web analytics

Exoplaneta TRAPPIST-1 c pode ter uma atmosfera rica, afinal

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 3 min.
Ouça este artigo...

Por Adam Frank
Em 2023, dados do Telescópio Espacial James Webb azedaram as esperanças de que TRAPPIST-1 c tivesse uma atmosfera. Essa decepção pode ter sido prematura.

Exoplaneta TRAPPIST-1 c pode ter uma atmosfera rica, afinal
Imagem ilustrativa de um exoplaneta. Crédito: NASA

Atmosferas – os planetas alienígenas semelhantes à Terra as possuem ou não? Esta é a questão matadora que os astrônomos enfrentam atualmente. Neste contexto, “semelhantes à Terra” significa planetas terrestres (ou seja, mundos rochosos) suficientemente próximos da massa da Terra e de outras condições para que possamos imaginá-los albergando o Santo Graal da astrobiologia: uma biosfera alienígena. Mas não se pode ter uma biosfera a menos que primeiro se tenha uma atmosfera onde toda essa vida possa respirar. E embora encontrar assinaturas de biosferas (ou seja, bioassinaturas) seja difícil até mesmo para o Telescópio Espacial James Webb (JWST), encontrar evidências de atmosferas de exoplanetas terrestres é definitivamente algo que ele pode fazer. É por isso que todos ficaram tão entusiasmados no ano passado, quando o JWST começou a lançar novos dados sobre os exoplanetas semelhantes à Terra favoritos dos astrônomos.

Estávamos entusiasmados, mas, para ser sincero, também um pouco chateados. A história de hoje explica porque essa decepção pode ter sido um pouco prematura.

TRAPPIST-1

As maiores novidades do ano passado vieram com as observações do sistema TRAPPIST-1. Trata-se de uma pequena estrela fria (também conhecida como “estrela anã M” ou “estrela anã vermelha”). Ela tem uma família completa de sete planetas em órbita. O melhor de tudo é que as distâncias orbitais desses mundos abrangem toda a gama de possibilidades, desde mundos internos muito quentes até mundos externos congelados e, o mais importante, alguns planetas na “zona Cachinhos Dourados”, onde as temperaturas ideais para a água líquida fluir existem na superfície. Usando o JWST, os cientistas têm marchado em busca de atmosferas em mundos TRAPPIST-1 sucessivamente distantes (da estrela).

Nenhuma atmosfera foi encontrada para o planeta mais interno, TRAPPIST-1 b. Isto não foi um grande problema porque esta tão perto da estrela que a maioria dos astrônomos já pensava que a sua superfície escaldante nunca poderia reter um manto de moléculas.

Entretanto, as esperanças eram maiores para TRAPPIST-1 c. Algumas pessoas esperavam que pudesse ser uma espécie de gêmeo de Vênus. TRAPPIST-1 c tem uma massa ligeiramente maior que a de Vênus e recebe aproximadamente a mesma dose de energia estelar. Tal como Vênus, TRAPPIST-1 c não está na zona Cachinhos Dourados de órbitas habitáveis ​​da sua estrela. Mas considerando que a atmosfera de Vénus é rica em dióxido de carbono, os astrônomos esperavam que talvez TRAPPIST-1 c tivesse a sua própria camada espessa de gás.

Infelizmente, os resultados do JWST descartaram uma atmosfera de CO2 semelhante à de Vênus. Pior, eles pareciam apontar para rocha nua (ou seja, nenhuma atmosfera) ou para uma fina camada de gás. Dada a importância de encontrar qualquer tipo de atmosfera em exoplanetas terrestres para os astrobiólogos, os resultados do TRAPPIST-1 c foram um pouco tristes.

Melhores histórias

Mas a ciência avança refinando constantemente a compreensão das suas próprias descobertas. Depois que os resultados iniciais do JWST para TRAPPIST-1 c foram publicados, Andrew Lincowski, Vikki Meadows e colaboradores voltaram e reexploraram exatamente que tipo de atmosfera poderia ser consistente com o que o JWST viu. Seus resultados mostraram que poderia haver mais no TRAPPIST-1 c do que esperávamos inicialmente.

Revivendo esperanças atmosféricas

A equipe usou modelos computacionais de planetas com diferentes tipos de atmosferas e depois simulou o que o JWST observaria nesses mundos. Essas ferramentas foram um passo acima do que foi usado pela primeira vez para interpretar os resultados do TRAPPIST-1 c. Foram explorados três tipos diferentes de mundos: aqueles com atmosferas espessas de CO2 semelhantes às de Vênus, atmosferas dominadas por oxigênio ou atmosferas de “vapor” ricas em água. Confirmando os resultados anteriores, Lincowski e companhia descobriram que TRAPPIST-1 c provavelmente não possui uma manta espessa de CO2. Mas a equipe também descobriu que atmosferas de oxigênio bastante espessas, com 1 a 10 vezes a pressão da superfície da Terra, se enquadram bem nas margens de erro das medições do JWST. Além disso, atmosferas de vapor, onde um efeito estufa descontrolado está conduzindo água líquida para a atmosfera, também eram possíveis.

TRAPPIST-1 c hospedando uma atmosfera espessa de oxigênio ou uma atmosfera de vapor relativamente espessa seria cientificamente incrível.

Embora não possamos esperar que nenhum dos dois tipos de mundo hospede vida (mas quem sabe), o que importa é a diversidade. O trabalho mais importante para a astrobiologia e a ciência dos exoplanetas neste momento é simplesmente responder à pergunta: Quão variados são os mundos na galáxia? Eles são em sua maioria mundos mortos e sem ar? São principalmente mundos com atmosferas, mas de composições diferentes?

Embora o primeiro corte em TRAPPIST-1 c possa ter pendido para a primeira possibilidade, os resultados de Lincowski dizem-nos que a natureza pode ser mais fecunda e imaginativa do que pensávamos anteriormente.

Qual visão está certa? No final, só há uma maneira de descobrir. Vá procurar com mais atenção. E é exatamente isso que estamos fazendo. Fique atento!

(Fonte)


…E não esqueça: Nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui para acessá-la.

ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

IMPORTANTE: Se puder, colabore para manter o OVNI Hoje no ar, pois cada doação, por menor que seja, é crucial para manter este espaço de informação e conhecimento disponível para todos os interessados. Ao utilizar o QR code do PIX abaixo ou a chave PIX “OVNIHoje” (sem aspas), você está desempenhando um papel fundamental na sustentação deste site.

Lembre-se que as doações não são apenas um ato de generosidade, mas também uma demonstração do seu compromisso em apoiar o compartilhamento de informações relevantes e o crescimento da comunidade interessada em assuntos tão fascinantes, possibilitando a continuação das pesquisas, análises e publicações que enriquecem nosso entendimento.

Seja parte deste movimento contínuo em prol do conhecimento. O OVNI Hoje e seus leitores agradecem sinceramente por seu apoio dedicado.

Agradecimentos aos colaboradores do mês: Edward Vaz Jr. ❤️ Silas Raposo ❤️ Leopoldo Della Rocca ❤️ Egídia L dos Santos ❤️

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:


Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!

hit counter code