Fenômeno atmosférico raro para o Polo Norte é detectado

Tempo de leitura: 2 min.


Descargas atmosféricas perto do Pólo Norte ocorrem, mas o que foi observado no fim de semana passado é bastante incomum.

Instabilidade perto do Polo Norte causou 48 descargas atmosféricas raras

O raio foi detectado usando a rede de Detecção Global de Raios de Vaisala.

Segundo o Serviço Nacional de Meteorologia (EUA), uma empresa privada que opera uma rede mundial de detecção de raios captou até 48 descargas atmosféricas a 480 quilômetros do Pólo Norte, em 10 de agosto (02h00 – 04h00 UTC, 11 de agosto) .

Raios dentro de 480 km do Pólo Norte em 10 de agosto. (NWS Fairbanks)

O número é muito maior do que os cientistas geralmente relatam.

O meteorologista da NWS em Fairbanks, no Alasca, Ryan Metzger, disse ao Washington Post:

Eu não diria que isso nunca aconteceu antes, mas certamente é incomum, e isso chamou nossa atenção’.

Os relâmpagos significam que a atmosfera perto do pólo estava instável o suficiente, com suficiente ar quente e úmido na baixa atmosfera, para dar origem às tempestades. A perda de gelo do mar em todo o Ártico levou a temperaturas da superfície do oceano muito acima da média para esta época do ano, o que pode estar contribuindo para que massas aéreas instáveis ​​sejam empurradas pelo Oceano Ártico.

Ryan, que é pesquisador da Vaisala que inventou a rede GLD360 para rastrear relâmpagos em todo o mundo, também disse:

O número máximo de descargas atmosféricas em qualquer evento de tempestade é de 7; tipicamente, vemos 3 ou 4 tempestades de raios ao norte de 80 graus a cada verão. Geralmente detectamos menos de 50 descargas em cada uma dessas tempestades.

De acordo com o Centro Nacional de Dados de Neve e Gelo em Boulder, Colorado – EUA, a cobertura de gelo no Pólo Norte é mais baixa em pelo menos 1.500 anos, com base em pesquisas recentes.

Cientistas estão cautelosos sobre interpretar o raio como um evento sem precedentes, mas é um evento raro. Muito raio realmente e não deveria estar chegando tão ao norte.

Embora ainda seja relativamente raro, o raio quase polar deve se tornar mais comum à medida que o mundo continua a esquentar. Marshall Shepherd, um cientista atmosférico da Universidade da Geórgia, acredita que veremos mais desses momentos ‘chocantes’ no futuro próximo.

Pesquisadores dizem que a causa dos raios foi devido à instabilidade perto do pólo, com um amplo ar quente e úmido na baixa atmosfera, causando tempestades.

(Fonte)


Entre muitos outros assuntos, a população está dividida entre aqueles que acreditam no aquecimento global e aqueles que não.

Seja como for, uma coisa é inquestionável: junto com tantas outras coisas estranhas ocorrendo no nosso planeta atualmente, o clima também tem se comportado de forma muito anormal.

Novos tempos e novos desafios à frente para todos.

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!
aquecimento globalfenômeno atmosféricopolo norteraio
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.