Antigo artefato ritual encontrado poderá revelar segredos do espaço profundo

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 3 min.

Um misterioso artefato antigo poderá ajudar a revelar o paradeiro de uma estrela que explodiu como supernova há milhares de anos e não é mais visível.

À direita da imagem está a face frontal do disco de pedra, com a posição das marcas do cinzel indicadas por círculos pretos. As marcas do cinzel correspondem às posições das estrelas no céu noturno. Crédito da imagem: INAF

O artefato, encontrado na Itália, é um disco de pedra com gravuras que os pesquisadores acreditam formar um mapa celestial do céu noturno, segundo estudo publicado na revista Astronomische Nachrichten.

No estudo, os investigadores identificaram várias gravuras no disco que, segundo eles, correspondem precisamente às localizações de grupos de estrelas visíveis no céu noturno.

Curiosamente, a pedra “ritual” pode representar um dos mapas celestes mais antigos, se não o mais antigo, já descobertos, segundo os cientistas, embora sejam necessárias mais pesquisas para compreender melhor a natureza do objeto.

A pedra, que tem aproximadamente o tamanho de um pneu de carro, foi encontrada no local de um antigo forte em Rupinpiccolo, no nordeste da Itália. Esses tipos de assentamentos históricos são geralmente protegidos por enormes muros de pedra e são hoje conhecidos como castellieri.

O castelliere Rupinpiccolo parece ter sido usado como fortificação entre 1800/1650 a.C. e 400 a.C. Embora não esteja claro exatamente a idade da pedra, é provável que o disco seja de alguma época deste período, o que significa que tem pelo menos 2.400 anos.

Pedra entalhada à mão

Segundo os pesquisadores, o disco de pedra apresenta marcas de cinzel feitas pela mão humana e não parece estar distribuído aleatoriamente. Embora estejam distribuídos irregularmente, todos possuem uma orientação comum, sugerindo que foram gravados pela mesma pessoa, que provavelmente utilizou algum tipo de cinzel rudimentar.

No total, os pesquisadores identificaram 29 marcas: 24 de um lado da pedra e cinco do outro. Curiosamente, os cientistas conseguiram usar software para mapear essas marcações para grupos específicos de estrelas nas constelações de Escorpião, Órion e Cassiopeia, bem como para o aglomerado de estrelas conhecido como Plêiades, com base em como elas apareceram no céu durante o período em que o castelliere em Rupinpiccolo estava em uso.

Os investigadores determinaram que era altamente improvável que as marcas estivessem dispostas dessa forma por puro acaso, dada a precisão com que correspondiam à distribuição das respetivas estrelas.

No entanto, um dos marcos, localizado ligeiramente a norte de Orion, revelou-se problemático porque os cientistas não conseguiram identificá-lo no céu noturno atual.

Representava uma supernova

A marca não identificável é semelhante às outras e, portanto, provavelmente foi feita propositalmente. Para explicar isto, os investigadores sugerem que poderia representar uma estrela no aglomerado de Órion que estava presente no momento em que a pedra foi esculpida, mas que mais tarde produziu uma supernova (explosões cataclísmicas que ocorrem quando estrelas enormes morrem) ou, mais provavelmente, uma supernova falida.

Neste último caso, uma estrela acende repentinamente como no estágio inicial de uma supernova, mas o processo não ocorre normalmente. Acredita-se que as supernovas fracassadas deixam buracos negros como remanescentes.

Se a marca na pedra representar uma supernova falhada, o buraco negro remanescente não seria visível hoje, mas poderia ser detectado por observações astronômicas modernas.

Os autores do estudo escreveram:

“O caso de uma supernova fracassada é realmente intrigante, pois uma das técnicas para procurá-la é justamente procurar estrelas perdidas no céu atual, usando imagens tiradas em épocas anteriores. Esta possibilidade oferece uma forma de verificar a interpretação proposta.”

Os pesquisadores pedem mais estudos para avaliar a interpretação proposta, o que esclareceria o significado do disco de pedra.

Os autores da pesquisa disseram:

“Consideramos esta interpretação como uma sugestão e solicitamos mais estudos e buscas por outras evidências astronômicas na civilização castellieri para evitar interpretações fantasiosas. A descoberta dos restos de uma supernova falhada numa posição de referência não identificada a norte de Betelgeuse confirmaria a nossa leitura.”

O mapa celestial mais antigo descoberto

A data exata de fabricação do disco de pedra ainda não foi determinada. Mas dado que tem provavelmente pelo menos 2.400 anos, a pedra pode muito bem ser um dos mapas celestes mais antigos já descobertos.

A data mais antiga possível para o disco é por volta de 1800 a.C., mas mesmo considerando a última data de 400 a.C., a representação do céu na pedra ainda é muito antiga se comparada a achados semelhantes.

A representação mais antiga conhecida do céu é possivelmente o Disco de Nebra, um artefato de bronze encontrado na Alemanha que data de cerca de 1600 a.C. e contém características geralmente interpretadas como objetos astronômicos. Mas alguns pesquisadores argumentam que o disco é mais uma representação simbólica do que um mapa astronômico preciso. Mapas celestes “fiéis” geralmente não aparecem até por volta do século I a.C., pelo menos alguns séculos após a última datação do disco Rupinpiccolo.

Muito pouco se sabe sobre a população que vivia no forte de Rupinpiccolo, mas os pesquisadores sugerem que o disco pode ter ajudado a rastrear a mudança das estações. Portanto, poderia ter sido utilizado para determinar o momento adequado para as tarefas agrícolas, das quais dependeria a sobrevivência do castelliere.

(Fonte-CO)


…E não esqueça: Nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui para acessá-la.

ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

IMPORTANTE: Se puder, colabore para manter o OVNI Hoje no ar, pois cada doação, por menor que seja, é crucial para manter este espaço de informação e conhecimento disponível para todos os interessados. Ao utilizar o QR code do PIX abaixo ou a chave PIX “OVNIHoje” (sem aspas), você está desempenhando um papel fundamental na sustentação deste site.

Lembre-se que as doações não são apenas um ato de generosidade, mas também uma demonstração do seu compromisso em apoiar o compartilhamento de informações relevantes e o crescimento da comunidade interessada em assuntos tão fascinantes, possibilitando a continuação das pesquisas, análises e publicações que enriquecem nosso entendimento.

Seja parte deste movimento contínuo em prol do conhecimento. O OVNI Hoje e seus leitores agradecem sinceramente por seu apoio dedicado.

Agradecimentos aos colaboradores do mês: Edward Vaz Jr. ❤️ Silas Raposo ❤️ Franklin Viana ❤️Leopoldo Della Rocca ❤️

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:


arqueologiaastronomia
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.