web analytics

A conexão assombrosa entre os OVNIs e as armas nucleares dos Estados Unidos

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 5 min.
Ouça este artigo...

Eles vêm em paz? A pergunta paira sobre o mistério ovniológico desde sempre, mas um novo estudo chega mais perto de uma resposta do que nunca.

A conexão assombrosa entre os OVNIs e as armas nucleares dos Estados Unidos
Captura de tela do vídeo mostrando um animação de OVNI atingindo a ogiva de um míssil nuclear com um feixe de luz.

Desde que os Estados Unidos detonaram sua primeira bomba atômica no local de teste de Trinity em 1945, dezenas de relatos de OVNIs foram registrados por testemunhas militares e cientistas do governo que trabalham com o sensível arsenal nuclear americano.

Os céticos muitas vezes se voltaram para questionar a veracidade e as memórias dessas testemunhas militares, ou culpar equipamentos defeituosos.

Mas a conexão entre OVNIs e locais nucleares persistiu na Índia, na Rússia e em outros lugares do mundo, levando muitos a se perguntar: os alienígenas estão nos impedindo de nos exterminar?

Agora, um novo estudo de décadas analisou mais de 500 dos melhores casos de OVNIs dos auges da Guerra Fria e concluiu assustadoramente:

“Essa inteligência entende de ciência atômica, e entende de armamento atômico.”

Relatos de OVNIs sobre o arsenal nuclear dos EUA pareciam mudar de locais onde as bombas foram feitas para silos de mísseis e bases aéreas dos EUA à medida que a corrida armamentista da Guerra Fria crescia.

Essa é uma das principais descobertas do novo trabalho, uma série de três estudos liderados por um sargento aposentado da Força Aérea dos EUA, Larry Hancock, e um analista de dados afiliado ao Projeto Galileo de caça a OVNIs de Harvard, Ian Porritt, junto com sua equipe de pesquisa.

O grupo concentrou sua análise em relatórios oficiais militares e policiais de OVNIs de 1945 a 1975, evitando relatos mal apoiados e matérias de jornais ambíguas, para se concentrar em casos com múltiplas testemunhas e sinais de evidências, como radares.

Seu estudo, que cobriu apenas casos dos EUA, também usou relatos de OVNIs avistados acima de bases não nucleares do exército e centros civis próximos para atuar como grupos de controle para testar contra suas descobertas de quaisquer tendências ovniológicas em instalações nucleares sensíveis dos EUA.

Sua conclusão qualificada, mas assombrosa: Dados desse período de três décadas dão credibilidade à ideia de que extraterrestres, ou alguma outra inteligência, vigiaram metodicamente a ascensão dos EUA a uma potência nuclear.

Hancock disse ao DailyMail.com, dadas essas mudanças nos avistamentos de OVNIs relatados ao longo do tempo:

“Essa inteligência entende o ciclo de desenvolvimento. Eles têm algum conhecimento contextual do que estão olhando e do que estão procurando.”

O relatório mais recente de Hancock e Porritt sobre a conexão, ‘UAP Activity Pattern Study 1945-1975 Military and Public Activities‘, foi publicado em março e apresentado à Coalizão Científica para Estudos UAP (OVNIs) no último fim de semana.

Entre as centenas de casos incluídos em sua análise estava o infame caso Malmstrom, de 16 de março de 1967, no qual testemunhas da Força Aérea relataram que dez mísseis nucleares foram desligados por um OVNI, confirmado por um relatório do Comando Aéreo Estratégico dos EUA.

É o terceiro estudo de Hancock e seus coautores, que disseram ao DailyMail.com que trabalhos futuros sobre essa conexão entre avistamentos de OVNIs e locais nucleares estão a caminho.

De 1948 a 1952, quando a produção americana de armas atômicas aumentou pela primeira vez, ondas de avistamentos de OVNIs começaram a surgir sobre o complexo de produção nuclear de Hanford, no estado de Washington, bem como Los Alamos e outros locais para o Projeto Manhattan.

Hancock disse ao DailyMail.com:

“O que sabemos agora é que, dentro da Força Aérea nos primeiros sete a dez anos, eles acreditaram sinceramente que eram os russos.

