Astrônomos têm hipótese intrigante para mistério extraterrestre

Tempo de leitura: 4 min.

Quarenta e cinco anos atrás, os radioastrônomos da Ohio State University detectaram um sinal de rádio forte e claro vindo de algum lugar na direção da constelação de Sagitário.

Astrônomos têm hipótese intrigante para mistério extraterrestre
Uma digitalização de uma cópia da impressão original do computador. (Ignore o ET ao lado 😉)

Ele tinha todos os recursos SETI (Search for ExtraTerrestrial Intelligence/Procura por Inteligência Extraterrestre) que os pesquisadores esperavam ver em um sinal de rádio alienígena real. A primeira antena do radiotelescópio Big Ear ouviu o sinal por 72 segundos antes de seguir em sua varredura programada do céu. O astrônomo principal Jerry Ehman escreveu apressadamente “Wow!” (“Uau!”) ao lado do sinal em uma impressão dos dados do Big Ear, e este sinal é conhecido como o “Sinal Wow!” desde então.

Três minutos depois, quando a segunda antena do Big Ear se aproximou de Sagitário, encontrou apenas silêncio. Ninguém nunca mais ouviu o sinal, apesar de centenas de horas de tentativas. E nos últimos 45 anos, os cientistas têm procurado uma explicação.

Em um artigo recente, o astrônomo da Universidade de Columbia, David Kipping, e o falecido astrônomo Robert Gray exploram uma possibilidade muitas vezes negligenciada – mas como Kipping diz ao site Inverse, realmente não há boas explicações. O “Sinal Wow!” permanece um enigma.

O que há de novo

O verdadeiro mistério é este: se o “Sinal Wow!” era um farol de um mundo distante ou qualquer outra coisa, por que ninguém o ouviu desde então? Até agora, ele se esquivou de quase 200 horas de observações dos radioastrônomos, muitas vezes com telescópios mais avançados e mais sensíveis do que o agora aposentado Big Ear.

E para conseguir isso, de acordo com um estudo de 2020, teria que haver pelo menos 40 horas de silêncio entre as repetições do sinal (se, é claro, o sinal realmente se repetir).

Se as repetições do sinal se aproximassem mais do que isso, então, estatisticamente, alguém deveria tê-lo ouvido novamente. Mas com uma pausa tão longa entre os sinais, é surpreendente que Big Ear tenha tido a sorte de pegar um em andamento em primeiro lugar. Estatisticamente falando, Ehman e seus colegas deveriam ter perdido isso também.

E se o sinal fosse realmente um evento único, o equivalente interestelar de alguém acidentalmente acionar um alarme de carro e desligá-lo após o primeiro bipe?

Kipping diz:

“A probabilidade do pedaço do céu do Wow! abrigar apenas uma civilização que enviou apenas um sinal, em todo o tempo cósmico, e que o Big Ear estava ouvindo na hora certa e no lugar certo é extremamente pequena. Acho que podemos descartar totalmente isso como sendo absurdamente artificial.

Eu não estou dizendo que civilizações alienígenas não emitem sinais pontuais – elas podem muito bem fazê-lo – mas se elas realmente apenas enviassem um sinal para nós em toda a história e em todo o futuro, então as chances do Big Ear ver isso são extremamente pequenas, muito menores do que a probabilidade de repetição.”

Kipping e Gray, no artigo, dizem que há outra possibilidade que não foi considerada, e é chamada de repetidor estocástico.

Estocástico significa, essencialmente, aleatório – se um processo é estocástico, você pode modelar padrões gerais, mas não pode fazer previsões específicas sobre quando algo acontecerá. Por exemplo, no início do Sistema Solar, a forma como os grãos de gelo e poeira se unem e eventualmente se aglomeram em planetas é um processo estocástico. Os modelos podem descrever como e porque os grãos se unem, mas não podem prever quais grãos se chocarão ou quando.

E talvez alguém em um planeta na direção de Sagitário tenha decidido construir um transmissor de rádio que dispararia um sinal a cada X horas, com um gerador de números aleatórios para dar ao transmissor um novo valor de X a cada vez.

