web analytics

Os aspectos legais do contato com a inteligência extraterrestre

COMPARTILHE COM A GALÁXIA:
Tempo de leitura: 5 min.

É estatisticamente improvável que os humanos sejam a única civilização inteligente no universo. Nada sobre a natureza de outras espécies que possam existir lá fora será conhecido até que o contato seja feito além de um sinal de rádio do espaço, o que realmente só pode provar que a civilização originária existia no momento em que a mensagem foi originalmente enviada.

Os aspectos legais do contato com a inteligência extraterrestre
Crédito da imagem ilustrativa: n3m3/Bing/DALL-E

Por Michael Bohlander
O contato com a inteligência extraterrestre pode ocorrer amanhã, daqui a cem anos ou nunca. Embora, segundo alguns, já possa ter acontecido em algum momento décadas, senão séculos, ou mesmo milênios atrás.

De qualquer forma, o contato aberto e direto será um cenário de alto risco para a humanidade. Pode ser pacífico ou hostil. Confiar no altruísmo dos alienígenas e na esperança de que suas intenções sejam benignas é uma ilusão. Assim, no contexto da lei em relação ao contato extraterrestre, devemos considerar avançar para a identificação como uma espécie planetária e desenvolver um consenso global sobre como responder em qualquer cenário. Tais conceitos são a essência do meu próximo livro, “Contact with Extraterrestrial Intelligence and Human Law” (“O Contato com Inteligência Extraterrestre e a Lei Humana”, em tradução livre).

O debate atual sobre OVNIs envolve a questão de saber se o governo dos Estados Unidos ou outros em todo o mundo estão de posse de naves e/ou sua tripulação de origem não humana. É uma discussão que envolve a coleta de dados pelos governos sobre as capacidades de manobra e aceleração dos OVNIs, bem como reivindicações de engenharia reversa, supostos acobertamentos e muito mais.

Em contraste, a SETI tradicional (a Busca por Inteligência Extraterrestre) apenas procura sinais além da atmosfera e tende a se afastar da questão OVNI por medo de perder o financiamento científico e se desviar para o que alguns acham ser uma “margem lunática” de má reputação (embora a subdisciplina aceita da busca por artefatos extraterrestres, ou SETA, facilmente se sobreponha conceitualmente aos estudos de OVNIs).

A lei entra em todo o lugar

No entanto, a lei não desempenha um papel proeminente em nenhum dos cenários. Para a SETI clássica, trata-se principalmente da regulamentação dos chamados protocolos de pós-detecção (ou seja, como garantir que um sinal de rádio seja real, para quem ligar depois de confirmado pela comunidade científica e quem consegue contar ao mundo as novidades e coordenar uma possível resposta). Algumas pessoas da SETI não se importam com sutilezas como a tomada de decisão democrática e seguem por conta própria para enviar mensagens à Inteligência Extraterrestre – IET (METI), embora o objetivo autoproclamado da METI seja provocar uma situação na qual a humanidade não será capaz de para manter o controle.

Basta dizer que até agora não há convenção, tratado ou outro acordo juridicamente vinculativo sobre nada disso. A SETA pode levantar questões adicionais de direitos de exploração, propriedade, etc., de quaisquer artefatos encontrados. Se a lei espacial atual é suficiente para regular essas questões parece duvidoso. Para a comunidade OVNI, a aparente superioridade das naves/fenômeno não se presta naturalmente a ruminações sobre o estabelecimento de relações legais com entidades que podem executar anéis ao nosso redor.

Não há nada a temer

Em ambos os campos, encontramos uma sabedoria convencional generalizada sobre como civilizações muito avançadas devem ter passado pelo limiar da violência e agressão como formas de interação dentro de sua própria espécie, emergindo do outro lado como inerentemente pacíficas. Caso contrário, sua autodestruição teria ocorrido há muito tempo. Portanto, ao se mudarem para o universo, elas estariam levando essa atitude com elas, ou talvez elas obedecessem a algum tipo de “Primeira Diretriz” (à la Jornada nas Estrelas) e evitassem estritamente o contato com espécies menos avançadas.

No entanto, nenhuma dessas noções é baseada em evidências confiáveis. Muito pelo contrário: a história da humanidade nos ensina como o avanço tecnológico e cultural por milênios não nos livrou do uso da violência para alcançar objetivos nefastos. Da mesma forma, se o fenômeno OVNI é de fato de origem extraterrestre, então eles não parecem obedecer a uma diretriz principal de não exposição a outras civilizações. A situação continua confusa porque, como Jacques Vallée apontou, “se os alienígenas fossem simplesmente ‘hostis’ no sentido de primeira ordem da palavra, eles poderiam ter dominado nosso planeta há muito tempo”.

No entanto, mesmo que os OVNIs sejam de origem extraterrestre e não meramente sondas espaciais exploratórias, operando sem mandato alienígena ou capacidade tecnológica para entrar em conversas sobre o estabelecimento de relações interespécies de longo prazo, sua existência e a possibilidade de contato futuro com (outras) espécies chegando do espaço no cenário clássico não são mutuamente exclusivos.

