Ex-militar dos EUA viu entidades não humanas em seu quarto após encontro com OVNI

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 5 min.

O evento do OVNI Gimbal permanece como um pilar significativo para o desacobertamento dos OVNIs, apresentando denunciantes militares dos EUA que afirmam ter testemunhado os fenômenos que descrevem como “não humanos”.

Crédito da imagem ilustrativa: n3m3/Bing/DALL-E

Em 2017/18, o Departamento de Defesa dos EUA lançou três vídeos importantes sobre OVNIs que desencadearam discussões generalizadas na comunidade OVNI, gerando investigações sobre as informações mantidas pelo governo dos EUA a respeito desses fenômenos.

Esses vídeos capturam encontros com OVNIs ocorridos em novembro de 2004 e dois incidentes separados ocorridos em janeiro de 2015, cada um identificado por apelidos distintos: Flir (2004), Go Fast (2015) e Gimbal (2015). Eles retratam pilotos rastreando objetos não identificados no céu. Entre estes, a famosa filmagem do OVNI “Gimbal” de 2015 foi gravada por pilotos de caça dos EUA perto do porta-aviões nuclear USS Theodore Roosevelt, quando um objeto não identificado apareceu no seu radar. Apesar dos pilotos mencionarem: “Há toda uma frota deles, olhe para a SA”, a filmagem mostra apenas um único objeto misterioso no centro do quadro.

Além de Ryan Graves, ex-tenente da Marinha dos EUA e piloto de F/A-18F, há outro denunciante menos discutido que vivenciou o famoso evento de OVNI Gimbal. Matthew Roberts, um ex-criptologista da Marinha dos EUA com 16 anos de serviço, compartilhou sua experiência e encontros com entidades não humanas durante a série “Encounters” da Netflix. Ele esteve presente no USS Theodore Roosevelt em 2015, durante um evento envolvendo a agora famosa “filmagem do Gimbal”.

Depois de participar de várias missões militares e ensinar outros especialistas em código enquanto trabalhava em terra, Matthew Roberts mudou-se para o Escritório de Inteligência Naval (de sigla em inglês, ONI) por três anos. A passagem pela ONI terminou em março de 2020, altura em que optou por abandonar o serviço militar, embora estivesse perto de se reformar dentro de quatro anos. O motivo da saída foram as experiências intensas e pessoais que teve com fenômenos aéreos não identificados enquanto estava no ONI, sobre as quais escreve em seu livro intitulado “Initiated“.

Roberts descreveu sua reação inicial às imagens do Gimbal:

“Eu estava assistindo a essas imagens e não consegui ver nenhum tipo de superfície de aviação que você esperaria ver – asas, cauda, ​​lemes. Não há nada disso.”

Ele se esforçou para compreender o movimento não convencional do objeto, afirmando:

“Eu realmente não conseguia entender porque essa coisa estava no ar daquele jeito.”

Ao observar o vídeo mais de perto, Roberts percebeu algo importante:

“Eu sabia que não pertencia a nós nem a ninguém. Então, acho que a única outra possibilidade é que seja tecnologia proveniente de inteligência não-humana.”

Dada a sua função confidencial e o acesso a informações confidenciais, Roberts estava ciente de que tais encontros não eram incidentes isolados para a Marinha:

“Eu estava ciente de que este não era um evento único para a Marinha. Essas coisas acontecem com frequência, o tempo todo, indo contra o vento.”

Roberts confessou ter ficado cativado pela filmagem, assistindo-a obsessivamente. Apesar do seu acesso a informações confidenciais, ele não tinha conhecimento das ações tomadas pela cadeia superior de comando em relação a esses encontros.

Em 2017, após ser transferido para o Gabinete de Inteligência Naval, Roberts afirmou ter tido experiências subsequentes com o que descreveu como entidades não humanas. Ele contou sobre encontros perturbadores em que acordava sentindo seu corpo sendo movido pela cama e experimentando uma mão agarrando seu braço. Roberts acreditava que esses encontros eram evidências de inteligência não humana.

Ele diz:

“Em 2017, mudei para o Gabinete de Inteligência Naval, onde iria trabalhar como analista. Pouco depois de chegar lá, comecei a ter experiências relacionadas ao fenômeno. Foi como começar a ver entidades não-humanas no meu quarto à noite. Eu acordava várias vezes por semana, sentindo meu corpo deslizar pela cama, e sabia que eles estavam me levando.

Uma vez, acordei porque senti uma mão agarrar meu braço. Tentei levar as mãos ao rosto, mas não consegui me mover. Eu podia ver o contorno de uma figura sombria com um torso, dois braços e uma cabeça acima de mim.

Quando eu estava na Marinha e vi a filmagem, já sabia que havia algo não-humano por aí. Então, quando essas entidades começaram a aparecer no meu quarto, eu sabia que tudo isso era real. Tive o conforto de saber que não estava enlouquecendo; eu entendi o que era.

Há muitas evidências de sensores e radares. Acredito que se eles simplesmente divulgassem todas as imagens e dissessem: ‘Ei, é isso que temos, nem precisamos explicar, não sabemos’, não haveria dúvidas se o fenômeno é real. . Todo mundo saberia disso.”

O relato de Roberts fornece uma perspectiva única sobre o fenômeno OVNI, combinando sua formação militar, acesso a informações confidenciais e experiências pessoais com o que ele acredita serem entidades não humanas.