Isso parece uma coisa estranha de se fazer, mas faz sentido se você é um radioastrônomo alienígena esperando ser notado por alienígenas inteligentes. Enviar um sinal em intervalos aleatórios significa que você evita o risco de sempre pegar ouvintes distantes durante as horas em que eles não estão realmente ouvindo, ou atingir um ponto do planeta que não tenha nenhum radiotelescópio operando. A aleatoriedade do sinal também pode ser graças à cintilação no meio interestelar por onde passa, especialmente se estiver viajando mais de 100 parsecs (326 anos-luz) para chegar à Terra.

A desvantagem, como com o “Sinal Wow!”, é que você também pode confundir seus ouvintes se eles não conseguirem pegar uma repetição.

Kippling diz:

“Faróis estocásticos são mais frustrantes porque você não sabe quando o próximo pulso virá, mesmo que já tenha detectado um monte. Portanto, se você deseja enviar informações úteis de maneira previsível, esse não é o caminho. Mas se você quer apenas maximizar a chance de alguém ver seu sinalizador em algum momento, isso é vantajoso.”

Em um artigo recente, Kipping e Gray criaram uma versão estatística de um repetidor estocástico, que produzia um conjunto de sinais em intervalos aleatórios ao longo de 90 dias. Então eles sobreporam isso com as datas e horários das observações de Big Ear do pedaço do céu onde o “Sinal Wow!” tinha vindo. Toda vez que o sinal acontecia no momento em que Big Ear estava escutando, Kipping e Gray contavam uma detecção. Eles repetiram o processo 1.000 vezes.

O objetivo era responder a uma pergunta: se o”Sinal Wow!” foi repetido em intervalos aleatórios, quais eram as chances de Big Ear detectá-lo uma vez, e apenas uma vez? A resposta acabou sendo cerca de 32,3%, o que parece encorajador – quase uma chance em três! Mas então Kipping e Gray consideraram todas as muitas horas de escuta com outros telescópios em outros lugares nas décadas desde o “Sinal Wow!” e as chances caíram para 1,78%.

Em outras palavras, há menos de uma chance em cinquenta de que o “Sinal Wow!” pode ser um sinal repetido aleatoriamente que os astrônomos de alguma forma só ouviram uma vez em 45 anos. Do ponto de vista estatístico, a ideia do repetidor aleatório ainda faz mais sentido do que as outras explicações – mas não é ótima. Ainda não há dados suficientes para dizer que não é a resposta.

Kippling diz:

“Toda hipótese parece improvável agora. E esse é o problema com eventos do tipo cisne negro como este: eles não são o produto de comportamentos típicos e, portanto, somos forçados a comparar um ‘conjunto de canudos’ muito curtos.”

O que vem a seguir

Para descartar um sinal repetido aleatoriamente como explicação para “Sinal Wow!” (pelo menos para a satisfação dos estatísticos, que têm requisitos muito específicos para decidir se uma explicação se encaixa nos dados), Kipping e Gray calculam que os astrônomos precisam passar mais 62 dias ouvindo uma repetição do “Sinal Wow!”. E embora riscar algo da lista não resolva o mistério, é pelo menos um passo mais perto.

Enquanto isso, Kipping e Gray dizem que o trabalho estatístico apresentado em seu artigo recente pode ajudar os astrônomos a interpretar sinais em outros projetos SETI, como o Breakthrough Listen, prevendo com que frequência eles devem se repetir, entre outras propriedades.

Hoje quase ninguém contesta que o Big Ear detectou algo. E dada a frequência do sinal e outras características, era muito improvável que fosse algo natural. Kipping compartilhou seu próprio palpite com o site Inverse:

“Meu palpite pessoal é que era um satélite não registrado em uma órbita alta da Terra que, por alguma razão bizarra, estava usando a linha de hidrogênio para comunicações ou testes. Esse satélite não está mais funcionando ou realizando esses testes, por isso não podemos vê-lo se repetir.

Não é uma ótima explicação, mas como eu disse, nenhuma das opções parece funcionar muito bem.”

(Fonte)


Para adicionar um pouco de drama ao caso, o “Sinal Wow!” pode ter sido um último sinal (suspiro) vindo de uma civilização que estava prestes a ser destruída por um evento cataclísmico natural, ou, tão ruim quanto, por uma outra civilização mais violenta.

Viu como é fácil criar um filme de ficção científica?

Mas enquanto não descobrimos a causa real do sinal, qualquer palpite é válido e a imaginação alça voo.

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO… e (importante) se puder, colabore na manutenção do OVNI Hoje utilizando o QR code do PIX abaixo:

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!
hit counter code
Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende exclusivamente dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!