Sinal de rádio vindo do espaço se repetiu quase 2.000 vezes

Tempo de leitura: 3 min.

Um sinal misterioso vindo do espaço profundo foi detectado e repetiu quase 2.000 vezes em um período de apenas dois meses.

Sinal de rádio vindo do espaço se repetiu quase 2.000 vezes
As rajadas rápidas de rádio ainda são um mistério.

Os cientistas continuam a desvendar o mistério das estranhas “rajadas rápidas de rádio” que foram registradas vidas do espaço em 2021. Uma fonte repetida de rajadas rápidas de rádio (de sigla em inglês, FRB para Fast Radio Burst) produziu 1.863 flashes em 82 horas, com uma duração total de observação de 91 horas.

Os cientistas acreditam que os sinais vêm de estrelas em colapso, mas alguns sugeriram que poderiam ser evidências de civilizações extraterrestres.

As rajadas rápidas de rádio têm sido um mistério para os astrônomos desde que foram descobertas há 15 anos em dados de arquivo que datam de 2001: uma explosão incrivelmente poderosa de emissão de rádio que durou apenas um instante.

Desde então, muitos surtos semelhantes foram encontrados. Apenas alguns deles eram repetitivos; isso ajudou os cientistas pelo menos a rastreá-los até as galáxias hospedeiras.

Natureza desconhecida

Os cientistas não podem explicar a natureza de todas as FRBs. Segundo eles, nenhum dos objetos no Universo atualmente conhecidos é capaz de gerar de forma independente e natural esses sinais estranhos. No entanto, a fonte, que estava a 1,5 bilhão de anos-luz de nós e foi nomeada FRB 20201124A, deu origem a uma teoria. Cientistas chineses da Escola de Astronomia e Ciências Espaciais da Universidade de Nanjing, liderados pelo professor Fayin Wang, propuseram uma explicação baseada em dados específicos relacionados ao comportamento da FRB 20201124A: que os sinais são enviados por um magnetar.

Mas a FRB 20201124A foi encontrada em uma galáxia muito semelhante à Via Láctea. Não há muita formação de estrelas aqui, então não deve haver um boom estelar perto da FRB incomum.

A FRB 20201124A não é a única fonte de FRB encontrada em uma galáxia relativamente desprovida de formação estelar. O número crescente de picos sugere que há algum fato importante que os cientistas estão perdendo.

Magnetares ou alienígenas?

Pela primeira vez e puramente por acaso, o astrônomo Duncan Lorimer, da West Virginia University, em Morgantown (EUA), chamou a atenção para os estranhos surtos em 2007. Cinco anos depois, a comunidade científica reconheceu que as FRBs não são uma falha de hardware, nem algum tipo de interferência, mas sim sinais reais.

Representação artística de um magnetar. Crédito: depositphotos

Em 2012, os astrônomos descobriram mais quatro e depois muitas mais. Os sinais vinham de todas as direções, de lugares diferentes e distantes. Então foram descobertas fontes que enviavam radiação em uma série ordenada, ligando por vários dias e depois desligando.

As FRBs começaram a se registrar primeiro às dezenas, depois às centenas e agora aos milhares. O céu estrelado estava literalmente cheio de rajadas de natureza misteriosa.

Além das detecções feitas na China, os sinais são captados por muitos outros grandes radiotelescópios: o Australian Square Kilometer Array Pathfinder (ASKAP), o Very Large Array, o European Very Long Baseline Interferometry Network.

Algumas rajadas de rádio se comportam, para dizer o mínimo, estranhamente: mudam de frequência, iniciando uma “transmissão”, aumentam a potência centenas de vezes em uma fração de segundo, enviam sinais em diferentes direções. Algumass são polarizadas, outras não. Existem fontes que ‘contatam’ apenas uma vez, e depois desaparecem, e aquelas que ‘emitem’ regularmente de um só lugar.

Todas elas têm um grande poder. É o suficiente para o sinal atravessar bilhões de anos-luz de espaço interestelar. Surpreendentemente, muitos astrônomos bastante sérios, perplexos e incapazes de descobrir, não descartaram que as FRBs fossem de origem artificial. Ou seja, elas são o produto da atividade tecnológica de algumas civilizações extraterrestres altamente desenvolvidas.

Algum tempo atrás, o termo “sinais extraterrestres” foi até cunhado para se referir às FRBs. Por exemplo, astrofísicos do Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics, liderados por Avi Loeb, sugerem transmissores artificiais do tamanho da nossa Terra ou até maiores como fontes das ‘rajadas rápidas de rádio’.

Alguns cientistas acreditam que as FRBs viriam de naves estelares, equipadas com receptores adequados, com pulsos curtos e potentes. Alguns astrônomos acreditam que as FRBs estão escondendo alguma informação. Mas eles ainda não conseguem descobrir.

Depois de estimar o poder das rajadas, Loeb levantou a hipótese de que deveria ser suficiente para mover naves espaciais pesando um milhão de toneladas, 20 vezes mais pesadas que o maior transatlântico. Nesse caso, a atividade recente do FRB é alarmante. Ou os alienígenas estavam preocupados com alguma coisa e se mudaram em massa para algum outro lugar, ou o Universo ficou inquieto por uma razão desconhecida para nós.

Alguns anos atrás, Michael Hippke, do Instituto de Análise de Dados em Neukirchen-Vluyn, Alemanha, e John Learned, da Universidade do Havaí em Manoa, obtiveram motivos para suspeitar de alienígenas no fenômeno dos sinais FRB. Eles descobriram que as rajadas rápidas incluem ondas de rádio de alta e baixa frequência. Todos os sinais captados até então estavam sujeitos ao mesmo padrão: o tempo de atraso das baixas frequências em relação às altas frequências é um múltiplo de 187,5. O que isso significa também não está claro, mas parece intrigante.

Os resultados da pesquisa foram publicados na Nature e Nature Communications.

(Fonte)


E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

Participe dos comentários mais abaixo… e (importante) se puder, colabore na manutenção do OVNI Hoje utilizando o QR code do PIX abaixo, ou use a chave PIX “OVNIHoje” (sem as aspas):

Agradecimentos aos colaboradores dos últimos meses: Edward de Lima, José de Castro, Teogenis de Oliveira, Egídia dos Santos, Silas Raposo, Reinaldo Galhardo, Luiz Buria, Silas Raposo, Maria Dorotea Soares..

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!

hit counter code
Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende exclusivamente dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!