web analytics

Mistério MH370: por que ainda não encontramos o avião 10 anos depois?

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 3 min.
Ouça este artigo...

Especialistas forenses explicam o que sabemos sobre o desaparecimento do MH370 e porque o seu paradeiro permanece tão indefinido.

Mistério MH370: por que ainda não encontramos o avião 10 anos depois?
Voo MH370: um dos maiores mistérios da aeronáutica.

Já se passaram dez anos desde que o voo MH370 da companhia aérea malaia, transportando 239 passageiros e tripulantes a bordo, desapareceu menos de uma hora depois de decolar de Kuala Lumpur, em 8 de março de 2014. O caso tornou-se um dos grandes mistérios não resolvidos dos tempos modernos e é um enigma que permaneceu resolutamente sem solução.

Abundam as teorias sobre o desaparecimento do voo e a localização atual dos destroços. Excepcionalmente, todas as comunicações a bordo do avião foram desligadas logo após a decolagem.

Posteriormente, informações intermitentes de localização por satélite sugeriram que ele voou para o sul em uma trajetória de voo muito diferente da esperada, para uma área oceânica remota e profunda do Oceano Índico Meridional, antes que o contato fosse perdido.

Ao procurar ativamente pelo MH370, sofisticadas aeronaves de vigilância internacional realizaram inicialmente mais de 300 voos para procurar visualmente por destroços do avião na superfície. Em seguida, veículos de superfície e submersíveis realizaram pesquisas adicionais, pesquisando mais de 120 mil quilômetros quadrados de oceano antes de encerrar a pesquisa em 2017.

O esforço para encontrar o MH370 tornou-se uma das buscas aéreas mais caras da história. Essas pesquisas usaram sonares (instrumentos acústicos ativos para obter imagens do fundo do mar e localizar a aeronave) e também dispositivos de escuta para captar o gravador de dados de voo da aeronave.

Destroços confirmados do avião MH370 foram encontrados na Ilha da Reunião em Julho de 2015, e ao largo da costa de Moçambique em Fevereiro de 2016, o que foi consistente com o que sabemos sobre as correntes oceânicas. Em 2018, a OceanInfinity, uma empresa privada de exploração, também pesquisou 25 mil quilómetros quadrados, mas sem sucesso.

Desde então, uma mistura de especialistas altamente treinados e membros do público têm procurado auxiliar na busca. Esses esforços têm variado desde análises de dados simples até análises de dados realmente avançadas. Eles tentaram mapear os locais e horários dos destroços de aviões e outros detritos marítimos, bem como modelos de correntes de deriva. Ao fazê-lo, estão tentando reconstruir a sua origem, o que não é uma tarefa fácil.

A análise da trajetória de voo do MH370 foi reunida a partir de dois tipos diferentes de radar – primário e secundário – bem como dos “pings” de dados intermitentes do avião para o satélite Inmarsat. Os resultados sugerem que ele desviou para o sul da rota de voo pretendida.

Outra técnica chamada propagação de sinal fraco (dados WSPR – uma forma de usar emissão de rádio para rastrear objetos como aviões), definiu uma área de pesquisa específica, mas muito grande, algumas das quais já foram pesquisadas.

Os dados hidroacústicos disponíveis (com base na forma como o som se propaga na água) do fundo do mar também foram analisados. No entanto, apenas uma área relativamente pequena foi coberta e o fundo marinho nesta região pode ser muito acidentado. Existem desfiladeiros submarinos profundos que podem esconder objetos muito maiores que um avião.

As lições do estudo de desastres aéreos anteriores também informaram a pesquisa. Estes incluíram o acidente de avião da Iémen em 2009, no Oceano Índico.

Operação de recuperação

Para pesquisas em águas interiores ou costeiras, sugere-se como melhor prática uma estratégia de investigação faseada, onde os investigadores procuram identificar as profundidades da água, as principais forças e direções das correntes, juntamente com informações pré-existentes do local, antes de serem contratadas equipes de pesquisa especializadas, utilizando métodos e configurações de equipamento e pessoal credenciados.

No entanto, esta dependência da tecnologia pode ser problemática. Mesmo em pequenos cursos de água, a presença de vegetação na área de busca ou de um alvo soterrado por sedimentos pode dificultar essas buscas.

Grande parte do fundo do mar do Sul do Oceano Índico é acidentado e relativamente não mapeado, com profundidades de água de até 7,4 km. Elel está longe das rotas marítimas regulares e dos padrões de voo comercial, com poucos barcos de pesca, sem massas de terra significativas e com alguns dos piores ventos e condições meteorológicas do mundo. Esses fatores também tornam a área muito desafiadora para pesquisa.

Em águas profundas (mais de 2 km a 3 km), a implantação do sonar é complicada e proibitivamente cara. Também leva muito tempo para gerar dados. Um grande desafio para as tecnologias de digitalização é alcançar precisão neste tipo de profundidade devido à dispersão do sinal causada por substratos irregulares, especialmente rochosos, no fundo do mar.

O desenvolvimento de veículos submersíveis autônomos mais avançados pode ser a chave para encontrar o MH370 no sul do Oceano Índico, juntamente com o pós-processamento de dados brutos que podem esclarecer o que pode ser atribuído às rochas, bem como às elevações e bolsas no fundo do mar.

Isto pode distinguir entre o fundo do mar e os objetos que estão sendo procurados. No entanto, a área onde o MH370 desapareceu é vasta, o que significa que as buscas futuras continuarão a ser tão desafiantes como quando o avião desapareceu pela primeira vez em 2014.

(Fonte)


…E não esqueça: Nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui para acessá-la.

ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

IMPORTANTE: Se puder, colabore para manter o OVNI Hoje no ar, pois cada doação, por menor que seja, é crucial para manter este espaço de informação e conhecimento disponível para todos os interessados. Ao utilizar o QR code do PIX abaixo ou a chave PIX “OVNIHoje” (sem aspas), você está desempenhando um papel fundamental na sustentação deste site.

Lembre-se que as doações não são apenas um ato de generosidade, mas também uma demonstração do seu compromisso em apoiar o compartilhamento de informações relevantes e o crescimento da comunidade interessada em assuntos tão fascinantes, possibilitando a continuação das pesquisas, análises e publicações que enriquecem nosso entendimento.

Seja parte deste movimento contínuo em prol do conhecimento. O OVNI Hoje e seus leitores agradecem sinceramente por seu apoio dedicado.

Agradecimentos aos colaboradores do mês: Edward Vaz Jr. ❤️ Silas Raposo ❤️ Leopoldo Della Rocca ❤️ Egídia L dos Santos ❤️

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:


Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!

hit counter code