Poderia um míssil nuclear salvar a Terra de um asteroide assassino?

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 2 min.

Os cientistas desenvolveram uma nova ferramenta de modelagem para ajudar a simular os efeitos de um dispositivo nuclear em um grande asteroide.

Credito da imagem ilustrativa: n3m3/Leonardo.ai

No filme de desastre de Michael Bay, ‘Armageddon‘, de 1998, Bruce Willis usa uma bomba nuclear para desmembrar um asteroide que teria causado uma devastação indescritível se tivesse realmente atingido a Terra.

Mas será que algo assim poderia realmente ser feito na vida real?

Os cientistas brincaram com a ideia de usar armas nucleares para fins de defesa planetária durante anos, mas tem sido difícil determinar exatamente o que aconteceria se tal dispositivo fosse detonado na (ou abaixo) da superfície de um grande objeto lançado em direção ao nosso planeta.

Agora, porém, pesquisadores do Laboratório Nacional Lawrence Livermore (LLNL) desenvolveram uma nova ferramenta de modelagem computacional capaz de simular uma detonação nuclear em um asteroide que se aproxima.

Os dados que fornece, em conjunto com os dados devolvidos pela recente missão Double Asteroid Redirection Test (DART) da NASA, poderão um dia ajudar a salvar-nos a todos de um impacto cataclísmico.

A líder do estudo, Mary Burkey, disse:

“Se tivermos tempo de alerta suficiente, poderemos potencialmente lançar um dispositivo nuclear, enviando-o a milhões de quilômetros de distância para um asteroide que se dirige em direção à Terra.

Deveríamos então detonar o dispositivo e desviar o asteroide, mantendo-o intacto, mas proporcionando um empurrão controlado para longe da Terra, ou poderíamos perturbar o asteroide, quebrando-o em pequenos fragmentos em movimento rápido que também não atingiriam o planeta.”

Em última análise, são as informações fornecidas por essa ferramenta de modelagem que poderiam fazer a diferença entre encontrar uma solução viável e lançar uma missão que não conseguiria parar o asteroide.

Quanto mais dados tivermos e mais sofisticada for a simulação, maiores serão as nossas chances.

Megan Bruck Syal, chefe de defesa planetária do LLNL, disse:

“Embora a probabilidade de um grande impacto de asteroide durante a nossa vida seja baixa, as consequências potenciais podem ser devastadoras.”

(Fonte)


…E não esqueça: Nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui para acessá-la.

ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

IMPORTANTE: Se puder, colabore para manter o OVNI Hoje no ar, pois cada doação, por menor que seja, é crucial para manter este espaço de informação e conhecimento disponível para todos os interessados. Ao utilizar o QR code do PIX abaixo ou a chave PIX “OVNIHoje” (sem aspas), você está desempenhando um papel fundamental na sustentação deste site.

Lembre-se que as doações não são apenas um ato de generosidade, mas também uma demonstração do seu compromisso em apoiar o compartilhamento de informações relevantes e o crescimento da comunidade interessada em assuntos tão fascinantes, possibilitando a continuação das pesquisas, análises e publicações que enriquecem nosso entendimento.

Seja parte deste movimento contínuo em prol do conhecimento. O OVNI Hoje e seus leitores agradecem sinceramente por seu apoio dedicado.

Agradecimentos aos colaboradores do mês: Edward Vaz Jr. ❤️ Silas Raposo ❤️ Danilo Tercariol ❤️

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:


asteroidemíssil nuclearperigo no espaçoTerra
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.