web analytics

Está cada vez mais claro que a mente não é o cérebro

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 4 min.
Ouça este artigo...

Não surpreendentemente, dado que o filósofo David Chalmers ganhou a famosa aposta com o neurocientista Christof Koch no mês passado, o tema da consciência tem estado muito nos noticiários.

Está cada vez mais claro que a mente não é o cérebro
Crédito da imagem ilustrativa: n3m3/Bing/DALL-E

Em 25 anos de pesquisa, ninguém encontrou um circuito de consciência específico, ponto, onda ou qualquer outra coisa no cérebro. A consciência ainda é o “Difícil Problema da Consciência”.

No Vox, Oshan Jarow, um escritor que conhece o assunto, nos conta que a aposta foi renovada por mais 25 anos e oferece uma interpretação de porque os cientistas não “racharam” a consciência até agora: “ainda não temos um diagnóstico definitivo, falsificável explicação. Falta-nos até mesmo um consenso sobre se algum dia existirá.”

“Eventualmente, nessa visão, o campo pode se fundir em torno de uma teoria unificada e o primeiro verdadeiro paradigma da ciência da consciência começaria. Esta é a opinião que Koch continua a defender (apesar de ter abatido uma caixa de um bom vinho português). Ele dobrou na recente conferência ASSC, renovando a aposta no mesmo horizonte de 25 anos. Chalmers também relata muitos progressos, dizendo à Nature que o problema da consciência ‘tem gradualmente se transmutado em, se não um mistério ‘científico’, pelo menos um que podemos obter um controle parcial cientificamente’.

Mas não há garantia de que alguma massa crítica de correlações entre estados cerebrais e sentimentos possa nos dizer como ou porque a consciência acontece. Chalmers suspeita que, na conclusão de sua aposta renovada em 2048, apesar de todo o progresso de percepção que certamente acontecerá, o mistério pode permanecer tão desconcertante como sempre.”

OSHAN JAROW, “WHY SCIENTISTS HAVEN’T CRACKED CONSCIOUSNESS”, VOX, 30 DE JUNHO DE 2023.

O problema fundamental não é apenas que a ciência da consciência não tem teoria, como diz Jarow, mas não está claro como tal teoria deveria ser ou explicar.

O especialista em IA, Riccardo Manzotti, oferece uma solução ‘engenhosamente simples’ para o problema: Não há problema – pelo menos não de acordo com sua Teoria da Identidade Mente-Objeto (MOI):

“A hipótese é simples: existe um mundo de objetos físicos que acontecem em relação ao seu corpo – o laptop, a caneca e todo o resto. Não há dentro nem fora. Não há aqui e não há lá. Existe apenas a sua existência, você, como seria de esperar em um mundo físico. Sua ‘experiência consciente’ do laptop e da caneca nada mais é do que o laptop e a caneca conforme eles ocorrem em relação ao seu corpo. Então, qual é a sua experiência? É o subconjunto de objetos físicos que ocorrem em relação ao seu corpo. A mente é idêntica ao objeto (relativo). Daí o nome de Identidade Mente-Objeto. –

RICCARDO MANZOTTI, “THERE IS NO PROBLEM OF CONSCIOUSNESS”, IAI.TV, 2 DE FEVEREIRO DE 2023

Ele enfatiza que sua teoria é totalmente compatível com o fisicalismo:

“MOI concorda que você e eu somos inteiramente físicos; o que chamamos de consciência está fora da cabeça, sim, mas faz parte do mundo físico.”