Advogados, cientistas e contato com a inteligência extraterrestre

A maioria dos advogados ainda não entende a ciência da SETI e porque a lei deve se envolver com ela. Por sua vez, os cientistas da SETI podem ter, na melhor das hipóteses, apenas um conhecimento superficial das questões legais em torno da SETI; isso é ainda mais verdadeiro em relação aos problemas que podem surgir do contato direto.

É necessário chegar a uma linha de base de entendimento mútuo sobre as questões que precisarão ser determinadas em caso de contato. Isso pode incluir hipóteses extremamente especulativas em torno do contato hostil, por um lado, e a adesão a uma rede de civilizações, ou “Clube Galáctico”, por outro. Estes podem testar os valores humanos éticos e legais fundamentais nas áreas do direito dos conflitos armados e do direito dos direitos humanos.

“… E o que acontece se eles se tornarem hostis?”

Precisamos analisar os problemas decorrentes do potencial de contato hostil com base nos princípios do direito internacional e doméstico inter-humano da humanidade e como eles podem ser aplicados a um conflito interespécies.

Qual seria, por exemplo, a responsabilidade dos humanos sob os quatro crimes centrais – genocídio, crimes contra a humanidade, crimes de guerra e agressão – como cenários de um futuro distante surgindo como consequência potencial da exploração humana do espaço e da busca por espécies em outros planetas que os humanos possam um dia visitar? Alcançaríamos a arma definitiva de destruição em massa e destruiríamos toda uma cultura alienígena como uma resposta de primeira escolha se a sobrevivência da espécie humana estivesse em jogo? A IET seria responsável nos tribunais da Terra por suas ações agressivas e receberia direitos de julgamento justo, ou os trataríamos como entidades sem reconhecimento de status de pessoa jurídica?

Como podemos ou devemos nos preparar para o contato hostil em termos práticos? Isso inclui tópicos como a tecnologia atual e a ligação entre o desenvolvimento de armas futuras e a estratégia do espaço profundo. Os requisitos decorrentes dos parâmetros estratégicos da guerra no espaço profundo contra um inimigo não humano, em oposição a meras operações orbitais entre humanos ao redor da Terra e da Lua, especialmente distâncias, velocidades e mecânica celeste, seriam diferentes daqueles em qualquer teatro de batalha a humanidade experimentou até agora.

Como as relações pacíficas com a IET poderiam evoluir? As Nações Unidas são um modelo que pode ser transportado em termos de um ambiente interespécies prospectivo? Quais são nossos valores morais compartilhados expressos, por exemplo, na lei internacional de direitos humanos, e o que estaríamos dispostos a negociar para obter acesso à tecnologia para acabar com a escassez global de alimentos e energia ou evitar as terríveis consequências da mudança climática?

Hora do realismo

Essas questões ainda aguardam respostas definitivas. Por enquanto, sua consideração séria também exigirá mais evidências que a maioria dos humanos – particularmente seus líderes políticos e militares – aceitaria como base suficiente para ação e alocação de fundos significativos. No entanto, se há algo que o debate sobre OVNIs nos ensina, é que a humanidade não pode esperar muito mais tempo antes de começarmos a abordar proativamente o enigma de um eventual contato com uma espécie alienígena.

Todos esperamos que, se o contato acontecer, seja pacífico e avance a humanidade em seu caminho para assumir seu lugar entre seus vizinhos no cosmos. Até lá, vale o velho ditado: “Si vis pacem, para bellum*”.

*[Se você quer paz, se prepare para a guerra.]


Michael Bohlander é o presidente de Direito Global e Política SETI da Durham University, Reino Unido.

(Fonte)


…E não esqueça: Nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui para acessá-la.

ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

IMPORTANTE: Se puder, colabore para manter o OVNI Hoje no ar, pois cada doação, por menor que seja, é crucial para manter este espaço de informação e conhecimento disponível para todos os interessados. Ao utilizar o QR code do PIX abaixo ou a chave PIX “OVNIHoje” (sem aspas), você está desempenhando um papel fundamental na sustentação deste site.

Lembre-se que as doações não são apenas um ato de generosidade, mas também uma demonstração do seu compromisso em apoiar o compartilhamento de informações relevantes e o crescimento da comunidade interessada em assuntos tão fascinantes, possibilitando a continuação das pesquisas, análises e publicações que enriquecem nosso entendimento.

Seja parte deste movimento contínuo em prol do conhecimento. O OVNI Hoje e seus leitores agradecem sinceramente por seu apoio dedicado.

Agradecimentos aos colaboradores do mês: Paulo Sanchez ||| Edward Vaz Jr. ||| Silas Raposo ||| Franklin Viana ||| Karin Gottert ||| Leopoldo Della Rocca

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta, portanto aja com responsabilidade.
  • O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com éticasempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!

COMPARTILHE COM A GALÁXIA:
Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!

hit counter code