web analytics

O que a ciência pode nos dizer sobre a presença inexplicável

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 4 min.
Ouça este artigo...

Por Ben Alderson-Day
Se você já teve a estranha sensação de que havia uma presença na sala quando tinha certeza de que estava sozinho, pode estar relutante em admitir isso. Talvez tenha sido uma experiência profunda que você gostaria de compartilhar com outras pessoas. Ou – mais provavelmente – era algo entre os dois.

O que a ciência pode nos dizer sobre a presença inexplicável
Crédito da imagem ilustrativa: n3m3/Bing/DALL-E

A menos que você tenha uma explicação para ajudá-lo a processar a experiência, a maioria das pessoas terá dificuldade para entender o que aconteceu com elas. Mas agora a investigação mostra que esta experiência etérea é algo que podemos compreender, utilizando modelos científicos da mente, do corpo e da relação entre os dois.

Um dos maiores estudos sobre o tema foi realizado já em 1894. A Sociedade de Pesquisa Psíquica (de sigla em inglês, SPR) publicou o seu Censo de Alucinações, uma pesquisa com mais de 17.000 pessoas no Reino Unido, EUA e Europa.

A pesquisa teve como objetivo entender o quão comum era as pessoas terem visitas aparentemente impossíveis que prenunciavam a morte. A SPR concluiu que tais experiências aconteciam com demasiada frequência para serem fruto do acaso (uma em cada 43 pessoas entrevistadas).

Em 1886, a SPR (que contava com o ex-primeiro-ministro do Reino Unido William Gladstone e o poeta Alfred, Lord Tennyson entre seus patronos) publicou Phantasms of the Living.

Esta coleção incluiu 701 casos de telepatia, premonições e outros fenômenos incomuns. Por exemplo, o reverendo PH Newnham, de Devonport, em Plymouth, contou a história de uma visita à Nova Zelândia, onde uma presença noturna o alertou para não embarcar em uma viagem de barco na madrugada do dia seguinte. Mais tarde, ele soube que todos na viagem haviam se afogado.

Na época, os “fantasmas” foram criticados por não serem científicos. O censo foi recebido com menos ceticismo, mas ainda sofria de enviesamento de resposta (quem se daria ao trabalho de responder a um inquérito deste tipo, exceto aqueles que tinham algo a dizer).

Mas tais experiências vivem em lares em todo o mundo, e a ciência contemporânea oferece ideias para compreendê-las.

Não são sonhos tão doces

Muitos dos relatos coletados pela SPR parecem hipnagogia: experiências alucinatórias que acontecem nos limites do sono.

Foi sugerido que várias experiências religiosas registradas no século XIX têm base na hipnagogia. As presenças têm uma ligação particularmente forte com a paralisia do sono, experimentada por cerca de 7% dos adultos pelo menos uma vez na vida.

Na paralisia do sono, nossos músculos permanecem congelados como uma ressaca do sono REM, mas nossa mente está ativa e desperta. Estudos sugeriram que mais de 50% das pessoas com paralisia do sono relatam ter encontrado uma presença.

Embora as presenças vitorianas documentadas pela SPR fossem muitas vezes benignas ou reconfortantes, os exemplos modernos de presença desencadeada pela paralisia do sono tendem a exalar malevolência.

Sociedades de todo o mundo têm as suas próprias histórias sobre presenças noturnas – desde o “Fradinho da Mao Furada” que conseguia infiltrar-se nos sonhos das pessoas, até ao Ogun Oru do povo Yoruba na Nigéria, que se acreditava ser um produto de vítimas sendo enfeitiçadas.

Mas por que uma experiência como a paralisia criaria uma sensação de presença? Alguns pesquisadores se concentraram nas características específicas de acordar em uma situação tão incomum. A maioria das pessoas acha a paralisia do sono assustadora, mesmo sem alucinações.

Em 2007, os investigadores do sono J. Allen Cheyne e Todd Girard argumentaram que se acordássemos paralisados ​​e vulneráveis, os nossos instintos fariam com que nos sentíssemos ameaçados e a nossa mente preencheria a lacuna. Se somos presas, deve haver um predador.

Outra abordagem é observar os pontos em comum entre as visitas na paralisia do sono e outros tipos de presença sentida. Pesquisas realizadas nos últimos 25 anos mostraram que as presenças não são apenas uma parte regular do cenário hipnagógico, mas também são relatadas na doença de Parkinson, na psicose, nas experiências de quase morte e no luto. Isto sugere que é improvável que seja um fenômeno específico do sono.

Conexão mente-corpo

Sabemos, através de estudos de casos neurológicos e experiências de estimulação cerebral, que as presenças podem ser provocadas por sinais corporais.

Por exemplo, em 2006, o neurologista Shahar Arzy e colegas conseguiram criar uma “figura de sombra” que foi vivenciada por uma mulher cujo cérebro estava sendo estimulado eletricamente na junção temporoparietal esquerda (JTP).

A figura parecia espelhar a posição do corpo da mulher – e o TPJ combina informações sobre nossos sentidos e nossos corpos.

Uma série de experiências em 2014 também mostrou que perturbar as expectativas sensoriais das pessoas parece induzir uma sensação de presença em algumas pessoas saudáveis. A maneira como o procedimento usado pelos pesquisadores funciona é induzi-lo a sentir como se estivesse tocando suas próprias costas, sincronizando seus movimentos com um robô diretamente atrás de você.

Nossos cérebros dão sentido à sincronização inferindo que estamos produzindo essa sensação. Então, quando essa sincronização é interrompida – fazendo com que os toques do robô fiquem ligeiramente fora de sincronia – as pessoas podem subitamente sentir como se outra pessoa estivesse presente: um fantasma na máquina. Mudar as expectativas sensoriais da situação induz algo como uma alucinação.

Essa lógica também poderia ser aplicada a uma situação como a paralisia do sono. Toda a nossa informação habitual sobre os nossos corpos e sentidos é interrompida nesse contexto, por isso talvez não seja surpresa que possamos sentir que há algo “outro” conosco. Podemos sentir que é outra presença, mas na verdade somos nós.

Na minha própria investigação em 2022, tentei traçar as semelhanças nas presenças a partir de relatos clínicos, práticas espirituais e desportos de resistência (que são bem conhecidos por produzirem uma série de fenômenos alucinatórios, incluindo a presença).

Em todas estas situações, muitos aspectos da sensação de presença eram muito semelhantes: por exemplo, o sujeito sentia que a presença estava diretamente atrás deles. Presenças relacionadas ao sono foram descritas por todos os três grupos, mas também o foram presenças motivadas por fatores emocionais, como tristeza e luto.

Apesar de suas origens centenárias, a ciência da presença sentida apenas começou. No final, a investigação científica pode nos dar uma explicação abrangente, ou podemos precisar de várias teorias para explicar todos estes exemplos de presença.

Mas os encontros com pessoas descritos em Phantasms of the Living não são fantasmas de uma época passada. Se você ainda não passou por essa experiência perturbadora, provavelmente conhece alguém que já passou.

Ben Alderson-Day, professor associado de psicologia, Universidade de Durham

(Fonte)


Agradecimentos aos colaboradores do mês: Edward Vaz Jr. ❤️ Silas Raposo ❤️ Leopoldo Della Rocca ❤️ Egídia L dos Santos ❤️

Muito obrigado!

Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!

hit counter code