E quando eles não conseguiram provar isso, tornou-se algo muito político.”

Esta fase das investigações oficiais de OVNIs da Força Aérea, quando combinada com os relatórios de OVNIs da polícia daquela época, documentou mais de 40 casos de OVNIs vistos perto dessas instalações.

Em um caso ilustrativo de 21 de maio de 1949, o pessoal de Hanford avistou um OVNI “prateado, em forma de disco” pairando sobre a usina, cujo reator B havia gerado o plutônio usado no primeiro teste de bomba atômica em Trinity.

O OVNI foi rastreado simultaneamente no radar pela vizinha Base Aérea de Moses Lake, que despachou um caça F-82 para “interceptá-lo na esperança de que pudesse ser um disco” de acordo com um Relatório de Informações de Inteligência Aérea agora desclassificado.

Os investigadores da Força Aérea observaram sobre a perseguição fracassada:

“Os OVNIs eram mais rápidos do que os jatos.”

Esses anos de encontros estranhos eram muito mais prováveis de ter ocorrido em plena luz do dia do que anos posteriores de avistamentos de OVNIs e muitas vezes envolviam vários OVNIs em formação realizando manobras deslumbrantes, Hanford e seus coautores descobriram.

E, para cada uma das quatro principais instalações de fabricação de armas nucleares dos EUA, eles também coletaram e rastrearam relatos de OVNIs de cidades próximas e locais militares não nucleares como grupos de controle.

Essas regiões de controle – Santa Fé, Novo México, por exemplo, para contrastar com o local nuclear de Los Alamos – ajudaram a garantir que qualquer pico de avistamentos não fosse uma interpretação errada de seus dados.

Porritt disse ao DailyMail.com:

“Neste período, aqui, temos apenas quatro locais, isso seria a principal coisa em que você se concentraria.

E eles são os quatro locais em que eles [os OVNIs] se concentram. Você tem o mesmo tipo de padrão com os quatro locais.”

Mas quando o Pentágono começou a armar esquadrões da Força Aérea com suas novas bombas nucleares e a instalar silos de mísseis no coração americano, os OVNIs pareciam seguir a ação lá.

Porritt observou:

“Se você está querendo fazer um levantamento do complexo nuclear dos EUA, é isso que você veria.

Você via esse interesse nesses locais nessas horas, e então a atividade caía. E é isso que vemos.”

De 1952 em diante, segundo o estudo, casos de OVNIs sondando perto de armas nucleares ativas dos EUA tiveram precedência, com uma onda de avistamentos em torno dos novos mísseis balísticos intercontinentais (ICBMs) dos EUA a partir da década de 1960.

Hancock apontou:

“Quando você chega a essas bases de ICBM, de cerca de 1965 a 1975, essas coisas estão ocorrendo à noite.

E são muito mais intrusivos. São de altitude muito baixa, penetram nos perímetros de segurança da base.”

Vários desses avistamentos de OVNIs, incluindo incidentes na Base da Força Aérea de Malmstrom, no estado de Montana, nos quais testemunhas da Força Aérea dizem que os OVNIs desativaram os ICBMs, tornaram-se centrais para as demandas no Congresso por uma desclassificação mais ampla dos dados de OVNIs militares.

Durante as primeiras audiências públicas sobre o tema em mais de meio século, em maio de 2022, o congressista de Wisconsin, Mike Gallagher, criticou funcionários do Pentágono sobre Malmstrom.

Robert Salas, que foi o comandante de serviço para o lançamento subterrâneo da base em março de 1967, disse ao DailyMail.com que ficou “chocado” ao ver esses funcionários do Pentágono alegarem ignorância sobre os eventos.

O documento do Comando Aéreo Estratégico divulgado sob a Lei de Liberdade de Informação, por exemplo, há muito documenta publicamente que “todos os dez mísseis no Echo Flight em Malmstrom perderam o alerta [estratégico] dentro de dez segundos um do outro“.

O relatório desclassificado, assim como Salas e seus colegas testemunhas veteranos, observou “grave preocupação” com o caso.

