web analytics

Cientistas criam Federação para buscar por vida extraterrestre

COMPARTILHE COM A GALÁXIA:
Tempo de leitura: 4 min.

As universidades de Cambridge, na Grã-Bretanha, Harvard e Chicago, nos Estados Unidos, e ETH Zurich, na Suíça, anunciaram no último final de semana na reunião anual da American Association for the Advancement of Science a formação da Origins Federation . Veja o artigo publicado no site da Cambridge:

Cientistas criam Federação para buscar por vida extraterrestre
Da esquerda para a direita – Emily Mitchell, Didier Queloz, Kate Adamal, Carl Zimmer. Paisagem com a Via Láctea. Nascer do sol e vista da Terra do espaço com a Via Láctea. (Elementos desta imagem fornecidos pela NASA). Crédito: ETH Zurich

Por milhares de anos, a humanidade e a ciência contemplaram as origens da vida no Universo. Embora os cientistas de hoje estejam bem equipados com tecnologias inovadoras, a humanidade tem um longo caminho a percorrer antes de entender completamente os aspectos fundamentais do que é a vida e como ela se forma.

Estamos vivendo um momento extraordinário na história”, diz Didier Queloz, que dirige o Leverhulme Center for Life in the Universe em Cambridge e o ETH Zurich’s Center for Origin and Prevalence of Life. Ainda estudante de doutorado, Queloz foi o primeiro a descobrir um exoplaneta – um planeta orbitando uma estrela do tipo solar fora do sistema solar da Terra. Uma descoberta pela qual ele mais tarde receberia o Prêmio Nobel de Física.

Em uma geração, os cientistas já descobriram mais de 5.000 exoplanetas e preveem a existência potencial de trilhões a mais apenas na Via Láctea. Cada descoberta inspira mais perguntas do que respostas sobre como e porque a vida surgiu na Terra e se ela existe em outras partes do universo. Avanços tecnológicos, como o Telescópio Espacial James Webb e as missões interplanetárias a Marte, aceleram o acesso a um volume avassalador de novas observações e dados, de forma que será necessária a convergência de uma rede multidisciplinar para entender o surgimento da vida no universo.

Cambridge, ETH Zurich, Harvard e Chicago fundaram a “Federação das Origens”

Unindo forças com o químico e ganhador do Prêmio Nobel, Jack Szostak e o astrônomo Dimitar Sasselov, Didier Queloz anunciou a fundação de uma nova “Origins Federation” (“Federação de Origens”) durante a Associação Americana para o Avanço da Ciência (AAAS). Embora uma federação interestelar fictícia possa vir imediatamente à mente, essa aliança internacional reúne a experiência de pesquisadores que trabalham nas origens dos centros de vida e iniciativas na Universidade de Cambridge, ETH Zurich, Universidade de Harvard e Universidade de Chicago.

Juntos, os cientistas explorarão os processos químicos e físicos dos organismos vivos e as condições ambientais propícias à manutenção da vida em outros planetas.

Queloz comentou:

“A Origins Federation baseia-se em um relacionamento colegial de longa data fortalecido por meio de uma colaboração compartilhada em um projeto recentemente concluído com a Fundação Simons”.

O que a humanidade poderia aprender com as bioassinaturas extraterrestres

Tais colaborações apoiam o trabalho de pesquisadores como a professora de Zoologia, Emily Mitchell. Mitchell, que trabalha com Queloz no Leverhulme Center for Life in the Universe, em Cambridge, é uma viajante do tempo ecológico. Ela usa varredura a laser baseada em campo e ecologia matemática estatística em fósseis de 580 milhões de anos de organismos do fundo do mar para encontrar os fatores determinantes que influenciam os padrões macroevolutivos da vida na Terra. Falando durante a sessão Origins of Life da ETH Zurich no AAAS, Mitchell levou os participantes de volta no tempo para 4 bilhões de anos atrás, quando a atmosfera primitiva da Terra – desprovida de oxigênio e rica em metano – mostrou seus primeiros sinais de vida microbiana. Ela falou sobre como a vida sobrevive em ambientes extremos e depois evolui, oferecendo potenciais insights astrobiológicos sobre as origens da vida em outras partes do universo.