E esse reconhecimento dissolve todos os enigmas, em sua opinião:

“E quanto aos muitos problemas com os quais os estudos da consciência estão tão repletos – intencionalidade, perspectiva de primeira pessoa, reflexividade, autoconsciência? Como a MOI lida com eles? Embora não possa abordá-los individualmente aqui, posso sugerir uma estratégia geral. São todos pseudoproblemas criados para lidar com a falsa premissa que apontei no início, ou seja, a separação entre sujeito e objeto. Eles desempenham o mesmo papel que os epiciclos desempenharam para manter o geocentrismo. Uma vez que a falsa premissa é posta de lado, eles seguirão.” –

RICCARDO MANZOTTI, “THERE IS NO PROBLEM OF CONSCIOUSNESS”, IAI.TV, 2 DE FEVEREIRO DE 2023

Da perspectiva de Manzotti, para resolver o venerável “Problema Difícil” de Chalmers, devemos nos acostumar com a ideia de que nossa experiência consciente do laptop e da caneca é “nada mais do que o laptop e a caneca conforme eles ocorrem em relação ao seu corpo”. e todos os problemas desaparecem.

Não é de admirar que a Teoria da Informação Integrada (IIT) de Christof Koch estivesse em questão na famosa aposta e a MOI não.

Mas a MOI não é a única teoria que nos pede para simplesmente ignorar o que sabemos sobre nossa própria consciência para resolver o problema da filosofia da ciência. Os neurocientistas Peter L. Halligan e David A. Oakley perguntam:

“É hora de desistir da consciência como ‘o fantasma na máquina’? como se desistir do problema significasse resolvê-lo?”

Da mesma forma, o filósofo David Papineau nos diz, a consciência é apenas “processos cerebrais que parecem algo” e “a única razão pela qual muitas pessoas sentem que há um problema é que elas não conseguem parar de pensar em termos dualistas”.

Mas, é claro, há uma razão pela qual as pessoas não conseguem parar de pensar no problema em termos dualistas. Se nossos processos cerebrais “parecem” algo, então esses processos são observados e sentidos. Mas por quem? Por uma parte de nós que não são os próprios processos. O dualismo que Papineau denuncia é o que podemos experimentar em qualquer momento de vigília: nossas mentes observando nossos cérebros e corpos. Portanto, o dualismo não vai desaparecer porque não pode.

O neurocirurgião Michael Egnor sugere uma saída: a visão de Robert Epstein do cérebro como um transdutor em vez de um computador:

“Uma compreensão bem-sucedida da relação mente-cérebro envolverá necessariamente a compreensão do cérebro como um dispositivo de transdução de uma forma ou de outra. Tal compreensão pode ser extremamente frutífera e pode nos ajudar a ir além da atual estrutura materialista na qual a neurociência é praticada, que nos manteve tão distantes em nossa compreensão da mente e do cérebro. O cérebro é obviamente material, mas é igualmente óbvio que a mente tem habilidades imateriais.

Aceitamos que o ouvido é um transdutor do som para a audição e o olho é um transdutor da luz para a visão. É razoável inferir que o cérebro seja um transdutor do pensamento para o corpo. A teoria da transdução é uma abordagem plausível para entender a conexão entre a mente e o cérebro. Deve ser levado a sério por neurocientistas e filósofos da mente.

MICHAEL EGNOR, “A NEUROSCIENCE THEORY THAT ACTUALLY HELPS EXPLAIN THE BRAIN,” Mind Matters, 30 de agosto de 2021

Mas, como observa Egnor, essa é uma teoria dualista. Nessa visão, a mente não é simplesmente o zumbido do cérebro. Ela monitora o cérebro.

Isso levanta uma questão: se uma abordagem dualista parece mais natural e menos maluca do que as teorias materialistas em oferta, até que ponto o materialismo está atrapalhando a ciência?

Você também pode querer ler: O filósofo vence: não há ponto de consciência no cérebro. Após uma busca de 25 anos, o filósofo dualista David Chalmers ganhou a aposta com o neurocientista Christof Koch, cuja teoria da consciência tem conotações panpsiquistas. Como observa o neurocirurgião dualista Michael Egnor, a consciência humana é imaterial por natureza. A aposta de Koch-Chalmers é um jogo de linguagem destinado a evitar esse fato?

(Fonte)


Agradecimentos aos colaboradores do mês: Edward Vaz Jr. ❤️ Silas Raposo ❤️ Leopoldo Della Rocca ❤️ Egídia L dos Santos ❤️

Muito obrigado!

Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!

hit counter code