Descoberta de extraterrestres oferece benefícios; não é um risco existencial

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 4 min.

Em 2010, Stephen Hawking alertou que os alienígenas podem representar um risco existencial para a humanidade e que, portanto, devemos ter cuidado ao transmitir nossa existência ao espaço interestelar.

Por Avi Loeb
Seis anos depois, hospedei Hawking para um Sêder de Pessach em minha casa. No entanto, isso foi um ano antes do objeto interestelar anômalo `Oumuamua ser descoberto em 2017, o mesmo ano em que me interessei pela possível passagem de objetos tecnológicos extraterrestres perto da Terra.

Depois de pensar sobre esse tópico nos últimos seis anos desde a descoberta das anomalias de `Oumuamua, agora discordo respeitosamente de Hawking sobre esse assunto.

Primeiro, nossa ciência e tecnologia modernas têm apenas um século de idade. Os princípios básicos da Mecânica Quântica, que estabelecem a base para nossos dispositivos eletrônicos, tecnologia de computador e inteligência artificial (IA), foram descobertos há apenas um século. Este período representa apenas uma parte em cem milhões da idade típica de exoplanetas habitáveis ​​na Via Láctea.

É improvável que outras civilizações estejam sincronizadas com a precisão de um século com nossa fase de desenvolvimento tecnológico porque suas estrelas se formaram bilhões de anos antes do Sol. Se estivessem buscando recursos terrestres, teriam chegado à Terra muito antes de desenvolvermos nossa ciência moderna. Além disso, ainda não os alcançamos e, ao nos alcançar primeiro, eles demonstrariam que estão mais avançados em seu progresso tecnológico. De uma perspectiva cósmica, é provável que tenham se beneficiado de milhares, milhões ou mesmo bilhões de anos de progresso científico. A espaçonave lenta que eles lançaram no início foi ultrapassada e superada em número por sondas avançadas que eles fabricaram posteriormente.

Dadas essas circunstâncias cósmicas, extraterrestres avançados não seriam ameaçados por nosso conhecimento científico atual. Nossa espécie pareceria tão insignificante quanto uma colônia de formigas na fenda de uma calçada aparecendo aos olhos de um motociclista veloz.

Como as tecnologias extraterrestres provavelmente serão muito mais avançadas, podemos nos beneficiar muito ao encontrá-las. Por esse motivo, devemos procurar proativamente por sondas tecnológicas próximas à Terra como uma oportunidade de aprendizado sobre nossos vizinhos cósmicos. Esta é a lógica por trás do Projeto Galileo que eu lidero. A equipe do projeto montou um novo observatório na propriedade da Universidade de Harvard, que já está fornecendo novos dados que o software de IA está analisando em busca de objetos tecnológicos extraterrestres próximos à Terra. Também planejamos uma expedição para estudar a composição dos fragmentos que sobraram do primeiro meteoro interestelar, o IM1, que foi mais resistente que todos os outros meteoros do catálogo CNEOS da NASA, inclusive os de ferro.

Um encontro com uma forma superior de tecnologia extraterrestre ofereceria à humanidade a oportunidade de adquirir novos conhecimentos científicos que vão além do que aprendemos no século passado. Também nos forneceria um vislumbre de nosso próprio futuro tecnológico, oferecendo um salto quântico se formos sábios o suficiente para importar seu conteúdo inovador para nossa vida terrestre. Ao usarem nossos próprios sistemas de IA para interpretar sondas de IA extraterrestres, os empreendedores poderiam fabricar novos produtos em nossa economia futura. No mínimo, nossos próprios sistemas de IA podem aprender a imitar os astronautas extraterrestres da IA, dando ao tradicional “jogo de imitação” de Alan Turing um novo significado. A descoberta de visitantes interestelares também pode inspirar novas aspirações dos humanos para viagens espaciais interestelares.

Em segundo lugar, minha opinião sobre a ‘sobrevivência do mais apto’ no espaço interestelar favorece uma espécie sábia, em busca da paz e exploradora do espaço, porque as versões agressivas ou militaristas provavelmente serão feridas por conflitos e, portanto, terão uma vida útil mais curta.

Encontrar um vizinho pacífico seria um momento de aprendizado para nós. Podemos nos lembrar das palavras de John Lennon: “Imagine todas as pessoas vivendo a vida em paz” e optar por realocar nosso atual orçamento militar global de 2 trilhões de dólares por ano para a exploração espacial, permitindo-nos enviar dezenas de bilhões de sondas em direção a todas as estrelas da Via Láctea até o final do século XXI. Os exploradores espaciais mais bem-sucedidos dos bilhões de exoplanetas habitáveis ​​do tamanho da Terra poderiam ter alcançado esse objetivo até agora. A maioria das estrelas semelhantes ao Sol se formou bilhões de anos antes do Sol, e leva menos de um bilhão de anos para uma sonda interestelar usando propulsão química, como a Voyager 1, Voyager 2, Pioneer 10, Pioneer 11 e New Horizons, viajar através do disco de estrelas na Via Láctea.