Mitchell diz:

“À medida que começamos a investigar outros planetas, por meio das missões a Marte, as bioassinaturas podem revelar se a origem da própria vida e sua evolução na Terra é apenas um feliz acidente ou parte da natureza fundamental do universo, com todas as suas complexidades biológicas e ecológicas.”

Colonizando o espaço com células sintéticas

Embora as células biológicas complexas ainda não sejam totalmente compreendidas, as células sintéticas permitem que os bioquímicos, como Kate Adamala, do Laboratório de Protobiologia da Universidade de Minnesota, desconstruam sistemas complexos em partes mais simples. Peças que permitem aos cientistas entender os princípios básicos da vida e da evolução não apenas na Terra, mas potencialmente a vida em outros planetas do sistema solar.

Adamala lançou sua busca para construir a vida do zero como estudante de pós-graduação em Harvard, trabalhando com o Prêmio Nobel, Jack Szostak. Ela se esforça para criar biorreatores simples semelhantes a células, semelhantes às primeiras formas de vida, aplicando os princípios da engenharia à biologia.

Durante o AAAS, Adamala explicou como as células sintéticas permitem aos cientistas estudar o passado, presente e futuro da vida no universo. Ao contrário das células biológicas, é possível digitalizar células sintéticas e transmiti-las por grandes distâncias para criar, por exemplo, medicamentos ou vacinas sob demanda – uma “astro-farmácia” que poderia potencialmente sustentar a vida em uma nave espacial ou até mesmo uma futura colônia marciana. Até esse momento, as células sintéticas oferecem aplicações práticas para a humanidade em termos de sistemas de energia sustentável, maior rendimento das culturas e terapias biomédicas.

O que é a vida?

Embora ainda não haja uma definição abrangente de vida, a busca para descobrir suas origens inspirou entusiasmo, novas colaborações e abriu as portas nos salões mais sagrados da comunidade científica.

O Prof. Andy Parker, chefe do Laboratório Cavendish de Cambridge, disse:

“O trabalho pioneiro do Prof. Queloz permitiu que astrônomos e físicos fizessem avanços impensáveis ​​há apenas alguns anos, tanto na descoberta de planetas que poderiam abrigar vida quanto no desenvolvimento de técnicas para estudá-los. Mas agora precisamos trazer toda a gama de nossa compreensão científica para entender o que a vida realmente é e se ela existe nesses planetas recém-descobertos.

O Laboratório Cavendish tem o orgulho de hospedar o Leverhulme Center for Life in the Universe e fazer parceria com a Origins Federation para liderar esta missão.”

Outras informações

Didier Queloz anunciou a Federação das Origens no Encontro Anual da Associação Americana para o Avanço da Ciência (AAAS) durante a sessão: ‘Origins of Life: Humanity’s Quest to Discover the Nature of Life in the Universe‘ apresentado por Carl Zimmer, colunista do The New York Times e autor de “Life’s Edge: The search for what it meanings be alive”.

(Fonte)


…E não esqueça: Nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui para acessá-la.

ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

IMPORTANTE: Se puder, colabore para manter o OVNI Hoje no ar, pois cada doação, por menor que seja, é crucial para manter este espaço de informação e conhecimento disponível para todos os interessados. Ao utilizar o QR code do PIX abaixo ou a chave PIX “OVNIHoje” (sem aspas), você está desempenhando um papel fundamental na sustentação deste site.

Lembre-se que as doações não são apenas um ato de generosidade, mas também uma demonstração do seu compromisso em apoiar o compartilhamento de informações relevantes e o crescimento da comunidade interessada em assuntos tão fascinantes, possibilitando a continuação das pesquisas, análises e publicações que enriquecem nosso entendimento.

Seja parte deste movimento contínuo em prol do conhecimento. O OVNI Hoje e seus leitores agradecem sinceramente por seu apoio dedicado.

Agradecimentos aos colaboradores do mês: Paulo Sanchez ||| Edward Vaz Jr. ||| Silas Raposo ||| Franklin Viana ||| Karin Gottert ||| Leopoldo Della Rocca

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta, portanto aja com responsabilidade.
  • O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com éticasempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!

COMPARTILHE COM A GALÁXIA:
Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!

hit counter code