Mick West, conhecido por desmascarar os OVNIs, forneceu sua explicação para os objetos: argumentando que coisas mundanas – falhas tecnológicas, brilho de câmera, balões e pássaros – são mais prováveis ​​do que alienígenas. No entanto, o jornalista Daniel Lavelle perguntou a Matthew Roberts sobre a teoria de West, ao que Roberts respondeu educadamente:

“Todas as aeronaves – a nível nacional, internacional – têm de transmitir quem são. Se eles não estão transmitindo isso, então isso é muito incomum. Mick West, Deus abençoe sua alma, nunca esteve no ramo militar.”

No Reddit, Roberts descreveu as entidades não humanas:

“Eu vi algumas que tinham pele azul e eram altas. Vi uns brancos muito altos que lembravam Jack Skellington (Jack Esqueleto). Eu vi um que parecia um gnomo de quintal. Eu vi alguns que pareciam irradiar luz branca. Não sei de onde eles eram, eles nunca revelaram isso.”

Matthew Roberts explica que nunca tentou filmar nenhum dos encontros com entidades não humanas em seu quarto. Quando questionado se considera montar um aparelho de gravação, ele menciona que esses encontros muitas vezes acontecem quando os indivíduos estão em estado alterado ou quando as entidades aparecem no céu com uma nave, convenientemente quando a pessoa não está com o celular.

Ele considerou registrar as experiências, mas decidiu não fazê-lo. Ele raciocina que isso não convenceria a todos, pois alguns podem pensar que ele fingiu. Roberts acredita que o argumento sobre a autenticidade de quaisquer imagens ofuscaria o ponto principal, que é encorajar as pessoas a procurarem e a terem as suas próprias experiências com a consciência. Ele enfatiza que não precisa que as pessoas acreditem nele; em vez disso, ele quer que outros explorem a consciência em primeira mão.

Roberts afirma que a verdade dessas experiências foi documentada durante milhares de anos por vários indivíduos, citando autores como William Walker Atkinson, Mabel Collins, Joseph Campbell, Dr. John Mack e Dr. Robert Moore. Ele desafia a noção de que poderia ter orquestrado a maior farsa da história da humanidade, sugerindo que pode haver algo genuinamente significativo nestas experiências.

Ele aponta para a riqueza de evidências disponíveis para aqueles que desejam examiná-las, citando um podcast de Mark Gober chamado “Where is My Mind”, onde cientistas talentosos discutem seu trabalho sobre a consciência. Roberts acredita que compreender a consciência que sobrevive à morte é um aspecto crucial da nossa existência, mencionando o Instituto Bigelow de Estudos da Consciência (BICS) e os prêmios substanciais oferecidos por evidências de consciência após a morte.

Ele sugeriu que essas entidades parecem ter um nível significativo de controle sobre as experiências que as pessoas têm, o que contribui para que alguns indivíduos percebam esses encontros como malévolos ou maus. Ele reconheceu que muitas pessoas que investem tempo e dinheiro na recolha de provas destes fenómenos muitas vezes acabam sem resultados conclusivos.

Ao destacar a raridade de provas tangíveis, Roberts mencionou um caso particular envolvendo Peter Khoury, onde alegadamente havia algumas provas de DNA. No entanto, ele não entra em detalhes sobre as especificidades desse caso.

Roberts partilhou que as suas experiências conscientes com estas entidades começaram no final de 2017 e continuaram até à primavera de 2018. Durante este período, ele afirmou ter sido levado várias vezes por semana. Ele relata casos de paralisia do sono quando criança, onde sentiu uma presença pesada e ouviu sussurros. Ele mencionou um incidente específico quando era menino, enrolando-se firmemente em um cobertor para evitar que as entidades sussurrassem em seu ouvido, prática que mais tarde ele lembrou e replicou quando adulto.

Em seu livro, Roberts adota uma “abordagem mitopoética da intrusão alienígena”, traçando paralelos entre suas experiências e mitos, textos religiosos e a Jornada do Herói descrita por Joseph Campbell. Ele acredita que nesses encontros, os indivíduos passam por um processo transformativo, semelhante ao ciclo de morte e ressurreição, que acaba levando a uma mudança em si mesmo.

Por causa das experiências intensas que teve, Matthew Roberts decidiu abandonar o emprego militar. Ele então estudou psicologia para aprender mais sobre a mente e as emoções relacionadas aos fenômenos OVNIs. Ele também está trabalhando em outro livro que explica como sua forma de pensar influenciou as experiências inusitadas pelas quais passou.

(Fonte)

Colaboração: MaryH


…E não esqueça: Nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui para acessá-la.

ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

IMPORTANTE: Se puder, colabore para manter o OVNI Hoje no ar, pois cada doação, por menor que seja, é crucial para manter este espaço de informação e conhecimento disponível para todos os interessados. Ao utilizar o QR code do PIX abaixo ou a chave PIX “OVNIHoje” (sem aspas), você está desempenhando um papel fundamental na sustentação deste site.

Lembre-se que as doações não são apenas um ato de generosidade, mas também uma demonstração do seu compromisso em apoiar o compartilhamento de informações relevantes e o crescimento da comunidade interessada em assuntos tão fascinantes, possibilitando a continuação das pesquisas, análises e publicações que enriquecem nosso entendimento.

Seja parte deste movimento contínuo em prol do conhecimento. O OVNI Hoje e seus leitores agradecem sinceramente por seu apoio dedicado.

Agradecimentos aos colaboradores do mês: Edward Vaz Jr. ❤️ Silas Raposo ❤️ Danilo Tercariol ❤️

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:


Abdução alienígenadesacobertamento dos OVNIsMatthew RobertsOVNIsUAPUFOs
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.