A procura por vida extraterrestre em outros oceanos da galáxia

Tempo de leitura: 2 min.

De repente, saindo do escuro, uma cidade fantasma com torres retorcidas se aproxima por cima do submersível.  À medida que o submarino se aproxima para tirar uma amostra delas, Kevin Hand, membro da tripulação, vê algo de outro mundo: Uma criatura translúcida, similar à uma nave espacial, com seus tentáculos iridescentes pulsando gentilmente ao passar através dos faróis da sonda.

Este não é uma narração de um mundo alienígena, mas poderia ser. Hand é um cientista planetário do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, em Pasadena na Califórnia, e um dos poucos selecionados para visitar as chaminés carbonadas da ‘Cidade Perdida’, no fundo do Oceano Atlântico. Este é o local de um ecossistema extraordinário – um que Hand suspeita poderia ser replicado nas luas geladas que orbitam gigantes gasosos distantes. “Na minha cabeça, eu estava dizendo a mim mesmo: isto é como poderia ser por lá”, diz ele.

A lua Europa de Júpiter, e Encelado de Saturno, ambas possuem vastos oceanos escondidos abaixo de suas cascas congeladas.  Como tais, astrobiólogos as consideram nossa melhor aposta para a procura de vida além da Terra. A NASA está planejando missões para descobrir a vida por lá. Mas não teremos que esperar para molhar nossos pés em águas extraterrestres.

Ejeção da superfície de Encedao deixou os astrobiólogos entusiasmados. NASA/JPL-Caltech/Space Science Institute

Tendo explorado os ecossistemas extremos no fundo dos nossos próprios oceanos (lugares como a Cidade Perdida, onde a vida é alimentada por nada mais do que a reação entre a rocha e a água) sabemos por o quê procurar agora. A corrida começou para avistar sinais de atividades geotérmicas similares em Europa e Encelado, e assim descobrirmos se realmente estamos sós no Universo.

“Procure por água” tem sido por muito tempo o mantra na procura por vida, e…

n3m3

Fontenewscientist.com

astronomiaEncéladoEuropalua de Júpiterlua de Saturnooceanosprocura por vida extraterrestre
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.