O subsecretário de Defesa para Inteligência e Segurança, Ronald Moultrie, segundo Salas, “não parecia saber nada sobre isso – ou, se soubesse, estava querendo evitar o tema“.

Embora os céticos do caso Malmstrom, liderados pelo filho de um ex-comandante do Echo Flight em Malmstrom, tenham trabalhado por muito tempo para abrir buracos no véu do mistério sobre este incidente, casos assustadoramente semelhantes a esse continuaram a surgir.

Em fevereiro deste ano, um relatório bombástico revelou que um ex-investigador de OVNIs do Pentágono havia informado o Congresso em particular sobre um incidente semelhante em 1964, quando um OVNI explodiu um míssil Atlas carregando uma ogiva nuclear simulada no céu.

Tanto Hancock quanto Porritt ficaram surpresos ao ver que essas testemunhas ou registros não conseguiram entrar no relatório não confidencial de março passado sobre ‘casos históricos de OVNIs‘ divulgado pelo Escritório de Resolução de Anomalias de Todos os Domínios de Caça a OVNIs do Pentágono.

Hancock disse ao DailyMail.com:

“Quando eles emitiram seu relatório mais recente, fiquei muito animado porque havia um item de índice para ‘guerra atômica’.

Mas quando fui ver isso e não havia informação. Estava só no índice. Tipo, ‘Ok?’.

Hancock, Porritt e seus coautores esperam estender sua análise sobre as conexões entre avistamentos de OVNIs e locais nucleares de 1975 até a era moderna, embora esse trabalho enfrente alguns obstáculos.

Primeiro, relatos rigorosos de casos de fontes oficiais caem por volta deste ponto, devido ao fechamento do Projeto Blue Book da Força Aérea em 1969 e à queda nos casos de OVNIs militares não classificados divulgados sob a Lei de Liberdade de Informação (FOIA).

Hancock disse:

“Provavelmente poderíamos fazer um estudo público para estendê-lo aos tempos contemporâneos atuais.

O problema é que o domínio militar simplesmente não é acessível para nós. Ou, seria necessário uma equipe de pessoas para lançar uma onda totalmente nova de FOIAs.”

Mas apenas dos estudos de 1945 a 1975, Hancock acredita que conclusões ou teorias razoáveis podem ser inferidas sobre esses mistérios aéreos: que eles parecem mostrar um estudo intencional do armamento mais sensível dos Estados Unidos.

Ele disse:

“Quer dizer, foco implica intenção. E foco obviamente implica inteligência.

A maneira como progrediu de um tipo de instalação para outro tipo – quero dizer, começa com fábricas, passa por fábricas de montagem, armazenamento, implantação, é difícil ler isso como qualquer outra coisa que não seja alguém ter uma agenda.”

Seu parceiro de pesquisa, Porritt, se aventurou um pouco mais:

“Eles podem ter uma compreensão melhor do futuro, do nosso futuro, do que nós.”

(Fonte)

…E não esqueça: Nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui para acessá-la.

ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

IMPORTANTE: Se puder, colabore para manter o OVNI Hoje no ar, pois cada doação, por menor que seja, é crucial para manter este espaço de informação e conhecimento disponível para todos os interessados. Ao utilizar o QR code do PIX abaixo ou a chave PIX “OVNIHoje” (sem aspas), você está desempenhando um papel fundamental na sustentação deste site.

Lembre-se que as doações não são apenas um ato de generosidade, mas também uma demonstração do seu compromisso em apoiar o compartilhamento de informações relevantes e o crescimento da comunidade interessada em assuntos tão fascinantes, possibilitando a continuação das pesquisas, análises e publicações que enriquecem nosso entendimento.

Seja parte deste movimento contínuo em prol do conhecimento. O OVNI Hoje e seus leitores agradecem sinceramente por seu apoio dedicado.

Agradecimentos aos colaboradores do mês: Edward Vaz Jr. ❤️ Silas Raposo ❤️ Leopoldo Della Rocca ❤️ Egídia L dos Santos ❤️

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:


Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!

hit counter code