Espaço do Leitor: Estagnação científica

Tempo de leitura: 2 min.

Recentemente li um livro que afirmava que a ciência moderna pode explicar todos os fenômenos existentes e que as pessoas deviam ignorar efeitos de causas sobrenaturais como fantasmas, óvnis ou magia. Concordo que a ciência explica muito bem quase a totalidade de fenômenos comuns existentes e que ela foi depravadora para o intelecto humano e jogou na vala antigos dogmas considerados uma pseudociência, como a alquimia ou fenômenos comuns que eram considerados magia como doenças. Mas a ciência de hoje pode explicar tudo mesmo?

Primeiro a afirmação de que a ciência moderna explica todos os fenômenos universais resulta que nossa ciência não pode evoluir mais, já que ela abrange tudo que existe e o resto, ou é mentira, ou não existe. Dessa forma o conhecimento humano está estagnado e as próximas gerações de cientistas terão o trabalho de apenas reafirmar e simplificar o que já existe.

Outro ponto interessante, e que não importa como a ciência tenha evoluído nosso pensamento, é igual aos cientistas da Idade Média que diziam poder explicar todo o universo como uma Terra achatada, enquanto o Sol e demais planetas giravam ao seu redor, com uma esfera de estrelas fixas ao fundo. Da mesma forma que alguns indivíduos excepcionais foram contra o que era considerado verdade absoluta e provaram que a ciência estava errada (nem sempre com resultados favoráveis a esses indivíduos), temos que duvidar quando dizem que tudo que existe no universo é explicável.

Claro que os métodos científicos evoluíram muito desde a Idade Média e hoje são feitos vários testes e metodologias são usadas para provar ou refutar uma hipótese até que ela se encaixe no que foi observável, se tornando uma teoria e finalmente uma lei da natureza. Mas esse método cientifico está sempre correto? Ele não pode mudar dependendo do ambiente? O universo é uniforme a ponto do teste dar os mesmos resultados em todos os lugares? E quanto aos fenômenos que não podem ser explicados ou testados? Eles não existem?

Pegando novamente o livro que me fez escrever essa matéria, o autor diz que a probabilidade de existir vida inteligente em outros planetas é alta, mas as grandes distâncias impedem que qualquer raça tenha contato com a outra, já que mesmo a luz demoraria centenas de anos para percorrer as distâncias entre duas civilizações. E quanto ao óvnis avistados hoje? “Enganos, aviões militares ou mentira” diz o livro. Vivemos em uma enorme bolha de não vida separada por outras dessas bolhas pela distância do espaço. Por que perder tempo procurando algo que está tão longe que é como se não existisse? A ciência de hoje não tem uma explicação, então ela é inválida por não existir uma resposta.

Hoje há grupos de jovens cientistas que querem provar que nem tudo pode ser explicado cientificamente e que até mesmo coisas tidas como verdades absolutas podem ser questionadas (como por exemplo o Big Bang ou a matéria escura). O problema que esses pequenos grupos são afastados dos centros científicos pelos mais velhos e viram motivos de piadas entre os conservadores. Está na hora de revermos como encaramos a ciência junto com outros aspectos da humanidade, a fim de mesclarmos de forma condizente, ao invés de colocar a ciência em um pedestal absoluto e único que rege os demais aspectos da natureza; afinal o correto seria “A ciência explica razoavelmente bem todos os fenômenos conhecidos pelo homem”.

A ciência deve sempre evoluir e para evoluir ela necessita de duvidar na natureza e dela mesma. Que uma nova era se inicie.

– Rafael dos Santos Ribeiro


O Espaço do Leitor é uma coluna dedicada aos leitores do OVNI Hoje que desejem expressas suas opiniões a respeito de assuntos relacionados aos temas deste site.

Artigos podem ser enviados para aprovação ao e-mail n3m3@ovnihoje.com . Devidos as restrições de tempo de minha parte, nem todos os artigos serão publicados, e os que serão publicados podem não ser disponibilizados prontamente.

n3m3

ciênciaEspaço do LeitorOHOpiniãoOVNI Hoje
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.