  O percentual que apresentei também não me fez ficar amigo daqueles que querem acreditar que tudo vem dos ETs, etc.
Eu espero ansioso pelo dia em que vocês tornarão o meu trabalho mais fácil , bem como o trabalho de outros pesquisadores sérios, e apresentem [em seu site] todas as formações que fizeram e as chamaram de arte feita pelo homem, sem toda esta enganação e sem arrumarem encrencas”.

Fonte: www.ibtimes.com

Isto sendo posto, segue um vídeo em espanhol intitulado “OVNIs Pegos pela Primeira Vez Gerando Agroglifos“, para que vejam o outro lado da moeda:

http://www.youtube.com/watch?v=29Wo2uA3XcA

Fonte do vídeo: realvworld2

—————–

EDITORIAL:

Um fato permanece: Apesar da maioria destes pictogramas serem obviamente de fabricação humana (seja pela irregularidade dos desenhos, pela quebra dos caules das plantas, ou pelos rastros deixados para trás após a noitada artística) alguns deles realmente ainda se mantém um mistério.  E foi exatamente este fato que levou o físico Richard Taylor a lançar sua tese de que humanos estariam utilizando equipamento científico de última geração para produzirem suas obras de arte.

Contudo, devemos lembrar que nos agroglifos mais bem elaborados nenhuma pegada humana foi deixada para trás antes de terem sido descobertos pelos fazendeiros, ou até mesmo por pilotos que voavam pela área.  Assim, só nos resta a conclusão de que os caules das plantas teriam sido dobrados por microondas projetadas a partir de uma grande distância, se foi essa mesma a tecnologia usada.

Mas se este for o caso, então há muitas perguntas que devemos indagar.  Quanta energia seria necessária para executar este feito e que artista teria a quantia de dinheiro necessária para comprar tal equipamento, sem qualquer retorno financeiro pela obra executada?

Pode até ser que Rob Dickinson e John Lundberg façam parte desta legião de humanos que dominam esta arte secreta e que investiram no equipamento necessário, produzindo estes pictogramas sem receber por isso, desenhando-os somente pelo seu bel-prazer.

Uma coisa é certa: falar é fácil, executar são outros quinhentos.  Desta forma, enquanto eles e outros não provarem definitivamente e ao vivo que podem produzir estes desenhos complexos da noite para o dia, com figuras geométricas de precisão computacional e com caules de plantas dobradas sem quebra e ainda deixando para trás radiação e não pegadas, eu defenderei a minha posição de que os agroglifos ainda são um grande mistério.

n3m3

 

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.