Até 2023, serão publicados dados do Projeto Galileo de busca por alienígenas

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 2 min.
Ouça este artigo...

O professor da Universidade de Harvard, Avi Loeb, é um dos especialistas altamente qualificados que procura vida extraterrestre. Ele disse que seu Projeto Galileo em breve compartilhará seus resultados com o público.

O cientista afirma que até 2023 o projeto Galileo publicará todos os seus dados sobre objetos naturais, artificiais e extraterrestres.

Dr. Loeb é o primeiro astrônomo a desafiar toda a comunidade científica acreditando que existem objetos interestelares de origem extraterrestre na Terra e no sistema solar.

Ele afirmou recentemente que os pesquisadores acabam de receber financiamento total do Projeto Galileo para coletar fragmentos do primeiro meteorito interestelar “CNEOS 2014-01-08” (IM1) que caiu no fundo do Oceano Pacífico perto de Papua Nova Guiné.

Mas o que inspirou Loeb a lançar o Projeto Galileo?

A resposta está nos dados científicos que ele coletou enquanto investigava três eventos astronômicos: o meteorito CNEOS de 2014-01-08 (IM1), o asteroide ‘Oumuamua e um cometa interestelar.

O professor está convencido da origem extraterrestre dos dois primeiros objetos, já que os dados obtidos pelos astrônomos se mostraram muito incomuns.

Loeb apresentou duas versões. O meteorito IM1 é de origem natural, ou é artificial, criado por uma civilização extraterrestre tecnicamente avançada.

Quanto à primeira versão, um estudo de raios-X dos restos da supernova Vela mostrou fragmentos de matéria voando para fora do local da explosão. Talvez IM1 fosse um daqueles fragmentos, mais fortes que meteoritos de ferro comuns, que saíram de uma estrela em explosão.

De acordo com a segunda versão, poderia ser uma nave espacial, algo como uma antiga sonda interestelar. Como exemplo, o professor se refere às espaçonaves Voyager 1 e 2, que já deixaram o sistema solar.

Se de repente eles atingirem algum exoplaneta habitável, os cientistas locais provavelmente os confundirão com detritos espaciais queimados na atmosfera. No entanto, se estudarem sua composição, entenderão que é de origem artificial.

O objeto que o Dr. Loeb está procurando, chamado CNEOS 2014-01-08, foi descoberto em 2014 por uma rede de satélites usada para detectar asteroides potencialmente perigosos. Usando dados divulgados pela NASA, Loeb e o estudante astrofísico Amir Siraj em 2019 sugeriram pela primeira vez que o objeto veio de fora do sistema solar.

Loeb disse:

“Ele estava se movendo muito rápido, cerca de 40 quilômetros por segundo, e então explodiu na atmosfera mais baixa.”

O cientista acredita que o objeto estava se movendo muito rápido, já que a gravidade do Sol não poderia dar a ele uma velocidade tão alta.

Loeb confirmou que o projeto Galileo começou a testar um conjunto de ferramentas que permitirão a observação do céu e a análise de dados usando algoritmos de inteligência artificial.

O professor afirmou que o projeto tentará criar um fluxo de dados de alta qualidade, aberto ao público e que qualquer pessoa possa acessá-lo.

Loeb diz que espera coletar uma “imagem de alta resolução” de um OVNI nos próximos dois anos, de acordo com uma nova entrevista ao jornal The Guardian.

Loeb disse ao jornal:

“Eu realmente quero que a próxima geração seja livre para discutir isso e que se torne parte da corrente principal. Minha esperança é que, ao obtermos uma imagem de alta resolução de algo incomum, ou encontrar evidências para isso, o que é bem possível no próximo ano ou dois, vamos causar uma mudança.”

(Fonte)


ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

Apoie o OVNI Hoje: Cada Doação é Essencial!

Agradecimentos aos colaboradores do mês: ❤️Eneias Vieira ❤️Silas Raposo ❤️Leopoldo Della Rocca ❤️Cristina Vilas Boas

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:

alienígenasAvi LoebOVNI HojeProjeto Galileo
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.