A questão de saber se vivemos em uma realidade onde sondas interestelares estão visitando o sistema solar interno pode ser respondida olhando através de nossos telescópios, da maneira como Galileu Galilei percebeu que a Terra não está no centro do Universo. Confirmar que sim removeria qualquer centralidade que atribuímos às nossas conquistas tecnológicas no Universo.

Com base em nossa própria espaçonave, a maioria das sondas interestelares provavelmente será menor que um campo de futebol, do tamanho de `Oumuamua. Esses pequenos objetos seriam muito fracos para nossos telescópios de pesquisa, inclusive o futuro Observatório Vera C. Rubin, detectá-los a partir de seu reflexo da luz solar dentro da separação Terra-Sol. Sondas com propulsão não convencional podem não ser detectáveis ​​porque estão se movendo muito rápido, potencialmente até uma fração da velocidade da luz. O projeto Starshot, do qual presido o conselho científico e que Hawking celebrou em seu discurso de 2016 em minha casa, visa fazer exatamente isso. Quaisquer sondas do tipo Starshot movendo-se pelo sistema solar em velocidades semi-relativísticas seriam perdidas pelo software atual empregado pelos astrônomos para monitorar nosso céu.

Ao todo, tenho a visão otimista de que encontrar sondas extraterrestres promoveria nosso conhecimento científico e, por meio disso, avançaria nosso status na classe das civilizações inteligentes. O telescópio Webb nos mostra que o céu está cheio de estrelas e galáxias em todas as direções, com muitos hubs potenciais para vizinhos.

E também há benefícios sociais para encontros extraterrestres. Reconhecer crianças mais inteligentes em nossa vizinhança cósmica deve nos convencer de que as diferenças entre nós, terráqueos, são insignificantes e devemos tratar uns aos outros como membros iguais da espécie humana. Talvez isso finalmente nos leve a realizar o desejo de Lennon. Esperamos que a busca pela terceira dimensão do espaço nos traga mais sabedoria do que a exibida por nossa contundente história de guerras na superfície bidimensional da rocha que chamamos de Terra.

Talvez eu seja ingênuo, mas acredito que a vida costuma ser uma profecia autorrealizável. Se não buscarmos novos conhecimentos, nunca os encontraremos. E se não imaginarmos um relacionamento mutuamente benéfico com nossos vizinhos, perderemos a oportunidade de nos beneficiar deles. No meu próximo livro Interestelar, descrevo como nosso futuro pode ser melhor do que nosso passado, graças à inspiração que extraímos dos extraterrestres. Cabe a nós imaginar a prosperidade científica em vez do terror no futuro da humanidade.

(Fonte)

Avi Loeb é o chefe do Projeto Galileo, diretor fundador da Black Hole Initiative da Harvard University – , diretor do Institute for Theory and Computation no Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics e ex-presidente do departamento de astronomia da Harvard University (2011 -2020). Ele preside o conselho consultivo do projeto Breakthrough Starshot e é ex-membro do Conselho de Assessores do Presidente em Ciência e Tecnologia e ex-presidente do Conselho de Física e Astronomia das Academias Nacionais.


…E não esqueça: Nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui para acessá-la.

ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

IMPORTANTE: Se puder, colabore para manter o OVNI Hoje no ar, pois cada doação, por menor que seja, é crucial para manter este espaço de informação e conhecimento disponível para todos os interessados. Ao utilizar o QR code do PIX abaixo ou a chave PIX “OVNIHoje” (sem aspas), você está desempenhando um papel fundamental na sustentação deste site.

Lembre-se que as doações não são apenas um ato de generosidade, mas também uma demonstração do seu compromisso em apoiar o compartilhamento de informações relevantes e o crescimento da comunidade interessada em assuntos tão fascinantes, possibilitando a continuação das pesquisas, análises e publicações que enriquecem nosso entendimento.

Seja parte deste movimento contínuo em prol do conhecimento. O OVNI Hoje e seus leitores agradecem sinceramente por seu apoio dedicado.

Agradecimentos aos colaboradores do mês: Edward Vaz Jr. ❤️ Silas Raposo ❤️ Franklin Viana ❤️Leopoldo Della Rocca ❤️

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:


alienígenasAvi LoebextraterrestresOpinião
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.