A Lua poderá se tornar nosso “oitavo continente”

Tempo de leitura: 2 min.

Por Jocelyne LeBlanc

A Agência Espacial Européia (ESA) está planejando o fornecimento de serviços de telecomunicações e navegação para futuros exploradores lunares antes do final da década. Esta futura constelação de satélites, que é chamada de Moonlight (Luar), orbitará a Lua e deverá estar totalmente funcional no final da década de 2020 – poucos anos depois que a missão Artemis 3 tripulada da NASA está programada para pousar na superfície lunar. Este projeto de constelação foi descrito como sendo o “oitavo continente” da Terra.

Lua com a Terra em segundo plano em montagem fotográfica.

Numa entrevista coletiva, Elodie Viau, que é a diretora de telecomunicações e aplicações integradas da ESA, falou sobre o potencial deste novo projeto:

“Ter uma rede de navegação e telecomunicações para retransmitir o que aprendemos na Lua de volta para a Terra será fundamental para sustentabilidade das missões futuras. Você pode imaginar astrônomos instalando observatórios do outro lado da Lua. E como todos nós já nos acostumamos com as reuniões virtuais, quem sabe? Poderíamos estar fazendo Skype na lua.”

Por enquanto, quando um módulo de pouso chega à Lua, ele precisa conter um subsistema de navegação que pesa 40 quilos. Este subsistema de navegação mede a distância que o módulo de pouso está da Lua para garantir que ele alcance a superfície lunar com segurança. No entanto, se houvesse um satélite de navegação lunar no espaço, o módulo de pouso não precisaria carregar um equipamento tão pesado e só precisaria de um receptor e altímetro para realizar um pouso seguro.

O diretor de navegação da ESA, Paul Verhoef, observou:

“A redução desse peso e volume seria então usada para colocar instrumentos adicionais em sua sonda e leva-los para a Lua.”

Três ou quatro satélites provavelmente farão parte da constelação de navegação lunar, embora possam ser adicionados mais, se necessário.

Verhoef deu mais detalhes:

“Com três ou quatro satélites, já podemos fazer bastante. A meta que temos no momento é que a constelação seja capaz de permitir uma precisão de 100 metros e provavelmente melhor. Achamos que podemos conseguir uma precisão de 30 metros.”

Além desta futura constelação Moonlight, existem quatro sistemas globais de navegação por satélite (GNSS) orbitando a Terra que podem ajudar a transmitir dados para os pousadores na Lua.

Verhoef explicou:

“Esses sinais são enviados por satélites para a Terra, mas também contornam a Terra e vão mais longe no espaço. Podemos combinar o uso desses sinais em um receptor para determinar a posição de um veículo na Lua.”

A próxima missão Lunar Pathfinder, que está programada para ser lançada em 2024, testará o novo receptor GNSS enquanto orbita a Lua. É difícil imaginar alguém usando o Skype na Lua, mas acho que tudo é possível.

(Fonte)


Isso e muito mais é possível, se investirmos em nosso progresso e não na costumeira estupidez humana.

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO… e (importante) se puder, colabore na manutenção do OVNI Hoje utilizando o QR code do PIX abaixo:

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!
ESAexploração lunarLuaTerra
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.