web analytics

Você apertaria os botões de um dispositivo extraterrestre?

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 4 min.

Em minha última aula antes das férias de verão, perguntei a todos os alunos da sala de aula: “Se você recuperasse um dispositivo extraterrestre, você apertaria seus botões?

Você apertaria os botões de um dispositivo extraterrestre?
Crédito da imagem ilustrativa: n3m3/leonardo.ai

Por Avi Loeb
Esta questão é relevante enquanto me preparo para liderar a equipe do Projeto Galileo em uma expedição para recuperar as relíquias do primeiro medidor interestelar, IM1, no Oceano Pacífico. A resistência material desse meteoro era maior do que todos os outros 272 meteoros do catálogo CNEOS da NASA, então há uma chance de recuperarmos um grande pedaço dele – como sugerido em um artigo recente que escrevi com meus alunos.

A turma estava dividida. Metade dos alunos disse que preferiria não apertar nenhum botão por medo de que isso tivesse consequências desastrosas para eles ou para a humanidade em geral. A outra metade da turma era brincalhona e preferia explorar o dispositivo. Alguns sugeriram estudá-lo antes de tocar em seus botões, mas outros estavam ansiosos para apertar os botões e verificar o que acontecia a seguir. Um dos alunos perguntou o que eu faria. Eu respondi que primeiro examinaria cuidadosamente o dispositivo interestelar por meios passivos em um laboratório, da mesma forma que você trata um animal inteligente traumatizado que encontra na natureza. Eu preferiria entendê-lo antes de engajá-lo e acioná-lo para fazer algo.

A diversidade de respostas traz o dilema de como lidar com o inesperado. Dado que nossa era tecnológica centenária é muito jovem em comparação com os bilhões de anos que se passaram entre os tempos de formação de civilizações tecnológicas próximas a outras estrelas, qualquer encontro com um dispositivo extraterrestre em funcionamento provavelmente será uma grande experiência de aprendizado para nós. A razão é simples: nesse caso, os extraterrestres chegaram até nós antes que nós chegássemos a eles. É melhor mantermos a “mente de iniciante” do Zen Budismo e não cairmos na mente aprisionada da Rainha Má no filme da Disney, Branca de Neve e os Sete Anões.

A Rainha Má olhava regularmente para o Espelho Mágico e perguntava: “Espelho Mágico na parede, quem é a mais bela de todas?”, e o espelho respondia que ela era. Tendemos a olhar para o espelho e perguntar: “Espelho Mágico na parede, quem é a espécie mais inteligente de todas?” Nosso espelho repete as palavras de Enrico Fermi e Carl Sagan: “Reivindicações extraordinárias sobre a existência de uma inteligência extraterrestre requerem evidências extraordinárias… Onde está todo mundo?

Combine esses sentimentos de espelho com as palavras recentes de Elon Musk: “Estou … muito familiarizado com as coisas do espaço. Não vi evidências de alienígenas”, e você tem uma profecia autorrealizável de ver apenas o reflexo de nossa própria imagem no espelho, porque não ousamos olhar além de sua moldura em busca de dispositivos extraterrestres. Essa é uma perspectiva particularmente surpreendente, se imaginarmos que muitos empreendedores semelhantes a Musk em exoplanetas poderiam ter lançado por bilhões de anos suas próprias versões do Tesla Roadster de Musk, que a SpaceX lançou ao espaço como uma carga fictícia em 2018.

Uma pesquisa recente revelou que dois terços dos americanos acreditam em vida inteligente além da Terra. Mas crença não é o substantivo apropriado neste contexto. Para descobrir a realidade, devemos buscar evidências científicas. Em um podcast recente, perguntaram-me como a comunidade científica tradicional pode ser convencida da existência de inteligência extraterrestre. Minha resposta foi simples: “Assim que encontramos evidências indiscutíveis para essa revelação, meus colegas argumentam que pensaram nisso primeiro, e essa possibilidade evidente foi discutida por muitas décadas, então não há realmente nada de novo”.

Quando nos deparamos com um prédio trancado, podemos bater nossos corpos contra a porta com a esperança de que ela se abra. Mas uma criança que encontrasse a chave da porta a abriria calmamente com pouco esforço e nos deixaria entrar. Essa criança é o cientista que descobrirá as evidências, sem sombra de dúvida, de que extraterrestres existem. Eu disse à minha turma: “Vocês têm o dom da juventude não contaminada pelo preconceito e pela bagagem da história. Você pode ser a criança que encontra as chaves. Vou tentar ser esse garoto na próxima expedição. A mente de um iniciante não é ditada pela idade biológica.

Encontrar um dispositivo extraterrestre funcional no Oceano Pacífico nos oferecerá as chaves para nosso próprio desenvolvimento futuro como espécie interestelar. Recusar-se a procurar as chaves é o maior erro que a humanidade pode cometer. Eu elaboro esse tema em meu próximo livro Interstellar.

Se um dispositivo extraterrestre incluir a inteligência do GPT-100, vamos demorar um pouco para descobrir, já que estamos maravilhados com o GPT-4 e o cérebro humano. Tendemos a imaginar nossa competição com criaturas biológicas extraterrestres em outro planeta habitável. A melhor maneira de vencer essa competição é olhar para o nosso Espelho Mágico e insistir que não temos concorrentes.

Mas a realidade pode ser que os seres mais inteligentes que já existiram no cosmos desde o Big Bang, 13,8 bilhões de anos atrás, estão equipados com inteligência artificial (IA). Embora tenhamos orgulho de jogar beisebol no parque, esses astronautas da IA ​​podem jogar a bola para fora do parque em todos os arremessos. O choque de humanos testemunhando a atuação de um dispositivo extraterrestre desta classe pode desencadear sentimentos semelhantes aos da Rainha Má ao perceber a beleza de Branca de Neve.

As fronteiras do conhecimento estão frequentemente na interface entre arte e ciência. Para processar adequadamente nossa resposta, talvez a melhor abordagem seja colocar o dispositivo em exibição em um museu e respirar antes de se envolver com ele. Já prometi a Paula Antonelli, curadora sênior do Museu de Arte Moderna, que trarei qualquer descoberta importante do Oceano Pacífico para exibição na cidade de Nova Iorque.

Concluí minha aula perguntando aos alunos se eles acreditavam que havia uma espécie mais inteligente em nosso passado cósmico. Todas as mãos estavam levantadas. Agora tenho mais fé no futuro da humanidade. Esperamos que uma nova geração de cientistas nos traga uma visão do que está além da moldura do nosso espelho.

(Fonte)


…E não esqueça: Nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui para acessá-la.

ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

IMPORTANTE: Se puder, colabore para manter o OVNI Hoje no ar, pois cada doação, por menor que seja, é crucial para manter este espaço de informação e conhecimento disponível para todos os interessados. Ao utilizar o QR code do PIX abaixo ou a chave PIX “OVNIHoje” (sem aspas), você está desempenhando um papel fundamental na sustentação deste site.

Lembre-se que as doações não são apenas um ato de generosidade, mas também uma demonstração do seu compromisso em apoiar o compartilhamento de informações relevantes e o crescimento da comunidade interessada em assuntos tão fascinantes, possibilitando a continuação das pesquisas, análises e publicações que enriquecem nosso entendimento.

Seja parte deste movimento contínuo em prol do conhecimento. O OVNI Hoje e seus leitores agradecem sinceramente por seu apoio dedicado.

Agradecimentos aos colaboradores do mês: Edward Vaz Jr. ❤️ Silas Raposo ❤️ Danilo Tercariol ❤️

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:


Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!

hit counter code